Larry Nassar volta a admitir culpa em caso de abuso sexual contra jovens ginastas dos Estados Unidos

O ex-médico da confederação dos Estados Unidos de Ginástica (USA Gymnsatics), Larry Nassar, admitiu nesta quarta-feira, 29 de novembro, ter abusado sexualmente de jovens e mulheres com a desculpa de tratamento médico. As declarações, consideradas acusações adicionais de conduta sexual criminosa, aconteceram em um tribunal de Michigan, contou o procurador-geral da cidade, Bill Schuette.

Nassar, de 54 anos, compareceu no Tribunal de Circuito do Condado de Eaton, em Michigan, e declarou-se culpado de três acusações de crime de conduta sexual criminosa de primeiro grau. De acordo com o The Detroit News, ele não fez nenhuma declaração, se limitando a responder brevemente às perguntas do juiz. Os advogados do médico não quiseram comentar o caso.

Nassar ficou por mais de 20 anos na USA Gymnastics e participou de quatro Jogos Olímpico. Ele também foi o médico da equipe da ginastica da Universidade Estadual de Michigan e das equipes femininas, além de professor associado da Faculdade de Medicina Osteopática da universidade.

Na semana passada, Nassar já havia de declarado culpado no Condado de Ingham por sete acusações de conduta sexual criminosa de primeiro grau, apesar de ter negado repetidas vezes que tivesse cometido qualquer ato ilícito anteriormente. Ao assumir a culpa, Nassar coloca um fim às acusações de conduta sexual criminal levadas a ele pelo escritório do procurador-geral de Michigan nos municípios de Eaton e Ingham.

A audiência em que Nassar receberá a sua sentença em Eaton acontecerá no dia 31 de janeiro. Já a audiência da sentença de Ingham acontecerá antes, no dia 12 de janeiro. Na ocasião, todas as 125 vítimas que já relataram terem sofrido abusos ou os seus pais terão autorização para dar testemunhos sobre o impacto sofridos pelas vítimas.

Pelas declarações dadas na semana passada em Ingham, os promotores exigem uma pena mínima de 25 anos de prisão, mas o juiz pode estipular a pena mínima em 40 anos.

Entre as centenas de denúncias contra Nassar se destacam estão a de três das ginastas mais condecoradas da história dos Estados Unidos. A primeira a revelar também ter sido abusada pelo médico foi McKayla Maroney, campeã olímpica por equipes e medalhista de prata no salto em Londres 2012 e detentora de três títulos mundiais. Semanas depois foi a vez de sua companheira de equipe em Londres 2012 e também presente nos Jogos do Rio em 2016, Aly Raisman. Dona de três ouros, duas pratas e um bronze olímpicos, além de diversos títulos mundiais, Raisman contou ter sido abusada em uma entrevista para um programa de TV ao lado de seus pais. A última a revelar ter sido abusada foi Gabby Douglas, maior nome da ginástica feminina nos Jogos de Londres 2012 ao vencer a disputa no individual geral e por equipes. Ela também integrou a equipe olímpica norte-americana no Rio de Janeiro.

Segundo relatos do The Detroit News, durante a audiência do dia 22 de novembro, Nassar pediu desculpas e disse que era hora de suas vítimas começarem a se curar.

Foto: NBC News


Postar um comentário

To Top