CAS rejeita defesa de CJ Ujah e time britânico perde medalha de prata dos 4x100m de Tóquio 2020


CJ Ujah, velocista britânico, finalista olímpico em Tóquio 2020, testou positivo para substância proibida ostarine e S-23 em amostra coletada na final olímpica da prova mais rápida do atletismo mundial.

A alegação de Ujah é que as substâncias encontradas não foram ingeridas de forma consciente, culpando contaminação de suplemento.

A Divisão Antidoping do CAS rejeitou a defesa do atleta, desqualificando assim, todos os resultados que o velocista obteve em Tóquio 2020.

Isso significa que a equipe britânica do 4 x 100 m masculino perde a medalha de prata conquista no Japão.

Sendo assim, a equipe canadense herda a prata e a equipe chinesa completará o pódio.

A Divisão Antidoping do CAS não impôs proibições a Ujah, deixando o mérito da questão para a Unidade de Integridade do Atletismo (AIU) para julgar o caso.

O atleta já foi preventivamente suspenso pelo AIU.

Ostarine é um substância utilizada para perda de massa muscular e osteoporose e S-23 é um contraceptivo hormonal masculino.

CJ Ujah tem duas participações olímpicas e já foi campeã mundial em 2017 em Londres, sendo integrante da equipe britânica do 4 x 100 m masculino, ajudando a equipe a chegar no ponto mais alto do pódio.

Foto: Divulgação


Código adsense convertido aqui

Postar um comentário

Bem-vindos ao Surto Olímpico!
Bem-vindos ao Surto Olímpico!
To Top