Primeiro-ministro Shinzo Abe declara fim do estado de emergência no Japão - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Primeiro-ministro Shinzo Abe declara fim do estado de emergência no Japão

Compartilhe

Sete semanas depois de entrar em vigor, o estado de emergência no Japão foi declarado encerrado nesta segunda-feira, 25. O primeiro-ministro Shinzo Abe tomou a decisão depois de um contínuo declínio no número de infecções por coronavírus no país nas últimas semanas.

"Eu decidi encerrar o estado de emergência em todo o país. Em pouco mais de um mês e meio, quase controlamos a situação (da infecção)", disse Abe em uma coletiva de imprensa. "Tínhamos critérios muito rigorosos para suspender o estado de emergência. Julgamos que cumprimos estes critérios".

O estado de emergência foi instaurado no dia 7 de abril, em sete prefeituras japonesas, incluindo Tóquio, a cidade-sede da próxima edição dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. No dia 16 de abril, foi estendido para todo o país. O decreto deveria ser encerrado no início de maio, mas o governo optou por manter até 31 de maio, a fim de evitar novas disseminações.

Mas o país conseguiu controlar a situação antes do tempo necessário e 42 das 47 prefeituras japonesas já puderam ser liberadas do decreto na semana passada. Tóquio, Chiba, Kanagawa, Saitama e Hokkaido foram as últimas áreas a saírem do estado de emergência nesta segunda.
Atualmente, há 2,3 mil casos ativos no país e foram registradas apenas 14 infecções em todo país no último domingo.

O estado de emergência deu a liberdade para que governantes fechassem os comércios não essenciais e instruíssem as pessoas a ficarem em casa. O Japão não decretou o lockdown, que é o isolamento total da população.

Apesar do fim do decreto, os japoneses continuarão seguindo todas as regras preventivas contra a disseminação do coronavírus. "O afrouxamento da emergência não significa que o vírus se foi ou que as infecções estão em zero. Nossa batalha contra o vírus continuará", alertou o primeiro-ministro.

Especialistas afirmam que é preciso cautela para evitar uma terceira onda de infecções da doença. O governo já está pedindo ao povo japonês que adote um novo estilo de vida, utilizando máscaras, mantendo o distanciamento social e trabalhando em casa. O home office pode auxiliar a reduzir a quantidade de trens lotados nas áreas urbanas, diminuindo também a chance de contágio.

Neste primeiro momento, museus e bibliotecas serão reabertos em todo o país, enquanto os restaurantes e lanchonetes poderão ficar abertos até às 22h, pelo menos em Tóquio. Posteriormente, lojas e cinemas poderão ser reabertos. Academias, bares e karaokês permanecerão fechados. A população também será instruída a não viajar para outras cidades até pelo menos 19 de junho.

A pandemia do coronavírus foi a responsável pelo adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio para o próximo ano. A cidade-sede do megaevento, aliás, foi o epicentro da pandemia no Japão, registrando cerca de 5.100 dos 17.200 casos totais. Apenas oito infecções foram registradas nesta segunda-feira.

A Olimpíada de Tóquio foi remarcada e está programada para acontecer entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021. No entanto, há temores de que a pandemia possa permanecer até lá e estragar sua celebração. Thomas Bach já afirmou que os Jogos serão cancelados caso não puderem ocorrer no próximo ano.

Foto: Charle Triballeau/AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário