Trio de maratonistas do Brasil treina na Colômbia buscando índice para os Jogos Olímpicos em Tóquio - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Trio de maratonistas do Brasil treina na Colômbia buscando índice para os Jogos Olímpicos em Tóquio

Compartilhe




As maratonistas Adriana da Silva, Andreia Hessel e Valdilene Santos estão na Colômbia para uma temporada de treinos em altitude. O trio viajou na segunda-feira (26) e permanece em território colombiano até o fim de novembro. As duas primeiras ficarão na cidade de Sopó, localizada 2.650 metros acima do nível do mar, e Valdilene em Paipa, a 2.502 metros de altitude, intensificando a preparação para a Maratona de Valência, em dezembro. A prova espanhola é válida para obtenção de índice para os Jogos Olímpicos, que serão realizados em Tóquio, em 2021. 
  

Para assegurar a classificação, as brasileiras precisam completar o percurso de 42.195m no tempo máximo de 2h29min30. “Acredito que nada é impossível. Vou treinar com minha grande amiga Adriana, prova real de que, sim, é possível alcançar os sonhos porque ela conseguiu o índice que temos de fazer quando foi para os Jogos em Londres (2012)”, destaca Andreia. Atualmente, sua melhor marca em maratona é 2h34min55, registrada em Nagoia, no Japão, no ano passado. 


Antes da viagem para a Colômbia, Andreia e Valdilene disputaram o Mundial de Meia Maratona em Gdynia, na Polônia, no último dia 17. Andreia completou na 76ª colocação, registrando a melhor marca de sua carreira na distância (1h14min41). “O Mundial foi como um termômetro sobre como estou em ritmo de competição. Uma semana antes de embarcar para a Polônia, corri uma prova de 10.000m na pista de Bragança Paulista e aumentei minha autoconfiança porque meu resultado foi melhor do que em 2019. Passei a acreditar que era possível fazer um bom resultado no Mundial e tracei uma meta ousada de conseguir meu personal best (melhor marca), pois queria sentir o ritmo real que devo correr para obter o índice”, diz. 


Valdilene teve uma crise de hipotermia por causa do frio e cruzou a linha de chegada em 94º em Gdynia. “Não obtive o resultado esperado, mas voltar a competir e com foco nas Olimpíadas serviu para ganhar ritmo e vivência competitiva”, avalia a maratonista, que tem 2h32min01 (Frankfurt- 2018) como melhor tempo na distância. Adriana não disputou o Mundial, mas correu uma prova de 5Km após a retomada dos eventos esportivos. Em sua primeira competição em mais de um ano, ela completou o percurso em 20min e ficou satisfeita pela retomada na normalização dos treinos. Seu melhor tempo em maratona é 2h29min17 (Tóquio-2012). 


Para o trio do Time Ajinomoto, o treinamento na Colômbia vai ajudar muito na preparação para buscar o índice olímpico. “Esse treinamento em altitude é muito bom, principalmente para maratonistas, porque ajuda muito no condicionamento e no aumento de hemoglobina. Treinar lá no alto é muito difícil devido à respiração, mas é muito importante porque quando volto a competir em lugar mais baixo o resultado é muito bom”, garante Adriana. A hemoglobina (glóbulos vermelhos) é responsável por transportar o oxigênio na corrente sanguínea e aumentar a resistência orgânica.



Foto: DIvulgação/Ajinomoto do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário