Diretor explica jogo de Nadal às 3h no Rio Open: 'Por regra não poderíamos mudar'


Diretor do Rio Open, Luiz Carvalho concedeu entrevista coletiva neste domingo para avaliação do torneio e o tema mais comentado foi a programação de sexta-feira terminando às 3h18 da madrugada, ficando a seis minutos do recorde.

Os mais prejudicados foram Rafael Nadal e Pablo Cuevas que entraram na quadra central do Jockey depois de 1h. Rafa disparou críticas contra a ATP.

Segundo Luiz Carvalho, o Lui, uma regra da ATP impedia que o jogo anterior, no caso Fabio Fognini contra Federico Delbonis, que durou 3h12min, fosse alterado.

"A ATP só muda a última partida do dia para outra quadra, não pode mudar a anterior e não iríamos mudar o jogo de Nadal", disse Lui dando detalhes de como foi o processo da escolha dos jogos e os problemas.

"Foi um caso que acontece uma vez em milhão. Jogos se prolongaram mais do que normalmente demoram. Existe o calor que faz que jogos se arrastem um pouco mais, teve parada na WTA que teve ainda 10 minutos de paralisação, em todos os jogos os jogadores fizeram paradas para irem ao banheiro. O jogo do Fognini foi discutido para ir à quadra 1, mas ele estava entrando em quadra pouco depois das 21h e se arrastou muito mais que se previa. O jogo que foi mudado era o do Nadal, obviamente não moveríamos esse jogo pra 1 mil espectadores na quadra 1, envolveria segurança e muito mais."


Segundo o diretor do evento, a programação foi pautada para que todos os jogos de simples masculino fossem para a central também pelo contrato com a TV,mas reforçaram que a regra da ATP foi o principal motivo pelo problema: "Na quadra central por contrato de TV nos forçava a mostrar todos os quatro jogos da quadra central  e por esses motivos acabamos mantendo os jogos. Nada que não tenha sido comunicado aos jogadores sem clareza".


Fonte: Site Tênis News

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024?

Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os jogos in loco.

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Postar um comentário

To Top