Últimas Notícias

Brasil ganha com sobras o Pan-Americano de Judô sub-21

Foto: Reprodução/Instagram 


Foi disputado no dia 24 de junho de 2024, em Lima, no Peru, o Pan-Americano sub-21 de Judô. O evento contou pontos pro ranking do Pan Júnior e pro Pan-Americano de 2027. O Brasil esteve presente com uma delegação composta por 27 atletas, sendo 15 no masculino e 12 no feminino. Nossos atletas voltaram pra casa com excesso de bagagem de medalhas, liderando com sobras o quadro geral.

Na categoria masculina até 60 kg, Marcus Ramos foi medalhista de prata sendo derrotado na final pelo mexicano Eduardo Sagastegui. Antes disso, Marcus havia vencido os embates contra Enzo Peralta, do Paraguai; Dany Manuel Castro, da República Dominicana e Mateo Cabral, também paraguaio. Os dois bronzes ficaram com o colombiano Jeronimo Pino Balbin e com o mexicano Carlos Hernandez Macias.

Na categoria até 66 kg, o Brasil simplesmente dominou e varreu completamente o pódio. Ouro para Ernane Neves, prata para Francisco Schier e bronzes para José Tiago Filho e Bruno Nóbrega, todos esses brasileiros.

Na categoria até 73 kg, medalha de ouro para Arthur Santos ao derrotar o chileno Tomas Hernandez na final. Antes dele, o brasileiro havia derrotado ao mexicano Dante Flores Martinez, ao equatoriano Jose Gonzalez e ao colombiano Keiner Sanchez Garnica. Além disso, Antonio Rocha se recuperou de uma derrota na primeira luta frente ao uruguaio Paolo Silva Manzi e na repescagem ganhou as lutas contra três adversários até conquistar um dos bronzes. O outro foi pra Jose Gonzalez, do Equador.

Na categoria até 81 kg final brasileira entre Luan Almeida e Enzo Trombini. Melhor para o Enzo, que deixou seu compatriota com a prata. Os bronzes foram para Francisco Galarza Hernandez, de Porto Rico e John Perez Ruiz, da Colômbia.

Outra final 100% brasileira ocorreu na categoria até 90 kg: Gustavo Milano derrotou Lucas Ribeiro para garantir o lugar mais alto do pódio. As medalhas de bronze foram para João Segatelle, também brasileiro, e para Derik Rodriguez, de Porto Rico.

Não houve disputa na categoria até 100 kg, porém, na categoria acima de 100 kg, mais medalhas para o Brasil. Na final verde e amarela, Gabriel dos Santos venceu a Breno Dias Duarte para levar o ouro pra casa. As medalhas de bronze foram para o mexicano Hugo Sanchez e para o chileno Patricio Urra, que venceu na repescagem ao brasileiro Eduardo Martins.

Partindo para as categorias femininas, na até 48 kg, mais um ouro para nosso país. Nycolly Carneiro venceu a equatoriana Laura Vasquez na final para garantir a medalha dourada. Antes disso, Nycolly superou a mexicana Aceves Ximena Itzel, a colombiana Manuela Crespo e a chilena Ayinko Toloza (esta última levou um bronze). Além de comemorar o ouro de Nycolly, o Brasil também festejou o bronze de Isadora Cavalcante. Na categoria também tivemos a representação de Ana Luisa Freitas Rego, porém, ela perdeu logo na abertura contra a dominicana Carla Tolentino.

Na categoria até 52 kg, outro domínio brasileiro. A final foi entre Rafaela Rodrigues e Nicole Marques, com Rafaela levando a melhor. Wendy Golu, da Colômbia, conseguiu um dos bronzes ao derrotar a equatoriana Blanca Chala, enquanto que a peruana Driulys Rivas conquistou o outro ao superar a brasileira Mariana Rocha. A brasileira Agatha Benedicto não competiu.

Na categoria até 57 kg Bianca Reis era a única brasileira inscrita. Ela venceu a costarriquenha Yuliana Berrocal, a dominicana Luisa Villanueva Mota (que levou um dos bronzes) e a também costarriquenha Jimena Arce Lacayo na final para faturar o ouro. O outro bronze foi obtido por Isidora Palma, do Chile.

Nas disputas até 63 kg, mais três medalhas pro Brasil. Ouro para Maria Clara Avelino, prata para Eduarda Bastos e bronze para Anna Julia Sperling. O pódio só não foi 100% brasileiro pois Ingrid Choco, da Colômbia, conseguiu o outro bronze. Entretanto, o Brasil pegou todas as medalhas possíveis.

Nas disputas até 70 kg não tivemos representação. Ouro pra dominicana Victoria Ramirez Peguero; prata para a mexicana Renata Sandoval e bronzes para Ignacia Mayorga, do Chile, e Heydi Santillana, da Colômbia.

Na categoria até 78 kg apenas três atletas estavam inscritas. Em uma disputa de todos contra todos, a colombiana Tania Murillo ficou com o ouro ao derrotar a salvadorenha Katherine Cordova na final. Katherine ficou com a prata e não houve distribuição de bronze nessa categoria. Situação parecida ocorreu na categoria acima de 78 kg, onde a campeã foi a brasileira Olívia Oliveira com a chilena Kharla Casas sendo vice.

Ao fim de todas as disputas, não houve como negar a superioridade brasileira no continente. Dos 27 atletas que o Brasil levou, 23 voltaram com medalhas. O Brasil encerrou a competição com 10 ouros, 7 pratas e 6 bronzes. Em segundo lugar ficou o México com um ouro, uma prata e dois bronzes e em terceiro lugar a Colômbia, com um ouro e quatro bronzes. 

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar