Últimas Notícias

Brasil fecha primeiro dia de mundial de atletismo paralímpico com três medalhas

 

Alessandra Cabral/CPB

O Brasil conquistou sua primeira medalha logo no segundo evento do primeiro dia, no salto em distância feminino  T11 (deficientes visuais). Lorena Spoladore ficou com a medalha de prata, com o salto de 4,91m - sua melhor marca na temporada. O ouro ficou com Alisa Mirzayorva do Uzbequistão, com 5,13m. Esta foi a quinta medalha de Lorena em mundiais. A recordista mundial Silvânia Costa também esteve na final e terminou em quinto, com 4,59m.

"Ser a primeira medalha do Brasil tem um gostinho ainda maior. Estou muito feliz e grata. Voltar a medalhar no salto em distância é muito bom, foi a prova em que eu iniciei no atletismo e me deu visibilidade no esporte. Nosso objetivo são as provas dos 100m e 200m, mas essa boa preparação refletiu também na disputa do salto", afirmou a atleta, que ficou cega devido a um glaucoma congênito, ao site da CPB.  


Alessandra Cabral/CPB

A segunda medalha do dia veio com o caçula da delegação brasileira Vinícius Quintino, de apenas 16 anos. Ele foi bronze nos 100m rasos na categoria T72 - paralisados cerebrais que correm com auxilio de um equipamento chamado petra. Vinícius fez o tempo de 17s60, seu melhor tempo no ano, ficando atrás apenas de Gavin Drysdale (ouro) e Rafi Solaiman (prata) da Grã Bretanha.

"Estou muito feliz com essa medalha. A prova foi muito disputada e acho que, por ser o meu primeiro Mundial, foi muito bom. Pretendo melhorar  ainda mais para o próximo Mundial, em Kobe 2024", afirmou o atleta, que tem paralisia cerebral em decorrência de uma anoxia durante o parto, ao site da CPB.

 A terceira medalha do dia veio arremesso de peso na categoria F55 (cadeirantes). Wallace Santos conquistou o bronze com 11s87, sendo superado por Lech Stoltman (POL) e Rudzhi Rudzhi (BUL), prata e ouro, respectivamente.

Alexandre Schneider/ CPB

"A prova foi boa. Demorei um pouco para me encaixar e sentir confortável na cadeira. Com isso, o último arremesso acabou sendo o melhor. Sair com uma medalha no meu primeiro Mundial é muito gratificante. Vou comemorar esse bronze como se fosse um ouro. Agora é continuar forte nos treinos para os Jogos Parapan-Americanos de Santiago, em novembro", afirmou Wallace ao site da CPB.

Nas eliminatórias das provas de velocidade, o Brasil foi bem.  Nos 100m T37 (paralisados cerebrais), Ricardo Mendonça avançou com o melhor tempo 11s25. Christian Gabriel também passou para as semifinais, com o tempo de 11s52. Rayane Soares avançou para a decisão dos 100m T13 (deficientes visuais sem atletas guia) com o quinto melhor tempo, 12s74. Nas eliminatórias dos 400m T11, Jhulia Carol e Thalita Simplício venceram suas baterias e avançaram para as semifinais; Já Joeferson Marinho disputou as eliminatórias dos 100m T12 (pessoas com deficiência visual parcial) e fez o tempo de 11s10, mas não avançou para a final. 

Nas outras provas de campo do dia, Wanna Brito terminou em quinto lugar no lançamento de Dardo F32 - paralisados cerebrais que são cadeirantes), com 23,65m; E Emanoel Vitor e João Victor Teixeira terminaram em oitavo e décimo no arremesso de peso F37.


Segunda (10) teremos as seguintes provas com brasileiros:

Eliminatórias 

400m T11

Felipe Gomes

Daniel Mendes

100m T47

Maria Clara Augusto


Semifinal

400m T11

Jhulia Carol

Thalita Simplício


Final

Lançamento de Dardo T57

Cícero Nobre

100m T37

Ricardo Mendonça 

Christian Gabriel

100m T13

Rayane Soares

5000m T11

Julio Cesar Agripino

Yeltsin Jaques


0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar