Katie Ledecky fala sobre competir contra homens: "Eu adoraria, isso seria divertido" - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio

Katie Ledecky fala sobre competir contra homens: "Eu adoraria, isso seria divertido"

Compartilhe

Com cinco ouros olímpicos e 15 títulos mundiais, Katie Ledecky estabeleceu um novo padrão à natação feminina. Sua primeira consagração olímpica veio aos 15 anos, nos Jogos Olímpicos de Londres, 2012, quando venceu os 800m estilo livre. 

Hoje com 23 anos, Ledecky é a atual recordista mundial dos 400, 800 e 1.500m estilo livre. E essas conquistas dão voz a quem quer ver a nadadora natural do estado de Washington DC competir contra homens.

"Eu adoraria, isso seria muito divertido", afirmou Ledecky ao site oficial das Olimpíadas, sobre a possibilidade inusitada.

Em um evento da Pro Swin Series neste ano, antes da pandemia de coronavírus, Ledecky nadou os 1.500m em pouco menos que 15 minutos e meio (15:29.51), marca que a colocaria em quinto lugar na prova masculina da competição. 

"Eu fiz isso em alguns torneios quando voltei à costa leste. Adoraria essa oportunidade. Vou conversar com alguns organizadores, para ver a possibilidade", disse Ledecky, reiterando seu desejo de competir contra homens em algum momento. 

Revanche com Titmus

Apesar de ter grandes marcas e títulos, Ledecky não é imbatível. No Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de 2019, a americana foi derrotada na final dos 400m livre pela australiana Ariane Titmus. 

A revanche entre as nadadoras é um dos eventos mais aguardados dos Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados para 2021 por conta da pandemia do coronavírus. 

Ledecky admitiu na época, que a derrota "doeu" e que não estava se arriscando muito nos treinamentos para Tóquio. 

Foto: Peter H. Bick
Como alcançar o sucesso como atleta

Além do comprometimento com o preparo físico, treinamento e evolução de técnica, Ledecky destaca o estabelecimento de metas como um elemento fundamental para o sucesso. 

A nadadora norte-americana conta que aos seis anos, tinha uma lista de objetivos dentro da natação, sobre tempos que ela gostaria de bater na piscina. 

"Desde o início eu gostava de matemática e ficava fascinada com a diferença entre os décimos ou centésimos de segundo e o quanto isso era importante" disse Ledecky. "Vejo como esses objetivos me levaram a estabelecer recordes", apontou. 

Ela ainda admitiu que nos Jogos de Londres 2012, o objetivo era apenas fazer parte da equipe norte-americana. Ela foi além e venceu a prova dos 800m. 

Já para a Rio 2016, as metas eram vencer os 200m livre, nadar na faixa dos 3:56 ou mais rápido, nos 400m livre e nadar a prova de 800m livre em pelo menos 8:05. E ela conquistou as três metas, marcando recordes mundiais em duas provas. 

Agora a atleta traça suas metas para Tóquio, pensado em manter seus títulos e recordes, adicionando um fato histórico. Tornar-se a primeira campeã olímpica dos 1.500 metros, prova adicionada no atual ciclo olímpico. 

Quarentena criativa

Ledecky estabeleceu como metas durante o isolamento social, se manter em forma, utilizando todos os meios necessários, como sessões de ginástica e até uma piscina no quintal. 

"Ainda tenho objetivos para alcançar", declarou. "Esperava alcança-los neste ano, mas como não será possível, me comprometo a manter essas metas. Quero representar bem a equipe norte-americana no ano que vem. A próxima Olimpíada será uma grande celebração mundial", completou Ledecky. 

Foto: USA Today Sports

Nenhum comentário:

Postar um comentário