Grupos realizam campanha visando fim do preconceito contra pessoas LGBT no Japão, antes das Olimpíadas - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Grupos realizam campanha visando fim do preconceito contra pessoas LGBT no Japão, antes das Olimpíadas

Compartilhe

Diversos grupos de direitos humanos no Japão lançaram nesta quinta-feira (23), a campanha #EqualityActJapan, para pressionar por mudanças na legislação, visando proteger cidadãos LGBTQIA+ da discriminação. O projeto cobra também o tratamento com igualdade durante os Jogos Olímpicos de Tóquio que serão realizados em 2021. 

A campanha é apoiada por instituições como a Human Rights Watch, Athlete Ally, além da Aliança do Japão para Legislação LGBTQIA+ (J-ALL), que abrange outros 100 grupos desta comunidade em todo o país e promoveu a ação diretamente com atletas nacionais e internacionais lutando pelo fim da discriminação dentro do esporte também. 

"As pessoas LGBTQIA+ no Japão têm direito a igual proteção nos termos da lei", declarou Yuri Igarashi, co-representante diretor da J-ALL. "Adiar os Jogos Olímpicos para 2021 deu ao governo tempo para introduzir e aprovar proteções históricas para beneficiar todos no Japão", ponderou. 

A campanha é aberta para todos que desejarem combater o preconceito e promete apresentar uma série de oportunidades para que as pessoas possam participar tanto virtualmente como de forma presencial em ações desta causa. 

O que a carta olímpica diz?

Motivo de polêmica nos últimos meses por conta da "Regra 50", que proíbe manifestações durante as Olimpíadas, a Carta Olímpica no entanto, proíbe também "qualquer tipo de discriminação", incluindo aquelas de orientação sexual.

O governo metropolitano de Tóquio adotou uma portaria que protege pessoas LGBTQIA+ de discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero em outubro de 2018.

Porém, diversos eventos olímpicos sairão dos limites da capital japonesa, incluindo maratonas, golfe, marcha atlética, sotfbol e surfe. Então essa poderá ser uma oportunidade para ampliar a campanha e solicitar a ajuda de outras cidades nesta luta. 


A diretora japonesa da Human Rights Watch, Kanae Doi, acrescentou no debate: "O Japão tem a oportunidade de ser um verdadeiro líder global de direitos LGBT, protegendo-os contra a discriminação no país".

"O governo metropolitano de Tóquio demonstrou solidariedade com a comunidade LGBT ao aprovar sua histórica lei olímpica de não discriminação LGBT, e o governo nacional deve seguir urgentemente o exemplo."

Apesar disso, o Japão ainda adota leis como a exigência de que pessoas possam ser identificadas pelo gênero que desejam ser reconhecidas apenas após uma cirurgia de redesignação sexual. 

As leis anti-discriminação existem em poucas partes do país, proibindo até mesmo a adoção de crianças por casais do mesmo gênero. Além disso, o casamento homoafetivo ainda não é legal no Japão, mesmo com 54% da população sendo favorável, de acordo com a pesquisa "The Global Divide on Homosexuality", da Pew Research Center, um site informativo não partidário. 

Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário