Levantadora de peso indiana é liberada do doping após dois anos e meio e planeja processar a IWF - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Levantadora de peso indiana é liberada do doping após dois anos e meio e planeja processar a IWF

Compartilhe

A levantadora de peso indiana Khumukcham Sanjita Chanu foi liberada das acusações de doping e agora planeja entrar com uma ação contra a Federação Internacional de Halterofilismo (IWF) em valores que podem chegar a centenas de milhares de dólares.

Sanjita retornou uma amostra positiva em novembro de 2017, em um campo de treinamento em Las Vegas, pouco antes do Mundial em Anaheim, na Califórnia. Agora, 933 dias depois, a IWF retirou as acusações com base em conselhos da Agência Mundial Antidopagem (WADA).

Durante esses 933 dias, a indiana foi suspensa por nove meses e perdeu qualquer chance de se classificar para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Desde o início, a esportista protestou contra sua inocência.

"Estou feliz no sentido de que sou finalmente e oficialmente liberada das acusações de doping. Mas, e as chances que eu perdi? Quem assumirá a responsabilidade pelo trauma mental com o qual estou vivendo, pelos erros que ocorreram em todos os níveis possíveis?", disse a atleta de 26 anos.

"Você coloca um atleta em suspensão, deixa-o esperando por anos sem julgamento final e, em um belo dia, envia um e-mail dizendo: 'agora você está livre de cobranças'. Isso é algum tipo de brincadeira?", acrescentou a esportista. "O sonho final de todo atleta é ganhar uma medalha nos Jogos Olímpicos e, pelo menos, participar dos Jogos. Para mim, essa chance foi arrancada pela IWF."

"A IWF deve se desculpar e fornecer uma explicação genuína, e a organização ou indivíduo responsável deve ser penalizado. Quero compensação da IWF." A reivindicação da atleta será de uma soma de seis dígitos, disse seu irmão Bijen, que representou a Sanjita em uma audiência da IWF em Budapeste, em outubro de 2018.

A levantadora, que ganhou o ouro nos Jogos da Commonwealth em 2014 e 2018, disse que os problemas começaram logo no início, quando a Oficial de Controle de Doping que tirou sua amostra preencheu um formulário incorretamente e anotou o endereço de e-mail errado.

A WADA levou até 28 de maio deste ano para informar a IWF que “devido a certas não-conformidades no momento da análise da amostra com o método analítico de espectrometria de massa de razão isotópica do laboratório (que foram corrigidas para satisfação do cliente)". A agência ainda recomenda - por justiça ao atleta - que o caso contra o atleta com base na amostra seja encerrado.

A IWF decidiu encerrar o assunto, informou Sanjita, mas a esportista pretende mantê-lo aberto até receber uma explicação completa, um pedido de desculpas e uma compensação.

Foto: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário