Após Mundial de Esgrima, Brasil tem dois atletas em zona de classificação olímpica; equipes correm atrás do Canadá por vagas


O Mundial de Esgrima, que terminou ontem em Budapeste (HUN), não é um classificatório direto para as Olimpíadas, mas dá pontos preciosos na busca pela qualificação. O Brasil, apesar do ouro histórico de Nathalie Moellhausen na espada feminina e de outros bons resultados (como a participação de Guilherme Toldo), não conseguiu passar para as oitavas em nenhuma das competições por equipe, o que complica as chances de vaga.

Pela primeira vez, a esgrima terá todas suas 12 modalidades em disputa, encerrando uma prática de rodízio nas disputas por times. A prova de equipes terá oito nações competindo (cada uma com apenas três membros cada), sendo que os quatro primeiros países do ranking mundial de 4 de abril de 2020, classificam-se automaticamente; as melhores equipes da América; Europa; Ásia e Oceania; África garantem as demais vagas, contanto que estejam no top16 mundial. 

Assim, os oito países classificam também os três membros da equipe para as provas individuais. Além desses 24 atletas, outros 6 classificam-se pelas vagas continentais: os 2 melhores atletas da Europa; os 2 melhores da Ásia/Oceania e o melhor da África e América, contanto apenas os países não classificados e com máximo de um por país. Os países ainda sem representantes poderão disputar os zonais continentais, entre 15 e 26 de abril, cujos vencedores também se classificarão, totalizando 34 atletas por modalidade. O Japão tem direito a 8 vagas e se classificar esse número de atletas pelos meios convencionais - o que deve acontecer -, libera possíveis convites.

Após essa recapitulação do caminho para a classificação olímpica, vamos avaliar como está a corrida pelas vagas e as chances do Brasil. Atualmente, apenas Nathalie Moellhausen e Guilherme Toldo estariam classificados diretamente dentre os atletas do Time Brasil.  Também estão indicadas as próximas provas importantes até o fechamento do ranking olímpico, sendo que os Grand Prix envolvem apenas disputas individuais, enquanto as Copas do Mundo recebem competições individuais e por equipes.


ESPADA FEMININA

Classificação provisória:

1- Rússia 344 pontos
2- China 238 
3- Polônia 326 
4- EUA 280 
5- Estônia 262 (Europa)
6- Itália 260 (no lugar do representante africano)
7- Coreia do Sul 239 (Ásia)
16- Canadá 120 (América)
17- Brasil 110
18- Egito 96

A derrota para o Japão na chave de 32 no Mundial custou caro ao Brasil: no mínimo 20 pontos. Canadá defende 24 pontos até o ranking de 4 de abril, enquanto o Brasil defende 34. Assim, o Brasil precisa de campanhas de destaque para passar o Canadá e ficar com a vaga continental - e fica na torcida para os EUA garantirem uma das vagas mundiais. A queda nas quartas-de-final dos EUA no mundial pode prejudicar o Canadá e o Brasil.

Nathalie Moellhausen, 4ª melhor do mundo, é disparada a melhor do continente na lista, bem a frente da mais próxima norte-americana, Kelley Hurley, 13ª e da venezuelana Maria Martinez, 34ª, que brigaria hoje com a argentina Isabel di Tella, 38ª, por uma vaga continental, se o Brasil classificar sua equipe. Entre as outras brasileiras, Amanda Netto Simeão é a 117ª, e Victoria Vizeu 179ª do mundo.

Próximas provas importantes: Copa do mundo de Tallin (EST), entre 1 e 3/11/2019; Copa do Mundo de Havana (CUB), entre 10 e 12/01/2020; Grand Prix de Doha (QAT), entre 24 e 26/01/2020; Copa do Mundo de Barcelona (ESP), entre 07 e 09/02/2020; Grand Prix de Budapeste (HUN) entre 06 e 08/03/2020; Copa do Mundo de Suzhou (CHN), entre 20 e 22/03/2020



ESPADA MASCULINA


Classificação provisória:

1- Rússia 352 pontos
2- França 295 
3- Suíça 284
4- Itália 260
5- Coreia do Sul 235 (Ásia)
6- Japão 234 (no lugar do representante africano)
8- Ucrânia 231 (Europa)
10- EUA 210 (América)
19- Egito 102
28- Brasil 68


O Brasil está bem longe dos EUA, que por não serem uma potência na Espada masculina, devem garantir a vaga somente pela cota continental. Com exceção feita aos norte-americanos, o único nome de destaque na Espada a nível mundial é do venezuelano Ruben Limardo Gascón, campeão olímpico no Rio. É dele também a vaga continental, provisoriamente, por sua 13ª colocação no ranking.

O melhor brasileiro no ranking é Alexandre Camargo, 108º, atrás de atletas argentinos, colombianos, cubanos e peruanos. Porém, como é um atleta jovem e em ascensão, é um nome "no bolo" para brigar pela última vaga do continente no pré-olímpico. Athos Schwantes é o 146º da lista, Fabrizio Lazaroto 157º e Richard Grunhauser 161º.

Próximas provas importantes: Copa do Mundo de Berna (SUI), entre 22 e 24/11/2019; Copa do Mundo de Heidenheim (GER), entre 10 e 12/01/2020; Grand Prix de Doha (QAT), entre 24 e 26/01/2020; Copa do Mundo de Vancouver (CAN), entre 07 e 09/01/2020; Grand Prix de Budapeste (HUN) entre 06 e 08/03/2020; Copa do Mundo de Buenos Aires (ARG), entre 20 e 22/03/2020.



FLORETE FEMININO



Classificação Provisória:

1- Rússia 412 pontos
2- França 368 
3- Itália 328
4- EUA 304
5- Japão 246 (Ásia)
6- Canadá 221 (América)
7- Coreia do Sul 212 (no lugar do representante africano)
8- Alemanha 208 (Europa)
16- Brasil 98 
17- Egito 96

Uma das duas modalidades em que, no momento, os oito melhores países do ranking devem se classificar, a não ser que o Egito consiga ultrapassar o Brasil no top16 e garantir a vaga africana. É praticamente impossível o Brasil conseguir a vaga continental, que está encaminhada para o Canadá.

Na briga do individual, a vaga ficaria hoje com a colombiana Saskia van Erven Garcia, 39ª do mundo. Resta então a Gabriela Cecchini (BRA), 72ª do mundo, brigar com Nataly Michel (MEX), 59ª, Ana Acuero Gonzalez (VEN), 73ª, Katina Proestakis (CHI), 91ª e Lucia Ondarts (ARG), 96ª, pela vaga no pré-olímpico. Mariana Pistoia (95) e Ana Beatriz Bulcão (97) também estão na briga.


Próximas provas importantes: Copa do Mundo de Alger (ALG), entre 22 e 24/11/2019; Copa do Mundo de Saint-Maur (FRA), entre 13 e 15/12/2019; Copa do Mundo de Katowice (POL), entre 10 e 12/01/2020; Grand Prix de Turin (ITA) entre 07 e 09/02/2020; Copa do Mundo, em local a ser definido, entre 21 e 23/02/2020; Grand Prix de Anaheim (USA), entre 13 e 15/03/2020



FLORETE MASCULINO



Classificação Provisória: 

1- EUA 436 pontos
2- Itália 328 
3- França 324 
4- Rússia 264 
5- Coreia do Sul 248 (Ásia) 
8- Alemanha 210 (Europa)
10- Egito 204 (África)
13- Canadá 165 (América)
16- Brasil 138


O Brasil defende 60 pontos, e o Canadá 59, o que significa que ou um grande resultado - pódio em Copa do Mundo - bota o Brasil a frente dos vizinhos do norte, ou maus resultados seguidos dos canadenses podem ajudar o time verde e amarelo. Aqui a situação é parecida com a da espada feminina e a derrota na chave de 32 de virada para os húngaros no Mundial acabou custando preciosos ao menos 20 pontos.

Sem os americanos na disputa, Guilherme Toldo, 25º do ranking, é o grande favorito para conquistar a vaga continental individual, se o Brasil não classificar sua equipe. Se Brasil passar o Canadá, um dos canadenses deve ficar com a vaga individual, já que a ameaça mais próxima é do venezuelano Victor Leon, em um distante 62º lugar.

