A Celeste surge para o mundo - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

A Celeste surge para o mundo

Compartilhe
Seleção uruguaia medalha de ouro nos Jogos de 1924

Seleção uruguaia medalha de ouro nos Jogos de 1928

Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)

Recebendo grande destaque e importância em meio à década de 20, o futebol nas Olimpíadas viu um enorme impulso de popularidade a partir de 1924, quando Uruguai e Argentina passaram a disputar a medalha de ouro na modalidade, que via o ganhador da medalha dourada ser reconhecido como o campeão do mundo.

E foi em 1924, edição das Olimpíadas realizada em Paris, que uma seleção em especial passou a ter relativa importância dentro do Mundial, além de que surgiu para o mundo. A seleção do Uruguai surpreendeu os europeus, deu um show e acabou por conquistar a primeira medalha de ouro de nações sul-americanas no futebol em uma edição de Jogos Olímpicos.

Brilhando nos gramados da América do Sul, o futebol ajudou o Uruguai não só a se projetar como uma das melhores seleções do mundo, mas também como uma nação. Participando pela primeira vez dos Jogos, o selecionado celeste não decepcionou e assombrou os europeus com a qualidade do futebol apresentado.

Na fase preliminar, a equipe não tomou conhecimento da Iugoslávia e já apresentou um grande cartão de visita: bela goleada por 7 a 0. Depois, vitória contra os Estados Unidos por 3 a 0 e a vaga nas quartas de final estava garantida.

Com grandes atuações do maestro do time Hector Scarone (que viria a ser um dos grandes destaques na campanha do 1° título da Copa do Mundo em 1930), a equipe goleou a França por 5 a 1 nas 4ªs. Na semi, a equipe encontrou uma maior dificuldade, mas por fim, conseguiu uma suada vitória sobre a Holanda por 2 a 1. Na final, mais uma grande atuação coletiva da equipe, que apresentou um futebol de alto nível, acabando por vencer a Suíça por 3 a 0.

Já trazendo grande nome e seguindo fazendo seu jogo de toque de bola refinado, os uruguaios seguiam surpreendendo os europeus, que mantinham a mesma base de jogo, baseada em chutões e cruzamentos. E assim, a Celeste desembarcou em Amsterdã para os Jogos de 1928 como grande favorita.

Na primeira fase, houve o reencontro com a Holanda, que dera trabalho a 4 anos atrás, porém, os uruguaios mais uma vez viram seu jogo bonito prevalecer, acabando por conquistarem uma importante vitória por 2 a 0. 

Com o inconfundível faro de gol de Pedro Petrone e a habilidade de Hector Scarone, a Alemanha foi facilmente dominada pelos uruguaios, por fim, goleada por 4 a 1. Assim como em 24, a semifinal também reservou certa emoção, dessa vez, o adversário era a Itália, que bem que tentou, mas, a Celeste era bastante superior, suada vitória por 3 a 2 e vaga na final garantida, onde a avassaladora e temida Argentina seria o rival.

Com Domingo Tarasconi colecionando gols e boas atuações, a Argentina era o adversário mais temido pelos uruguaios, até pelo estilo de jogo, que se assemelhava ao dos atuais campeões olímpicos e emoção não faltou na decisão. Em um grande jogo, ambas as equipes acabaram por ficar em um empate de 1 a 1, o que acabou por exigir um jogo de desempate e nele, a seleção uruguaia retificou que era a melhor do mundo e uma suada vitória por 2 a 1, assegurou o bicampeonato olímpico.

Com as duas medalhas de ouro, a seleção Uruguai acabou por ganhar o apelido de Celeste olímpica e o direito de sediar a Copa do Mundo de 1930, em que o próprio Uruguai sagrou-se campeão. Em uma época em que o futebol sul-americano ainda era ignorado pelos europeus, o refinado estilo de jogo apresentado pelo uruguaios assombrou a Europa, fez a Celeste nascer para o mundo e o futebol sul-americano entrar no mapa do futebol mundial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário