Suspensão do treinador de Taekwondo Jean Lopez é retirada, mas ainda haverá restrições

O Centro dos EUA para SafeSport teria rejeitado uma alegação de que eles exigirão que as mulheres testemunhem pessoalmente contra o técnico de taekwondo Jean Lopez, depois que sua sanção foi alterada para apenas temporária.

Lopez, o irmão do bicampeão olímpico Steven e ex-treinador do taekwondo norte-americano, está sendo investigado pelo Centro por acusações de abuso infantil e abuso sexual.

O treinador de 44 anos foi incluído em uma lista de registros disciplinares como permanentemente inelegível para todos os eventos dentro dos EUA.

Isso foi posteriormente estendido para eventos internacionais pelo World Taekwondo.

Ele foi acusado de agredir Mandy Meloon e Heidi Gilbert.

Gilbert supostamente alegou que Lopez tinha drogado e sexual agredido enquanto Meloon acusou-o de molestar ela.

Uma terceira mulher alegou que ele também se envolveu em um relacionamento sexual consensual com ela quando tinha 17 anos.

Lopez negou as acusações.

O centro o declarou permanentemente inelegível para o esporte olímpico nos EUA em abril, depois de considerá-lo culpado de duas acusações de má conduta sexual, incluindo um envolvimento com uma menor.

A mudança para os registros disciplinares da organização atualmente declara que existe uma "Medida Provisória - Restrição" contra Lopez.

Estêvão Estey, que representa várias das supostas vítimas, alegou ao USA Today que o Centro lhe disse que não seria capaz de defender a proibição vitalícia, a menos que testemunhasse pessoalmente em sua audiência de apelação e fosse sujeito a interrogatório por ele ou seu advogado.

Em resposta, o porta-voz da SafeSport, Dan Hill, contestou a alegação.

O irmão de Jean Lopez também está suspendo por alegação de má conduta sexual.

Foto:Getty Images

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024?

Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os jogos in loco.

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Postar um comentário

To Top