Velocista Vanessa dos Santos conquista segundo ouro, com índice para o Mundial sub-20 de Atletismo


A paulistana Vanessa Sena dos Santos (AD Centro Olímpico-SP) voltou a ganhar destaque no Campeonato Brasileiro de Atletismo Sub-20, nodomingo (24/4), no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), em São Paulo. Vanessa ganhou sua segunda medalha de ouro, desta vez nos 200 m e ainda melhorou o índice para o Mundial de Atletismo Sub-20 de Cáli, Colômbia, de 1 a 6 de agosto. Vanessa já havia vencido no sábado (23/4) o salto em distância, também com índice para o Mundial, com 6,35 m (0.3), novo recorde brasileiro sub-18, melhor marca do mundo na categoria e terceira melhor marca do Ranking da World Athltetics Sub-20.

"Foi uma prova muito boa e forte, mas não foi fácil, com os três melhores tempos lado a lado. Eu já achava que daria para melhorar, tinha 24.23 (0.1) da semifinal e fiz 24.03 (0.8), e ainda dá para baixar o tempo", disse Vanessa, que vai engatar uma série de competições internacionais e só pensa em medalhas. "Quero ser campeã em tudo, brigar por medalhas", afirmou. Em maio, disputará os Jogos Sul-Americanos da Juventude Sub-18, em Rosário, Argentina, e a Gymnasíade – o Mundial Escolar – de 14 a 22, na Normandia, França. Antes do Mundial de Cáli compete no Pan-Americano, em junho.

Tainara Mees (AATI-SC), ouro nos 100 m, ficou com a medalha de prata (24.41) e Natália Campregher (APA/SECEL Jaraguá do Sul-SC) com a medalha de bronze (24.40).

A chegada dos 200 m masculino foi incrível com o mesmo tempo para os dois primeiros colocados, mas vitória de Izaias Alves (Águias Guariba-SP), com 21.48 (-1.7), mesmo tempo de Matheus Lima da Silva (CRB-AL), com Lucas Fernandes Antunes (UCA-SC) em terceiro, com 21.70. Na semifinal, sábado, Isaias correu a distância em 21.31 (1.3), índice para o Mundial Sub-20 de Cáli (a marca mínima exigida pela World Athletics é 21.40).


Taniele da Silva (Pomerode-SC) - fã de Geisa Arcanjo e de Darlan Romani - foi campeã no arremesso do peso, com 13,98 m. "Foi meu primeiro arremesso, ainda tentei melhorar a marca", disse Taniele, de 17 anos que nasceu em Peruíbe (SP), mas vive em Pomedore desde criança e treina com Odair dos Santos.

O mato-grossense Jânio Marcos Gonçalves Varjão (Barra do Garças-MT) comprovou seu amplo favoritismo e conquistou o bicampeonato dos 1.500 m, com 3:57.84, dando sequência aos ótimos resultados de 2022. Afinal, ele conquistou as medalhas de ouro na categoria sub-20 da Copa Brasil, do Sul-Americano e do Pan-Americano de Cross Country. “Fiquei feliz com a marca, embora a prioridade tenha sido a vitória e a qualificação para o Campeonato Pan-Americano de junho”, comentou Jânio, de 18 anos e há 3 praticante do atletismo. “Nasci em Barra do Garças, onde vive minha família, mas moro na Casa do Atleta, que fica a 20 metros da pista. É muito mais fácil, além de um contar com uma alimentação mais adequada para o esporte”, completou o atleta, que ganhou a medalha de prata nos 3.000 m na sexta-feira (22/4).

Victor Augusto Carpeggiani (Balneário Camboriú-SC) ficou em segundo lugar, com 4:02.41, enquanto Marco Túlio Gonçalves (Praia Clube-MG) garantiu o bronze, com 4:04.59 .

Na categoria feminina, a campeã foi a paranaense Ana Mees Valério (PM São José dos Pinhais-PR), de apenas 16 anos, com 4:53.28. “Queria um lugar no pódio e imagina só minha felicidade com o ouro”, disse a atleta, bronze nos 5.000 m na manhã de sábado (23/4), que desta vez não teve a companhia da irmã gêmea Helena. “Bati meu recorde pessoal, garanti vaga no Pan-Americano e agora vou me preparar para correr bem os Jogos Sul-Americanos da Juventude”, completou, referindo à competição que será disputada no início de maio na cidade argentina de Rosário.

