Últimas Notícias

Brasil ganha mais dois ouros e conquista Grand Prix de judô Paralímpico em Portugal

Fotos: Divulgação/ CBDV

 

A Seleção Brasileira de judô paralímpico encerrou sua participação no Grand Prix de Almada, em Portugal, ganhando mais dez medalhas, sendo duas de ouro, seis de prata e duas de bronze. Com as cinco conquistadas no primeiro dia de competição (veja aqui), o país fechou o evento na liderança geral, com 15 medalhas ao todo: três ouros, sete pratas e cinco bronzes. A França ficou na segunda colocação, com dois ouros, uma prata e dois bronzes, seguida do Cazaquistão (dois ouros e um bronze). O torneio português reuniu 91 atletas de 24 países.

 

Alana Maldonado, de 27 anos, atual bicampeã mundial e campeã em Tóquio 2020, conquistou o ouro na categoria J2, para atletas de baixa visão, de até 70 kg, após derrotar a japonesa Kazusa Ogawa, quarta colocada do ranking, em dois combates. Como a categoria delas só teve duas inscritas, o sistema de disputa é o melhor de três duelos. Alana não precisou da terceira luta para garantir o primeiro lugar.


"Muito bom começar o ano assim, sendo campeã! Temos uma grande temporada pela frente, é preparatória para os Jogos de Paris, então serão muitas competições. Muito obrigada pela torcida de todos!", agradeceu Alana.

 

Quem também brilhou no dia de hoje e pendurou a medalha dourada ao redor do pescoço foi o potiguar Arthur Silva, de 30 anos, atual líder do ranking na categoria J1 (cegos totais) de até 90 kg. Ele confirmou o favoritismo e superou o ucraniano Eduard Tropinov e o britânico Daniel Powell (vice-campeão mundial em 2022) até fazer a final contra o compatriota Antônio Tenório, maior judoca paralímpico de todos os tempos. A luta só foi decidida no golden score, com vitória de Arthur Silva e prata para Tenório.

 

"Não tinha como começar o ano melhor, ouro aqui em Portugal, dobradinha do Brasil... Quero agradecer a todos que seguem na torcida, vamos rumo a Paris, se Deus quiser!", comemorou Arthur.

 

Na categoria J2 acima de 70 kg, outro duelo brasileiro, Rebeca Silva e Meg Emmerich se enfrentaram na semifinal. A primeira levou a melhor e se classificou para a final, quando acabou derrotada pela italiana Carolina Costa e terminou com a prata. Já Meg, quarta colocada do ranking, voltou para a disputa do bronze e ganhou da britânica Kirsten Taylor.

 

Além de Rebeca, o gaúcho Marcelo Casanova, de 19 anos, foi outro que conseguiu alcançar a final, mas não o ouro. Quinto do mundo na categoria J2 até 90 kg, ele acabou superado pelo sul-coreano Jung Min Lee, 17º do ranking, e ganhou a medalha prateada.

 

As outras três pratas do Brasil nesta terça-feira vieram em categorias que só contaram com três atletas inscritos. Nesses casos, todos se enfrentam entre si. Brenda Freitas perdeu para a sueca Nicolina Pernheim, mas venceu a italiana Matilde Lauria na categoria J1 até 70 kg. Na J1 acima de 70 kg, Erika Zoaga bateu a venezuelana Danitza Sanabria e perdeu para a norte-americana Christella Garcia. Na J2 acima de 90 kg, Sergio Fernandes ganhou do cazaque Yerlan Konkiyev, mas foi batido pelo britânico Christopher Skelley.

 

A maior surpresa do dia veio com o atual campeão mundial Wilians Araújo, de 31 anos. Invicto no ano passado, quando acumulou 23 vitórias por ippon em 24 combates ao longo de sete competições vencidas por ele, o líder do ranking acabou surpreendido logo na estreia pelo francês Romuald Raboteur (FRA), 13º do mundo e derrotado pelo brasileiro no Mundial. Apesar do tropeço, o paraibano voltou para a disputa do bronze e conseguiu medalhar ao derrotar o cazaque Yerlan Utepov.

 

A próxima etapa do circuito internacional da IBSA (sigla em inglês para Federação Internacional de Esportes para Cegos) está marcada para os dias 13 e 14 de março, em Alexandria, no Egito. Haverá também eventos em Baku, no Azerbaijão, em setembro, e Tóquio, no Japão, em dezembro. Todos contam pontos para o ranking mundial, principal critério de distribuição das vagas da modalidade para os Jogos Paralímpicos de Paris 2024.


0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar