Após dados vazados, WADA explica permissão para substâncias proibidas - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Após dados vazados, WADA explica permissão para substâncias proibidas

Compartilhe
Depois de um grupo hacker batizado de 'Fancy Bears' invadir os arquivos da WADA( Agência mundial de Antidoping) e vazar documentos de resultados de exames antidoping de vários atletas, A entidade divulgou um comunicado nesta terça-feira esclarecendo o caso. A entidade explica detalhadamente como funciona a permissão para que os esportistas usem medicamentos que fazem parte da lista de "substâncias proibidas", quando há necessidade médica, e defende o procedimento. 

A Wada deixa claro que os hackers obtiveram os dados de maneira ilegal e lamenta que a situação tenha gerado notícias erradas e debates públicos, expondo na mídia informações médicas confidenciais. A Agência Mundial Antidoping também destaca que os atletas que tiveram permissão para usar determinados medicamentos estão limpos. Nomes como Rafael Nadal, Mo Farah, Simone Biles e as irmãs Serena e Venus Williams tiveram dados vazados.

"Atletas, como todas as pessoas, podem ter doenças ou condições que os obrigam a tomar um determinado medicamento/substância ou se submeterem a certos procedimentos/métodos. Para os atletas, a substância ou método pode aparecer da Lista de Substâncias e Métodos Proibidos da Wada. Nesses casos, eles podem ter concedido um TUE(exceção de utilização terapêutica), o que lhes dá permissão para tomar uma substância ou usar um método. Os TUEs são concedidos apenas por Organizações Antidopagem (ADOs) e principais organizadores de eventos, seguidos por um processo de revisão robusto que é definido no ISTUE (Norma Internacional para Autorizações de Utilização Terapêutica); e, avaliação por três médicos especialistas em medicina esportiva e / ou outras especialidades relevantes" Diz o comunicado publicado pela WADA.

Para que um atleta receba esta permissão, é necessário que ele cumpra quatro critérios: tem que estar com um problema de saúde significativo sem tomar a substância proibida, o uso terapêutico da substância não pode produzir aumento significativo de performance, não pode haver terapia alternativa razoável ao invés da substância proibida, e a substância proibida não pode ter sido usada antes do pedido do TUE.

A Wada também rebate qualquer ideia de que atletas que precisem tomar essas substâncias proibidas sejam impedidos de disputar as competições. "A noção de impedir a atletas que sofrem de doenças e condições, tais como diabetes, asma, doença inflamatória do intestino, condições reumáticas, etc, de praticar o esporte não pode ser considerada com seriedade. Isso minaria um valor fundamental do esporte, que é o direito de acesso e participação no esporte e no jogo, que tem sido reconhecido por numerosas convenções internacionais."

Segundo a Wada, o grupo de hackers teria tido acesso aos documentos ao criar uma conta no sistema da agência durante a Olimpíada do Rio de Janeiro. Porém, a agência não acredita que houve acesso ao sistema mais amplo da entidade. O comunicado na íntegra está neste link. Em inglês


foto: Reuters


Nenhum comentário:

Postar um comentário