Stefany dos Santos Ribeiro (AASF-BA) conquistou a medalha de prata, com 5:00.18, seguida de Caroline de Oliveira Gomes (MEM-SP), com 5:01.02.

Na prova que abriu o programa deste domingo, os 10.000 m marcha atlética, Heron Rodrigues Miranda (Balneário Camboriú-SC) também confirmou seu favoritismo e venceu com o tempo de 44:32.73. “Foi uma prova muito difícil. Liderei desde o início e é duro não ter alguém para puxar o ritmo”, lembrou Heron. “Fiquei feliz por me qualificar para o Pan-Americano, onde espero conseguir o índice para o Mundial de Cáli, já que deverei ter adversários fortes.”

Otávio Henrique Vicente (Corville-SC) completou as 25 voltas na pista em segundo lugar, com 44:43.22. João Victor Silva Magalhães (CASO-DF) terminou em terceiro, com 45:59.88.

No salto triplo, a vitória foi da catarinense Mariana de Oliveira Muller (Corville-SC), com a marca de 12,55 m (0.5), obtida na segunda tentativa. “O resultado e a qualificação para o Pan-Americano me deixam mais animada. Acho que posso melhorar ainda mais”, disse a atleta de 19 anos, que há seis anos treina atletismo em Joinville. “Já fiz heptatlo, distância e barreiras, mas minha prova principal sempre foi o triplo”, completou.

Beatriz Cristaldo dos Santos (Instituto Foz-PR) foi a vice-campeã, com 12,25 m (-1.5), seguida de Maria Eduarda de Oliveira (Barra Bonita-SP), com 12,20 (0.8).

Com apenas cinco meses de atletismo, a gaúcha Luísa Monteiro de Almeida (Sogipa-RS), de 15 anos, foi uma das surpresas da competição. Ela ganhou a medalha de prata nos 5.000 m (18:44.57) e de bronze nos 3.000 m (10:43.16) em sua primeira experiência em torneio nacional. “Ela é associada da Sogipa e corria na pista do clube, orientada pelo personal Gerimar Souza. Um dia eu reparei o desempenho dela e perguntei se ela gostaria de correr o Estadual pela Sogipa. Ela aceitou, com a anuência dos pais, e ganhou duas medalhas de ouro. É um talento, que tende a crescer muito”, disse o treinador Yuri Rodrigues Fajardo. Luísa estreou nas competições em dezembro e subiu duas vezes ao pódio do Centro Olímpico. “Gosto muito de correr e sei que tenho de aprender muito ainda”, afirmou a menina nascida em Porto Alegre no dia 17 de maio de 2006.

A prova dos 110 m com barreiras foi a mais forte da história do Campeonato Brasileiro Loterias Caixa de Atletismo Sub-20, disputado de sexta-feira (22/4) a este domingo (24/4), no Estádio do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, na Vila Clementino, em São Paulo. Nada menos do que seis atletas conseguiram os índices exigidos para o Campeonato Mundial da categoria, de 1 a 6 de agosto, em Cáli, Colômbia, e cinco correram abaixo dos 14 segundos. Cada país só pode levar dois atletas por prova individual.

O piauiense José Eduardo Mendes da Silva (Luasa-SP) foi o campeão, com 13.54 (0.6), quebrando o recorde da competição e o brasileiro sub-20, de 13.58, que pertencia desde 2014 a Júlio César Nascimento de Oliveira. O resultado de José Eduardo, que começou no atletismo no Instituto Edson Luciano Ribeiro, em São Joaquim da Barra (SP), é o quarto melhor do ano no Ranking da categoria da World Athletics.

“Estava muito confiante, principalmente depois da semifinal. O objetivo era o recorde e a qualificação para o Pan-Americano de junho. E felizmente tudo deu certo”, disse o atleta nascido em Teresina, que mora desde janeiro em Taubaté (SP), onde treina com Rodrigo Pereira dos Santos. “Estou muito feliz por ter alcançado meus objetivos”, completou José Eduardo, que comemorou muito a vitória com os outros atletas da prova na zona mista do estádio.

“O nível da prova estava muito forte e a gente sabia da possibilidade de quebrar o recorde brasileiro. O camping de velocidade e barreiras organizado pela CBAt, em Bragança Paulista, foi muito importante porque os exames, os teste de biomecânica nos deram muitos subsídios para o treinamento”, comentou Rodrigo Pereira. “Pena que o Thiago (Thiago Resende Ornelas) bateu na primeira barreira. Ele está também muito bem e poderia ter obtido uma marca melhor.”

Thiago Resende Ornelas ficou com a medalha de bronze, com 13.72, atrás de Lucas Henrique de Souza Maia (AAP-PR), prata, com 13.69.

Outra ótima prova foi a dos 100 m com barreiras. As três primeiras colocadas conseguiram o índice de 14.20 para o Mundial de Cáli. A catarinense Lays Cristina Rodrigues Silva (Corville-SC) conquistou o ouro, com 13.69 (0.5). Com isso, assumiu a liderança do Ranking Brasileiro da categoria. “Foi meu recorde pessoal e não podia estar mais feliz. Tomei um susto na semifinal pela manhã, quando quase caí”, lembrou a atleta de 18 anos. “Vou tentar melhorar meu resultado no Pan-Americano.”

Daniele Campigotto (CAC-SC) ficou em segundo lugar, com 14.08, seguida de Ionane Linhares da Costa Azevedo (ASA Sorriso-MT), com 14.18.

No salto triplo, Felipe Izidoro da Silva (Instituto Foz-PR) garantiu a primeira colocação, com 15,48 m (0.6), e a vaga para o Pan-Americano. “Queria uma marca melhor, o índice para o Mundial de Cáli, mas esse índice vai sair ainda”, comentou. “Em compensação estou feliz pelo bicampeonato brasileiro”, completou. Rafael Duarte dos Santos (APADA-MT) ficou com a prata, com 14,74 m (1.3), seguido de Thiago Felipe Nobre de Souza (Orcampi-SP), com 14,48 m (0.6).

No heptatlo, Giovana Corradi (AD Centro Olímpico-SP) liderou a classificação por pontos na soma das seis primeiras provas. Nos 800 m, última competição da especialidade, Ana Luísa Couto Soares Ferraz (Orcampi-SP) teve um desempenho melhor e garantiu o primeiro lugar, com 5.247 pontos – o índice para o Mundial é de 5.300. “Bati na trave pela segunda vez este ano, mas mesmo assim estou contente. Os resultados mostram que estou no caminho certo”, disse a mineira, que vai passar alguns dias com a sua família em Belo Horizonte. “Melhorei meu desempenho no peso, no dardo e nos 200 m.”

Giovana Corradi acabou na segunda colocação, com 4.960 pontos, seguida de Sofhia Carolina Antônio (Clã Delfos-MG), com 4.955.

No lançamento do dardo, a paranaense Stefany Beatriz Navarro da Silva (AAP-PR) deu mostras de superação, após sentir uma lesão no salto em altura, segunda prova do heptatlo. Ela desistiu da prova, mas lutou para ter condições de disputar o dardo e conseguiu a medalha de ouro, com 51,61 m. “Nossa fiquei em tratamento direto na área de recuperação da NewOne no estádio. Se eu não fosse bem, acho que o fisioterapeuta ficaria arrasado”, brincou. Stefany já tem os índices para o Mundial de Cáli no heptatlo e dardo.

Sofhia Carolina Antônio (Clã Delfos-MG) ficou com a medalha de prata, com 39,69 m, enquanto Yasmin Camille Liz do Carmo (Curitiba SMELJ-PR) levou o bronze, com 37,68 m.

Vinícius de Carvalho Alves (Orcampi-SP), que já havia vencido os 3.000 m rasos na sexta-feira, conquistou sua segunda medalha de ouro na disputa dos 3.000 m com obstáculos, com o tempo de 9.16.94, com boa vantagem sobre o segundo colocado, Kaue Orvalho Domingues (IEMA-SP), com 9.42.14. O terceiro colocado foi Nicolas Augusto Pereira (CASO-DF), com 9.42.20.

Foto: Wagner Carmo/CBAt

Postar um comentário

To Top