Um fato curioso é que a Grã-Bretanha não deve conquistar vaga por equipes, promovendo uma briga interna intensa por um dos dois representantes europeus, entre o atual vice-campeão mundial Marcus Mepstead e o vice de 2018 Richard Kruse, ambos no top20 do ranking individual.


Próximas provas importantes: Copa do Mundo de Bonn (GER), entre 8 e 10/11/2019; Copa do Mundo de Tóquio (JPN), entre 13 e 15/12/2019; Copa do Mundo de Paris (FRA), entre 10 e 12/01/2020; Grand Prix de Turin (ITA) entre 07 e 09/02/2020; Copa do Mundo do Cairo (EGY), entre 21 e 23/02/2020; Grand Prix de Anaheim (USA), entre 13 e 15/03/2020


SABRE FEMININO

Classificação Provisória:

1- França 400 pontos
2- Rússia 378
3- Itália 292
4- Coreia do Sul 260
5- EUA 256 (América)
6- Hungria 249 (Europa)
7- China 232 (Ásia)
8- Ucrânia 221 (no lugar do representante africano)
13- Canadá 149
16- Venezuela 119
19- Tunisia 99
36- Brasil 22


Outra categoria em que, a princípio, as oito melhores seleções do ranking se classificam. O Brasil não deverá se classificar nem por equipes e as chances no individual são bem pequenas. Atualmente a vaga continental para a disputa individual está indo para Gabriella Page (CAN). No caso dos EUA voltarem ao top4 e darem a vaga continental ao Canadá, Maria Belen Perez Maurice (ARG, 36ª) e Alejandra Benitez Romero (VEN, 49ª) devem brigar pela vaga continental, disputa que pode se extender ao pré-olímpico do continente no ano que vem. Giulia Gasparin é a melhor brasileira e atual 163ª melhor do mundo.

Próximas provas importantes: Copa do Mundo de Orléans (FRA), entre 22 a 24/11/2019; Copa do Mundo de Salt Lake City (USA), entre 13 e 15/02/2019; Grand Prix em local a ser definido entre 10 e 12/01/2020; Copa do Mundo de Atenas, entre 06 e 08/03/2020; Copa do Mundo de Sint-Niklaas (BEL), entre 20 e 22/03/2020



SABRE MASCULINO 

Classificação provisória:

1- Coreia do Sul 424 pontos
2- Itália 328 
3- Hungria 312 
4- Alemanha 268 
5- Rússia 268 (Europa) 
6- Irã 252 (Ásia) 
8- EUA 219 (América) 
12- Egito 180 (África) 
37- Brasil 32



Outra prova em que os EUA precisarão conquistar a vaga pela cota continental. Na disputa individual, a vaga olímpica deve ficar com um dos canadenses - Shaul Gordon, 22º, é o melhor classificado; atrás do Canadá; provavelmente já mirando um pré-olímpico, Pascal Maria di Tella (ARG, 33º) ou Stefano Ifen Lucchetti (ARG, 40º) tendem a dar a vaga à Argentina. O melhor brasileiro no ranking mundial é Fernando Scavasin, que disputou as Olimpíadas do Rio pelo florete e migrou para o sabre. Ele é o 163º melhor do mundo. Além dele, a equipe é bastante jovem - Bruno Pekelman, 18 anos e 176º do mundo, é líder do ranking nacional - e tem conseguido bons resultados em nível continental, mas que demoram a refletir-se em matéria de ranking. Enquanto podem trazer boas surpresas para Paris-2024, a expectativa é baixa para representação brasileira no sabre em Tóquio.


Próximas provas importantes: Copa do Mundo de Alger (ALG), entre 15 e 17/11/2019; Grand Prix em local a ser definido entre 10 e 12/01/2020; Copa do Mundo de Varsóvia (POL) entre 21 e 23/02/2020; Copa do Mundo de Pádua, entre 06 e 08/03/2020; Copa do Mundo de Budapeste, entre 20 e 22/03/2020.

Fotos: Team Bizzi / FIE / Confederação Brasileira de Esgrima

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes