Tailândia e Malásia são banidas do levantamento de peso dos Jogos Olímpicos de Tóquio - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio

Tailândia e Malásia são banidas do levantamento de peso dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Compartilhe

Tailândia e Malásia estão proibidas de levarem suas equipes do levantamento de peso para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A medida foi decretada pelo Painel de Sanções às Federações Membros Independentes (IMSF), órgão da IWF, neste sábado, 04, após múltiplas infrações às regras antidoping cometidas pelos dois países.

A Associação Tailandesa de Halterofilismo Amador (TAWA) foi suspensa por três anos, enquanto a Federação de Halterofilismo da Malásia (MWF) recebeu uma punição de um ano. Os membros das entidades não poderão disputar cargos na federação internacional durante o período. A punição da MWF ainda poderá ser revertida após seis meses, caso a federação cumpra critérios estabelecidos pela IWF.

Desde 2018, a Tailândia se retirou voluntariamente de todas as competições internacionais depois que nove de seus levantadores de peso foram pegos no doping no Campeonato Mundial daquele ano. Com a decisão do painel, a exclusão tailandesa passa a ser juridicamente vinculativa.

Por conta dessa suspensão autônoma, os atletas tailandeses poderão competir em onze meses após a volta dos torneios da IWF, no momento paralisadas por conta da pandemia do coronavírus. Os malaios poderão disputar campeonatos cinco meses após o fim da paralisação.

Mesmo que as punições sejam encerradas antes da realização da Olimpíada, os atletas dos dois países não poderão participar do megaevento.

Dona de 14 medalhas olímpicas, a Tailândia é um dos países mais tradicionais do levantamento de peso. O país ficou em 2º lugar no quadro de medalhas da modalidade na Rio-2016, atrás somente da poderosa China. A Malásia jamais conquistou uma medalha em Olimpíadas na modalidade. Ambas as entidades asiáticas têm até o dia 22 de abril para entrar com recurso na Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Em nota, a IWF afirmou que "possui uma política de tolerância zero ao doping e apoia totalmente as ações disciplinares que estão sendo tomadas para garantir condições equitativas para todos os atletas" e que "continua comprometida em trabalhar com todas as federações membros para fornecer educação abrangente antidopagem que promova mudanças de atitude e culturais".

Foto: Yves Herman/REUTERS

Nenhum comentário:

Postar um comentário