Velocista Petrúcio Ferreira quebra marca nos 200m no Desafio CPB/CBAt


Depois de estabelecer uma nova marca nos 100 m na classe T47 (para atletas com deficiência nos membros superiores) nesta quinta-feira, 31, o velocista paraibano Petrúcio Ferreira, 25, bateu outro recorde mundial durante o Desafio de atletismo CPB/CBAt nesta sexta-feira, 1º de abril. Na pista do Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, o atleta percorreu os 200 m em 20s83, superando a sua própria marca de 21s17, estabelecida em Berlim, na Alemanha, em julho de 2018.

O Desafio de atletismo CPB/CBAt é composto por provas de pista e campo, com disputas entre atletas com e sem deficiências. Assim como ocorreu nos 100 m, Petrúcio, do Pinheiros/SP, chegou em primeiro lugar e superou esportistas olímpicos, como Rodrigo Nascimento e Derick Souza, campeões mundiais no revezamento 4 x 100 m, em maio de 2019, em Yokohama, no Japão. Rodrigo terminou a disputa nesta sexta em 21s01, enquanto Derick fez em 21s02. Eles ficaram em 4º e 5º lugares, respectivamente. O atleta sem deficiência que chegou mais próximo do tempo de Petrúcio foi Lucas Carvalho, também do Pinheiros, que completou a disputa em 20s87.

"Estou muito feliz com esse início de temporada. Consegui fazer mais uma boa prova e um bom resultado. Quebrei mais um recorde mundial, agora nos 200 m, que já era meu também. É uma sensação maravilhosa", disse Petrúcio, que, aos dois anos de idade, perdeu parte do braço esquerdo em um acidente com uma máquina de moer capim.

A prova dos 200 m da classe T47 não está no programa dos Mundiais de atletismo e nem dos Jogos Paralímpicos. Apesar disso, o paraibano afirmou que foi gratificante participar desta disputa no CT. "Eu me sinto em casa aqui. É bom relembrar os 200 m, mesmo sabendo que a prova não está nas principais competições. Cada campeonato, para mim, é como se fosse o primeiro. É a mesma ansiedade e o mesmo nervosíssimo. Eu gosto muito de correr os 200 m e estou torcendo para que a prova volte ao Mundial e aos Jogos Paralímpicos. É uma disputa prazerosa", concluiu o velocista.

Nas provas de campo, destaque para a atleta mineira Izabela Campos, da Sadevi/MG. Ela quebrou o recorde brasileiro no lançamento de disco feminino da classe F11 (para cegas). Nesta sexta, ela atingiu a marca de 35,78 m e superou seu próprio recorde anterior, 35,60 m, atingido também na capital paulista, em 2021.

Foto: Marcello Zambrana/CPB

Postar um comentário

To Top