Duplas olímpicas, Alison/Alvaro Filho e Ana Patricia/Rebecca vencem a etapa de Cuiabá do Open de Vôlei de Praia


As duplas Alison/Alvaro Filho e Ana Patrícia/Rebecca foram as vencedoras da etapa de Cuiabá do Open de Vôlei de Praia, encerrado no domingo (27).

As duas duplas, ao lado de Evandro/Bruno Schmidt e Agatha/Duda, já estão classificadas para os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio.

MASCULINO
A dupla Alison e Álvaro Filho conquistou na manhã dO domingo (27.10) a medalha de ouro na etapa de Cuiabá (MT) do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia, ao vencer na final André/George (ES/PB) por 2 sets a 0 (21/19, 24/22). O título da segunda etapa da temporada 19/20, conquistado na arena montada ao lado do ginásio Aecim Tocantins, coroou um mês perfeito, já que na última semana a dupla confirmou uma das vagas nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

Alison e Álvaro se uniram no final de março deste ano, visando justamente a corrida olímpica. A dupla, que já havia conquistado etapas do Circuito Mundial, venceu pela primeira vez um torneio nacional. E a conquista em Cuiabá (MT) mostrou que a dupla, apesar de cansada pela temporada, está com o preparo físico em dia, superando as altas temperaturas da capital cuiabana. Alison também destacou a boa atuação ofensiva do time na final.

"É muito legal ver o crescimento do nosso time. É um processo. Treinamos nesta semana visando a parte física focando já no ano que vem. Mas os fãs, as pessoas que torcem por nós em quadra, sempre vão esperar o título e uma boa exibição de nossa parte. Eles querem saber quem ganhou ou perdeu. Nós temos que ter maturidade para lidar com essas situações. Dentro do torneio, perdemos sets, perdemos um jogo, fomos para a chave dos perdedores. Temos que manter a cabeça no lugar. Hoje eles tiveram set point e nós tivemos paciência para reverter. Foi o jogo que tivemos o melhor aproveitamento na virada de bola, e isso é reflexo da nossa concentração. Temos um caminho longo ainda, mas estamos amadurecendo", disse.

Se Álvaro vence pela primeira vez em Cuiabá, este é o segundo título de Alison na capital cuiabana. Ele já havia vencido em 2012, ao lado de Emanuel (PR), no último torneio realizado na cidade antes da edição deste domingo. A campanha da dupla Alison/Álvaro contou com cinco vitórias e uma derrota, e parou a boa sequência do jovem time formado por George/André, que havia vencido a primeira etapa da temporada, em Vila Velha, além do SuperPraia 2019. Álvaro elogiou os adversários da final.

"George e André, junto com a equipe do CT Cangaço vêm mantendo uma regularidade muito boa. Apesar de serem uma equipe muito jovem, já venceram muitos torneios, somam belos resultados, com muita experiência. É um jogo muito duro sempre, comecei lá, sou grato por tudo que me ensinaram e eles com certeza me conhecem bem, tive que buscar soluções para isso e ter calma durante o segundo set", declarou Álvaro.

A medalha de bronze da etapa ficou com Ricardo e Vitor Felipe (BA/PB), que superaram Oscar e Pedro Solberg (RJ) por 2 sets a 0 (21/18, 21/19) horas antes da final. Ricardo, que é o atual campeão brasileiro e aos 44 anos segue somando conquistas e recordes, elogiou o parceiro, com quem se uniu no começo desta temporada.

"Eu tenho dado sorte em encontrar parceiros que ajudam muito, atletas mais jovens que, de certa forma, eu consigo equilibrar a vontade deles com a minha experiência. Tem dado certo. O mais importante é manter uma regularidade, continuar subindo no pódio, indo até o último dia do torneio, acho que este é o objetivo de todos e para mim não seria diferente. Quando eu entro em quadra sou muito competitivo, quero continuar vencendo. Enquanto eu tiver esta chama de competitividade estarei me doando o máximo que puder", disse.

FEMININO
Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE), também futuras representantes olímpicas, ficarem com o título ao superarem na decisão Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ) por 2 sets a 1 (15/21, 21/15, 15/11), na arena montada ao lado do ginásio Aecim Tocantins, fechando uma semana perfeita. 

A conquista fecha a temporada de Ana e Rebecca, que não participarão da etapa de Ribeirão Preto (SP) do Circuito Brasileiro, em novembro. A dupla começou o ano mais cedo que as adversárias, disputando torneios no início de janeiro, e após Cuiabá (MT), terá um período de férias. Ana Patrícia comentou a vitória de virada na final, na base da superação, já que além do calor, a bloqueadora teve um pequeno problema muscular antes da competição. 

"Saímos de casa com o objetivo de levar o título. Tive a infelicidade de sofrer uma distensão da lombar e ficar sem poder treinar mais de uma semana, mas contei com a força de todos lá do nosso Centro de Treinamentos e acreditei que poderíamos fazer um grande resultado, e não foi diferente. Agora vamos aproveitar as férias, chegou o momento de descansarmos, nos organizar e planejar o próximo ano para chegar em Tóquio no nosso melhor voleibol", disse. 

A campanha de Ana e Rebecca em Cuiabá contou com seis vitórias em seis jogos. É o sétimo título de etapa nacional do time (seis no Circuito Brasileiro e um SuperPraia). Rebecca analisou como a equipe conseguiu a virada na partida e ressaltou a boa comunicação do time. 

"A gente sabia que o jogo contra a Fernanda e a Bárbara seria muito difícil, sempre é complicado. O calor estava bastante intenso durante o jogo e começamos atrás no primeiro set e não estávamos conseguindo nos comunicar direito. No final do primeiro set nós conversamos, decidimos por fazer o básico, uma coisa de cada vez, esquecer o erro e entrar no jogo. E isso deu certo. No terceiro set foi a mesma coisa, então foi uma partida bonita para a torcida, que fez muito bem o papel, ficou dividida entre as duas duplas. Estou muito feliz com o resultado, saímos daqui bem satisfeitas", destacou. 

A medalha de bronze da etapa ficou Tainá e Victoria (SE/MS), que superaram Carolina Horta e Ângela (CE/DF) por 2 sets a 1 (21/15, 18/21, 11/15) na quadra 2. Tainá comentou o bom resultado e o retorno do time ao pódio no tour nacional. 

“Uma parceria é muito mais do que uma dupla dentro de quadra. É preciso conhecer bem seu parceiro para saber como lidar em situações difíceis, como a que tivemos no jogo de hoje. Isso faz a diferença, não basta ter bom relacionamento, é necessário entender como o outro atleta reage e o que ele precisa fazer para mudar o jogo. Essa afinidade dentro e fora de quadra nos favorece e acho que muitas vezes faz com que vençamos os jogos”, disse.

Foto: INOVAFOTO/CBV

Comente

Postagem Anterior Próxima Postagem