Organização dos Jogos de Tóquio não tem plano B caso pandemia permaneça até 2021 - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Organização dos Jogos de Tóquio não tem plano B caso pandemia permaneça até 2021

Compartilhe



O Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio não pensa em um plano B, no momento, caso a pandemia do coronavírus se mantenha e seja um problema para a realização da Olimpíada em julho do próximo ano. A informação foi divulgada pelo portal insidethegames, após consultar um porta-voz de Tóquio-2020.

Os Jogos de Tóquio estavam agendados para o verão deste ano, mas tiveram que ser transferidos para julho e agosto do próximo ano, por conta da crise sanitária global. O porta-voz despistou uma nova mudança e disse que as novas datas já estão marcadas e a organização se mantém focada para cumprir o novo cronograma.

"A nova data para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos já está marcada. Estamos trabalhando puramente em nossa missão em direção ao novo objetivo", disse o informante. "Tóquio 2020 e todas as partes envolvidas estão dedicando seus melhores esforços para entregar os Jogos no próximo ano", completou.

Na última semana, o CEO de Tóquio-2020, Toshiro Muto, reconheceu que o avanço do coronavírus no Japão poderia afetar a próxima edição olímpica e admitiu que não pode dar garantias de que o megaevento será realizado em julho do próximo ano.

O Japão declarou estado de emergência em sete prefeituras duas semanas após o adiamento dos Jogos, após uma crescente de casos de Covid-19 no país (cerca de 7 mil). Mas Muto também indicou que não havia novos planos para um segundo adiamento da Olimpíada. 

"Em vez de pensar em planos alternativos, devemos colocar todo o nosso esforço. A humanidade deve reunir toda a sua tecnologia e sabedoria para trabalhar duro para desenvolver tratamentos, medicamentos e vacinas", afirmou o CEO.

Em entrevista a um portal alemão nesta semana, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) explicou que o ano de 2022 não pôde ser considerado como uma opção viável na mudança porque "o Japão não poderia administrar um adiamento além do próximo ano".

Questionado, Bach disse que, no momento, não há perigo e que a equipe de trabalho do COI e da OMS seguem liderando as operações. "Nossa prioridade número um, obviamente, segue sendo a saúde dos atletas e de todos os demais envolvidos nos Jogos, assim como na contenção do vírus. Isto continuará guiando todas as tomadas de decisões".

Foto: Issei Kato/REUTERS

Nenhum comentário:

Postar um comentário