Thomas Bach assegura que tensão na região não traz risco imediato para os Jogos Olímpicos de PyeongChang

A medida que cresce as tensões na Península Coreana, cresce também o receio do que possa vir a acontecer com a região e por consequência, com as Olimpíadas de Pyeongchang, que começa em fevereiro do próximo ano. Mas segundo o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, não há qualquer motivo para preocupação imediata neste momento.

Na China, o presidente disse em entrevista a The Associated Press que o COI está monitorando de perto o desenvolvimento das tensões na região, contando com o apoio de governos e comitês olímpicos nacionais. No próximo mês o COI terá uma reunião em Lima, no Peru, e entre outros temas a serem discutidos, como as sedes dos Jogos de Verão de 2024 e 2028, também estará em pauta o receio internacional com o programa nuclear norte-coreano e a tensão crescente do que possa vir a acontecer. PyeonChang fica a apenas 80 quilômetros da fronteira entre as duas Coreias.

No último sábado a Coreia do Norte voltou a realizar testes com foguetes no mar da península coreana. Os foguetes novamente eram testes realizados por seu programa nuclear e de mísseis. Os novos testes irritaram PyeongChang e fez com que a Coreia do Sul prosseguisse com seus exercícios militares que envolvem tropas dos Estados Unidos. A China, que é o parceiro econômico da Coreia do Norte já havia condenado os testes anteriores feito pelo país, mas ainda não se pronunciou sobre os mais recentes.

Para Bach, os jogos não correm riscos, uma vez que estes são apreciados por todos os comitês nacionais e pelos governos dos países. "Estamos assistindo à situação, mas acho que não há motivo para qualquer preocupação imediata, porque o fato de que os jogos ocorram la é apreciado por todos os comitês olímpicos nacionais e pelos governos. Então, a este respeito, continuamos com nossos preparativos", garantiu o presidente.


O presidente do COI estava na China para vistoriar os preparativos de Pequim para abrigar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. A capital chinesa, apesar de não contar com neve natural, se tornará a primeira cidade do mundo a receber as Olimpíadas de inverno e verão, já que foi sede dos Jogos de 2008. O fato de utilizar algumas instalações construídas para as Olimpíadas de 2008 na realização dos Jogos de 2022 recebeu elogios de Thomas Bach.

Foto: Reuters


0 Comentários