Dona de sete medalhas paralímpicas, Le Fur revela dúvida antes de ter adiado aposentadoria - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Dona de sete medalhas paralímpicas, Le Fur revela dúvida antes de ter adiado aposentadoria

Compartilhe

Campeã olímpica dos 100 metros rasos em Londres 2012 e do salto em distância na Rio 2016, ambos na classificação T44, a paratleta francesa Marie-Amélie Le Fur revelou sua indecisão antes de postergar a aposentadoria após o adiamento dos Jogos Paralímpicos de Tóquio para 2021. 

Já estava tudo certo para a estrela francesa, dona de sete medalhas paralímpicas se afastar das competições após o evento. Até que veio a pandemia de coronavírus e atrapalhou os planos de Le Fur, que é presidente do Comitê Paralímpico e Esportivo da França (CPSF) e resolveu manter-se na ativa para disputar por medalhas em Tóquio. 

"Sou mãe há 10 meses", disse a paratleta em entrevista ao portal francês 20minutes. "Eu havia me preparado para 'sacrificar' o primeiro ano com minha filha, com muitas ausências, treinos, viagens, fins de semana agitados", disse. 

"Mas, tendo que passar dois anos nesse modelo, foi realmente necessário questionar sobre a continuidade com a família", ressaltou Le Fur.

"Também discutimos com os treinadores, para descobrir como poderíamos integrar este ano adicional, respeitando o fato de que eu não sou apenas uma atleta, mas também presidente da CPSF e uma mãe que precisa estar com sua filha. Levamos todo o tempo do confinamento para refletir". 

O trabalho como presidente da CPSF

Le Fur tem atuado junto aos paratletas para discutir as necessidades deles durante a pandemia de coronavírus, tentando ajustar o momento certo para retomar os treinamentos. 

"Um vínculo foi mantido pelas Federações, e o monitoramento realizado pela Agência Nacional de Esportes garantiu que não tivéssemos atletas em dificuldades demais ou que poderiam ter desistido", afirmou a paratleta.

"A recuperação pós-bloqueio foi condicionada a um check-up médico, para verificar não só o estado físico, como também o estado psicológico dos esportistas. E isso foi muito importante", concluiu. 

Foto: Christophe Simon/AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário