2+0+1+2 perguntas para: Marcelo Laguna - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

2+0+1+2 perguntas para: Marcelo Laguna

Compartilhe
                                                                   

O segundo 2+0+1+2 perguntas é com o jornalista, e um dos que me inspirou a fazer esse blog, Marcelo Laguna, editor assistente do IG e dono do blog Espírito Olímpico no mesmo Portal.

Fale um pouco da sua da sua vida e sua carreira no Jornalismo.

Bom, o meu interesse em seguir pelo jornalismo começou muito cedo e tem tudo a ver com minha paixão por esportes. Como todo garoto da minha geração, adorava jogar bola e também futebol de botão. Com os botões, eu criava campeonatos, fazia tabelas, e narrava os jogos, mesmo quando brincava sozinho. E a “minha equipe esportiva” era completa, tinha narrador, comentarista e repórter. Claro que tudo isso influenciado pela minha paixão em ler e ouvir tudo o que tinha de futebol (e de esporte de modo geral) que aparecia pela frente. 

Ao mesmo tempo, na escola eu já demonstrava mais interesse nas matérias ligadas à área de humanas, especialmente português. Daí a chegar à conclusão que queria ser jornalista, foi um pulo. Aos 13 anos, eu já tinha decidido que seria jornalista esportivo.


O que te levou a falar dos Esportes Olímpicos? 

Minha grande paixão, e a da maioria dos brasileiros, obviamente é o futebol. Para mim, em especial, a Copa do Mundo. Quando garoto, eu colecionava tudo o que podia sobre Copas. Mas a minha primeira oportunidade para trabalhar profissionalmente, quando ainda estava na faculdade, foi na Rádio Gazeta, em São Paulo, atuando como repórter em um programa dedicado aos chamados “esportes amadores”. Isso em 1984, véspera das Olimpíadas de Los Angeles. É claro que eu já tinha acompanhando, como torcedor, as Olimpíadas de Montreal-76 e Moscou-80, e ficara encantado com aqueles atletas participando das mais variadas modalidades. Em especial, basquete e atletismo, dois dos esportes que mais me atraiam. 

Ao trabalhar na retaguarda dos jogos de 1984, em descobri uma paixão que seria para a vida inteira: os esportes olímpicos. 


O que você espera do Brasil em Londres 2012? 

Temos que ser realistas em relação ao que esperar do desempenho do Brasil nas próximas Olimpíadas. De forma alguma o desempenho no Pan de Guadalajara pode servir como parâmetro, pois as realidades são completamente diferentes. Mas em termos práticos, acho que a previsão que o COB andou fazendo, que seria a da repetição do desempenho em Pequim 2008, é a mais próxima da realidade. 


E o Rio 2016? O Brasil tem condições de fazer um bom papel nos esportes?E quanto ao legado dos Jogos? 

Muito mais difícil ainda é prever o que será a realização dos Jogos Olímpicos do Rio. Em primeiro lugar, devo deixar claro que nunca defendi a candidatura do Brasil. Acredito que o país tem outras prioridades muito mais urgentes do que investir um dinheiro sem tamanho para organizar um evento desta envergadura. E nem a desculpa do legado olímpico cola, vide o que houve no malfadado Pan 2007. 

Porém, como os dirigentes do COI se encantaram com o discurso de Lula e com as garantias de Henrique Meirelles, a questão agora é torcermos para que os problemas sejam mínimos e que o Brasil organize uma bela festa. Não sei se a população, que em sua grande maioria desconhece qualquer outra modalidade que não seja o futebol, poderá usufruir desta festa maravilhosa que são os Jogos Olímpicos. Estive em dois deles e sei do que estou falando. Mas que ninguém espere ver o Brasil brigando cabeça a cabeça com as grandes potências (EUA, China, Rússia, Alemanha) pelos primeiros lugares no quadro de medalhas. Isso não ocorrerá de forma alguma.


Momento Palpitão Total: Favoritíssimos para Londres 2012, Quem leva o quadro de medalhas geral e quantas medalhas o Brasil ganhará em Londres?

Acredito que o Brasil deverá conquistar algo entre 15 e 17 medalhas. Difícil é saber quantas serão de ouro, mas podemos considerar perfeitamente possível esperar ouros de César Cielo (50m livre), vôlei masculino, Juliana e Larissa (vôlei de praia), algum ouro do judô e talvez Fabiana Murer, no salto com vara.  

No quadro geral, China e EUA brigarão medalha por medalha pela liderança geral, mas acredito que os chineses mais uma vez levarão a melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário