Na folga das competições, atletas brasileiros em Lausanne 2020 aproveitam para mergulhar na história do esporte olímpico - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio

Na folga das competições, atletas brasileiros em Lausanne 2020 aproveitam para mergulhar na história do esporte olímpico

Compartilhe

Um dos pilares dos Jogos Olímpicos da Juventude, sejam de inverno ou de verão, é incentivar os atletas a participar de atividades culturais no período em que estejam nas cidades sedes e não tenham competição. O Comitê Olímpico Internacional acredita que a formação do atleta, especialmente dos mais jovens, passa também por uma formação integral como ser humano. E, nesse sentido, aproveitar o momento para adquirir um pouco mais de conhecimento sobre diversos temas como prevenção ao doping, a própria prática esportiva, a história de outros atletas, a cultura dos mais diversos países, bem como o próprio movimento olímpico, é muito importante.

Pensando nisso, o Time Brasil aproveitou a quarta-feira, 15, para convidar os atletas que estão em Lausanne para uma visita ao Museu Olímpico. Taynara da Silva, que disputou o biatlo e agora se prepara para competir no esqui cross country, e Michael Velve e Vitor Melo, do curling, viveram a experiência de mergulhar na história do esporte olímpico. Os três terminaram a visitação encantados com a história do Movimento Olímpico e cansados de se testarem na parte interativa do museu.

“É uma sensação incrível estar aqui na cidade para participar dos Jogos Olímpicos da Juventude, poder visitar o museu com toda a história do movimento olímpico e saber que, de alguma forma, você faz parte disso. Vou guardar essa experiência para sempre”, disse Vitor.

“Dá um orgulho ver a história do evento que você está participando. Nós jogamos curling e pudemos conhecer um pouco mais de como foi disputado o nosso esporte em outras edições de Jogos. Também foi bem legal poder saber mais sobre o espírito olímpico”, disse Michael.

“Eu adorei ver como os meus esportes evoluíram. Ainda não consigo acreditar que alguém conseguia andar direito com aqueles esquis de madeira e aqueles sapatos”, disse Taynara. Ela brincou na parede com luzes que testam o tempo de reação e também no simulador de esqui.

Com um acervo de mais de 10.000 peças, o museu inaugurado em 1993 é o maior arquivo do mundo sobre os Jogos Olímpicos e um dos principais pontos turísticos da cidade de Lausanne, atraindo cerca de 250 mil pessoas por ano. O museu fica junto ao Lago Léman e está rodeado por um parque com numerosas obras de arte tendo o esporte como tema.

“O que eu mais gostei foi ver a evolução de cada esporte dentro dos Jogos Olímpicos e saber mais sobre os valores olímpicos. Com certeza, saio daqui ainda mais honrado em representar o Brasil”, disse Vitor.

“Uma coisa que eu gostei muito foi ver como o mundo estava em cada edição dos Jogos Olímpicos e ver como o esporte evoluiu junto com a própria Humanidade”, completou Michael.

Inaugurado em 23 de junho, Dia Olímpico, de 1993, durante a gestão do espanhol Juan Antonio Samaranch, foi eleito Museu Europeu do Ano em 1995 e é o segundo mais visitado da Suíça.

“Os Jogos da Juventude incentivam esse tipo de ação cultural. Os jovens atletas viram muita coisa nova e não tenho dúvidas de que vão levar para sempre tudo o que foi vivido por outros atletas e o que isso representa pro Movimento Olímpico”, disse Matheus Figueiredo, chefe da Missão em Lausanne 2020.

Foto: Valter França/COB

Nenhum comentário:

Postar um comentário