De volta ao Brasil, Alison dos Santos foca nas últimas provas da temporada após título mundial


Depois de quase cinco meses fora do Brasil, Alison dos Santos, o Piu, retornou ao País na manhã desta sexta-feira (22/7), desembarcando no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. O atleta trouxe na bagagem de mão a medalha de ouro dos 400 m com barreiras do Campeonato Mundial do Oregon, nos Estados Unidos, cuidadosamente embalada numa caixa e envolta em tecido especial, prêmio conquistado no Estádio Hayward Field, na cidade de Eugene, na quarta-feira (20/7).

Ele chegou num voo que saiu de Atlanta, com procedência em Portland, no Oregon. Simpático, modesto e extremamente articulado, o atleta do Pinheiros ficará apenas 11 dias no Brasil. Vai a São Joaquim da Barra, cidade em que nasceu, para rever a família, conhecer a sobrinha Arieli, nascida há três semanas.

“Estou ansioso para fazer uma dancinha com minha sobrinha, filha da Adriene”, disse, fazendo gestos de segurar um bebê no colo. “Quero muito jogar truco e ganhar do meu pai, Gerson, e dos meus amigos. É importante matar a saudade nem que seja por pouco tempo.”

Muito pouco tempo na verdade. Na terça-feira (26/7), ele já treina no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em São Paulo, e no dia 3 de agosto embarca para a Europa para as últimas competições da temporada 2022.

“Este ano foi mágico, consegui a sonhada medalha de ouro no Mundial, mas a temporada não acabou. Vai ser longa, mas vai valer muito a pena. Tenho mais provas para tentar vencer a Liga Diamante e ainda vou tentar bater o recorde brasileiro dos 400 m rasos”, comentou Piu, referindo-se ao tempo de 44.29, obtido por Sanderlei Parrela no Mundial de Sevilha-1999, na Espanha. “Não dá para perder o foco.”

No início do ano, Alison abriu a temporada com 44.54 nos 400 m, no Mt Sac Relay, na Califórnia, no dia 16 de abril, segundo melhor tempo na história da prova no Brasil.

Medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2021, o brasileiro gravou seu nome no esporte mundial e está longe de estar satisfeito. Ele conta sempre com o apoio inestimável do treinador Felipe de Siqueira, que programa suas preparações e define quais provas deve disputar. É uma ligação muito especial, como de irmãos. Felipe é muito estudioso e Alison, interessado em aprender tudo.

A marca anotada por Alison (46.29) na pista americana foi a melhor do ano no Ranking Mundial, superando os 46.80, também dele, feitos na etapa de Estocolmo da Liga Diamante em junho, na Suécia, mas ainda está acima do recorde mundial do norueguês Warholm de 45.94. “Deu para ver que o recorde mundial está próximo, já que corri 46.29 em Eugene. É acertar detalhes só aproveitar a experiência. Por isso vou focar em 2023 também nos 400 m rasos para melhorar a parte do chão.”

Piu, que viajou no dia 2 de março para os Estados Unidos, fez a preparação principal no Centro Olímpico dos Estados Unidos, em Chula Vista, região de São Diego, e depois seguiu para as competições e um estágio também na Turquia. “O sonho é buscar o recorde mundial. Estaria mentindo se não falasse isso. Está muito perto e tenho muito ainda o que melhorar na prova”, referindo-se aos 45.94 do norueguês e principalmente aos 46.29 alcançados em Eugene – 35 centésimos de segundo de diferença.

“Sempre quis fazer história. A gente quer ser uma lenda. Quer deixar nosso nome. Que daqui a 30, 40, 50 anos, quando forem falar de atletismo, dos 400 m com barreiras, vão lembrar quem foi Alison dos Santos e o que a gente fez na pista”, declarou.

Após a medalha de ouro de Eugene, Alison disse que dormiu muito pouco, cerca de uma hora. “A vida está corrida, está na agenda”, comentou o Alison, que disse ter revisto várias vezes a sua prova durante o voo de volta para o Brasil e pensado no futuro, “além de dormir”.

O brasileiro disputa mais três etapas da Liga Diamante nos 400 m com barreiras este ano: 6 de agosto, em Silesia, Polônia, no Kamila Skolimowska Memorial; dia 2 de setembro, em Bruxelas, Bélgica, no Memorial van Damme; e 8 de setembro, a final em Zurique, Suíça. Correrá também um prova dos 400 m rasos no dia 8/8, no Grand Prix da Hungria Gyulai István Memorial.

Na Europa, terá um intervalo de competições entre 8 de agosto e 2 de setembro, período em que treinará em Birmingham, na Grã-Bretanha, e ficará na casa de seu amigo nigeriano, naturalizado inglês, Efekemo Okoro, especialista nos 400 m e nos 400 m com barreiras.

No Aeroporto de Guarulhos, Alison foi recebido pelos amigos e atletas Matheus Liberado, do CT Maranhão (MA), e Wesley Biscoito, de Sorocaba (SP), também barreiristas. Dançaram, se abraçaram, comemoraram muita a medalha de ouro. E foram embora para o apartamento da Vila Madalena, onde Piu mora com Jorge Vides e Derick Souza, também atletas do Pinheiros. Depois de resolver problemas particulares, como comprar um chip de celular perdido e o rodízio de sua BMW, às 20 horas, seguiria para casa.

Foto: Carol Coelho/CBAt
Código adsense convertido aqui

Postar um comentário

Bem-vindos ao Surto Olímpico!
Bem-vindos ao Surto Olímpico!
To Top