Ucrânia leva dois ouros na etapa de Cottbus da Copa do Mundo de ginástica artística

Técnica abraça Daniela Batrova após apresentação - Foto: Stephan Lausitz/Trunier der Meister

O circuito da Copa do Mundo de Ginástica 2022 começou neste fim de semana com a realização da tradicional etapa de Cottbus, na Alemanha. O evento marca a primeira competição internacional do novo código de pontuação que será utilizado nos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024. 

Em meio à crise geopolítica com a invasão russa na Ucrânia, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) havia anunciado no sábado (26) que não iria permitir que as bandeiras de Rússia e Belarus fossem hasteadas em seus eventos (assim como não tocaria os hinos dos países). Isso aconteceu logo na primeira final em Cottbus, com a vitória de Yahor Sharamkou (BLR) no solo masculino

Na final, o favorito era o israelense Artem Dolgopyat, campeão olímpico em Tóquio, mas que acabou tendo que usar as mãos para evitar uma queda em um duplo mortal para frente, terminando apenas em sexto lugar com 13.400 pontos. Sharmakou teve uma série limpa, com o único erro sendo um passo para fora da área de competição em um duplo grupado para frente e venceu com 13.933.

Não teve execução de hino após o pódio do solo e até o GC da transmissão internacional estava sem a bandeira de Belarus - Foto: Reprodução/Federazione Ginnastica d'Italia

No cavalo com alças, quem venceu foi o croata Filip Ude, com 14.366 pontos. Mesmo com uma série relativamente simples (5.7 de dificuldade), Ude conseguiu a melhor execução da final com 8.666 pontos para levar a medalha de ouro.

Campeão mundial em 2019, Ibrahim Çolak da Turquia levou a medalha de ouro nas argolas, com 14.733 pontos. O turco acertou a sua série com direito a um duplo carpado para frente cravado na saída.

Çolak na final das argolas- Foto: Stephan Lausitz/Trunier der Meister

Bronze em Tóquio, o armênio Artur Davtyan impressionou com seu ótimo desempenho no salto sobre a mesa. Seu primeiro salto foi uma excelente dupla e meia pirueta para frente  (nota 9.5 de execução e 15.1 no total). O segundo salto um Dragulescu (duplo mortal grupado para frente com meia volta), também bem executado. Davtyan recebeu uma média 14.683 para os dois saltos.


Nas barras paralelas, Ilia Kovtun da Ucrânia levou a medalha de ouro. Ele fez a série mais forte da final, com 6.3 de dificuldade, e teve uma execução excelente conseguindo 14.966 pontos.

Ilia Kovtun em ação em Cottbus - Foto: Stephan Lausitz/Trunier der Meister
A barra fixa encerrou a competição masculina com vitória de Brody Malone dos Estados Unidos. Ele conseguiu 14.700 pontos, superando em quatro décimos o croata Tim Srbic (campeão mundial em 2017) que levou a prata com 14.333, apostando em uma série mais simples para esse início de temporada.

No feminino, o nível da competição foi mais baixo com poucas atletas de países tradicionais da ginástica participando da etapa dessa etapa da Copa do Mundo. No salto sobre a mesa, a vitória foi de Tjasa Kysselef da Eslovênia que recebeu uma média 13.183 para um Yurchenko com uma pirueta e meia e um pirueta para frente na posição grupada.

Os Países Baixos conseguiram uma dobradinha nas barras assimétricas. Sanna Veerman fez a série mais difícil da final (6.1 de dificuldade) incluindo um Nabieva (giro de sola seguido de tkatchev esticado). Mas alguns erros de execução lhe custaram a medalha de ouro, ficando apenas com a segunda colocação com 13.166. Quem a superou foi sua compatriota Tisha Volleman que fez uma série mais simples (5.2 de dificuldade) mas com melhor execução para levar o ouro com 13.333 pontos.

Pódio das barras assimétricas - Foto: Stephan Lausitz/Trunier der Meister

Na trave, a Ucrânia levou o ouro com Daniela Batrona, de apenas 15 anos e que fez sua estreia na categoria adulta em Cottbus. Ela acertou toda a sua série e ficou em primeiro lugar com 13.200 pontos.

A espanhola Alba Petisco levou o ouro na final do solo com 12.900. Com a série mais difícil da final (5.3 de dificuldade), ela se colocou na frente das adversárias, sendo a única a usar uma das novidades do novo código de pontuação: um bônus de 0.2 para saídas com grau de dificuldade acima de "D".

Veja abaixo todos os pódios da Copa do Mundo de Cottbus:

Solo masculino:
1. Yahor Sharamkou (BLR) 13.933
2.  Aurel Benovic (CRO) 13.766
3.  Thomas Grasso (ITA) 13.700

Cavalo com alças:
1. Filip Ude (CRO) 14.366
2. Illia Kovtun (UKR) 14.166
3. Brody Malone (USA) 14.133

Argolas:
1. Ibrahim Colak (TUR) 14.733
2. Vahagn Davtyan (ARM) 14.600
3. Courtney Tulloch (GBR) 14.500

Salto sobre a mesa masculino:
1. Artur Davtyan (ARM) 14.983
2. Nazar Chepurnyi (UKR) 14.600
3. Adem Asil (TUR) 14.583

Barras paralelas:
1. Ilia Kovtun (UKR) 14.966
2. Mitchell Morgans (AUS) 14.733
3. Brody Malone (USA) 14.466

Barra fixa:
1. Brody Malone (USA) 14.700
2. Tin Srbic (CRO) 14.333
3. Alexander Myakinin (ISR) 14.100

Salto sobre a mesa feminino:
1. Tjasa Kysselef (SLO) 13.183
2. Ofir Netzer (ISR) 12.983
3.  Alba Petisco (ESP) 12.916

Barras assimétricas:
1. Tisha Volleman (NED) 13.333
2. Sanna Veerman (NED) 13.166
3. Anastasiya Smantsar (BLR) 13.100

Trave:
1. Daniela Batrona (UKR) 13.200
2. Lucie Trnkova (CZE) 12.766
3. Anastasiya Smantsar (BLR) 12.666

Solo feminino:
1. Alba Petisco (ESP) 12.900
2. Anastasiya Smantsar (BLR) 12.400
3. Tisha Volleman (NED) 12.133

Foto de capa: Stephan Lausitz/Trunier der Meister

Postar um comentário

To Top