De volta ao Brasil, Morten começa trabalho rumo ao pódio nos Jogos de 2016 - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

De volta ao Brasil, Morten começa trabalho rumo ao pódio nos Jogos de 2016

Compartilhe

O título austríaco há uma semana marcou o fim de um ciclo na vida do dinamarquês Morten Soubak, técnico da seleção brasileira feminina de handebol. O treinador chegou ao Brasil em 1995, voltou para a Dinamarca e, depois, em 2005, retornou ao Pinheiros, onde comandou o time masculino e foi campeão brasileiro pela equipe paulista. Em 2009, assumiu a seleção brasileira feminina, e quatro anos mais tarde, atingiu o ápice de sua história no país com o título mundial na Sérvia. Agora, com o término da parceria entre o Hypo No e a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), Morten voltará a morar no Brasil depois de três anos na Áustria. Nos próximos dois anos, ele estará em São Paulo, no país que aprendeu a amar, coordenando os trabalhos em busca de mais um feito: colocar as meninas do Brasil no pódio das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Entre os objetivos de Morten está o acompanhamento mais próximo das jogadoras que atuam no Brasil. Na Áustria, no comando do Hypo, ele viveu diariamente com Babi, Alê, Dara, Ana Paula, Deonise e Fernanda, todas campeãs mundiais na Sérvia. Agora, morando no país com sua esposa, nascida na Bahia, o treinador colocará em prática o que considera fundamental para que o handebol feminino do Brasil siga no topo. O primeiro trabalho será este mês, quando Morten divide a seleção em dois grupos, em Joinville. O primeiro grupo, que tem em sua maioria atletas que atuam no Brasil, vai treinar entre os dias 2 e 8 de junho. Já o segundo, com as principais jogadoras brasileiras que foram campeãs mundiais no ano passado e atuam no exterior, fará atividades entre 8 e 15 do mesmo mês.

- Estou de volta. Farei fases de treinamento em junho e também em julho com a seleção adulto. Vamos continuar a fazer o trabalho com as jogadoras que atuam no Brasil. Vou voltar a acompanhar mais torneios no Brasil, estaduais, ligas, times de base, e Olimpíadas Escolares. E claro, nossos acampamentos das categorias de base - explicou Morten.

Suas ex-comandadas no Hypo também terão vida nova. Quatro vão jogar na Romênia (Babi, Fernanda, Alê e Ana Paula), Dara vai para o Nantes, da França, e Deonise ainda não anunciou oficialmente seu novo time. Para o técnico, o fim da parceria entre o time austríaco, que ajudou no desenvolvimento da seleção brasileira, pode ser interessante para o crescimento das jogadoras do Brasil.

- É difícil falar o que seria melhor. Sem dúvida que a parceria ajudou o nosso trabalho com a seleção. Com três anos de parceria pode ser uma boa hora para as jogadoras pegarem uma experiência em outras equipes e outras jogadoras. E temos o fato de que quatro vão jogar juntas em Bucareste, em grandes equipes. Sem dúvida vai ser legal para elas jogarem em equipes de alto nível e muitas jogadoras internacionais.

Com contrato renovado até 2016, mesmo com as sondagens de fora do país, inclusive da Dinamarca, sua terra natal, Morten Soubak sabe que os próximos dois anos serão cheios de desafio. Com a temporada de 2014 sem grandes torneios, 2015 trará o Pan-Americano de Toronto e o Mundial da Dinamarca. O Brasil defenderá o título em ambos.

- Precisamos treinar forte e sabemos que temos que estar mais fortes ainda para os próximos anos e campeonatos. O handebol de alto nível conta com muitas equipes que podem chegar, assim como foi no Mundial da Sérvia - disse o treinador.

Eleita a MVP (jogadora mais valiosa) do último Mundial, a brasileira Eduarda Amorim, peça-chave no bicampeonato da Champions League pelo húngaro Gyori, recebeu elogios. Para Morten, ela está entre as melhores do mundo.

- A Duda fez um excelente trabalho no Gyori. E ela certamente é considerada uma das melhores do mundo.


Foto: Photo&Grafia
Fonte: Globoesporte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário