Guia Pequim 2022 - Skeleton


FICHA TÉCNICA

Local de disputa: Yanqing National Sliding Center
Período: 09/02 a 12/02
Delegações participantes: 21
Total de atletas: 50 (25 no masculino e 25 no feminino)
Brasil: Nicole Silveira no feminino

O skeleton é um dos três esportes de trenó presente nos Jogos Olímpicos de Inverno. Diferente do luge e do bobsled, o skeleton é disputado apenas individualmente. Os atletas descem a pista deitados de barriga para baixo no trenó e o controlam através de movimentos dos ombros e das pernas.

O esporte surgiu na Suíça no final do século XIX, quando soldados ingleses construíram uma pista de tobogã entre as cidades de Davos e Klosters. Diferente de outras pistas que já existiam na época, esta era repleta de curvas sinuosas, fazendo a pilotagem mais difícil.

Em 1892, um inglês chamado Mr. Child criou um novo tipo de trenó para usar na pista suíça. Todo feito de metal, o trenó foi apelidado de skeleton (esqueleto em inglês), dando nome ao esporte.

Atleta desce pista de gelo em trenó antigo. Foto em preto e branco
Atleta desconhecido compete no skeleton na Olimpíada de 1928 - Foto: Bundesarchiv
O esporte fez sua estreia na Olimpíada de Inverno nos Jogos de Saint. Moritz 1928, voltando 20 anos depois, novamente na cidade suíça. A modalidade só foi voltar novamente ao programa olímpico nos Jogos de Salt Lake City, sendo disputado em todas as edições seguintes.

COMO É A DISPUTA?

Em Pequim 2022 serão disputados apenas dois eventos: o individual masculino e o feminino. Os atletas fazem quatro descidas na pista com a soma dos tempos sendo utilizada para determinar os medalhistas.

Foto da pista olímpica de Yanqing com neve nas proximidades
Pista olímpica de Yanqing - Foto: Divulgação/IBSF
Os 25 atletas participam nas primeiras descidas, com apenas os 20 mais rápidos participando da descida final que decide os medalhistas olímpicos.




O BRASIL NO SKELETON

As atividades do Brasil no skeleton começaram no final da década de 1990, após a fundação da Associação Brasileira de Bobsled, Skeleton e Luge (ABBSL), que deu origem a atual Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG). O primeiro brasileiro a treinar na modalidade foi Leandro Fracasso em 1999. 

Emílio Strapsson foi o primeiro atleta do Brasil a participar de competições oficiais, quando disputou uma etapa da Copa América da modalidade em 2003. Ele competiu por mais de dez anos na modalidade e foi o primeiro brasileiro a disputar um mundial, ficando em 30º lugar em 2011. 

Emilio Strapasson posa para foto segurando um capacete amarelo
Emilio Strapasson - Foto: Divulgação/CBDG
Em 2016, o Brasil teve pela primeira vez representantes no skeleton nos Jogos Olímpicos da Juventude: Robert Barbosa e Laura Amaro (hoje atleta do levantamento de pesos e vice-campeã mundial no arranco) e em 2020 com Lucas Carvalho e Larissa Cândido.

Neste ciclo olímpico, tivemos nossos melhores resultados na modalidade com Nicole Silveira. A gaúcha que mora no Canadá começou a competir no skeleton em 2018 e desde então segue crescendo na elite do esporte. Em 2021, Nicole ficou em 17º lugar no Campeonato Mundial, venceu a Copa América do Norte e conseguiu seu primeiro top-10 em uma etapa da Copa do Mundo. A expectativa é que ela tenha o melhor resultado do Brasil em Pequim 2022.

Nicole Silveira olha para a câmera e faz sinal de positivo com o polegar
Nicole no Mundial de 2021 - Foto: Vietrus Lacis/IBSF

DESTAQUES

Historicamente, os Estados Unidos têm os melhores resultados no skeleton masculino em Olimpíadas (2 ouros, 2 pratas e 1 bronze) e a Grã-Bretanha no feminino (3 ouros, 1 prata e 2 bronzes). 

Em campeonatos mundiais o cenário é diferente. A Alemanha tem os melhores resultados no feminino, com 10 ouros. Já no masculino o cenário é mais equilibrado, com Letônia (6 ouros), Áustria (5 ouros), Suíça (5 ouros), Canadá (5 ouros) e Alemanha (4 ouros) no topo do quadro de medalhas. Veja abaixo, alguns candidatos ao pódio em Pequim 2022.

Tina Hermann (Alemanha)

Tina Hermann segura um capacete e mostra um dos punhos para a câmera
Tina Hermann após vencer etapa da Copa do Mundo em Altenberg, na Alemanha - Foto: Vietrus Lacis/IBSF
Tetracampeã mundial (incluindo os últimos três mundiais), a alemã é uma das favoritas ao título olímpico em Pequim. Nesta temporada, venceu duas etapas de Copa do Mundo e foi a mais rápida no evento teste realizado em outubro na pista de Yanqing, onde serão disputados os esportes de trenó nos Jogos Olímpicos de Inverno deste ano.

Kimberley Bos (Países Baixos)

Bos posa para foto com a bandeira dos países baixos nas suas costas. Ela segura um troféu de cristal
Kimberley Bos com o troféu de campeã da Copa do Mundo 2021/22 - Foto: Vietrus Lacis/IBSF
Um nome em ascensão nas últimas temporadas é o da neerlandesa Kimberley Bos. Desde 2020 ela tem conseguido pódios em Copas do Mundo, vencendo o título geral da competição em 2021/2022. Bos também ganhou o Campeonato Europeu este ano.

Elena Nikitina (Comitê Olímpico Russo)

Nikitina empurra o trenó na largada de uma prova
Elena Nikitina competindo na pista de Innsbruck, na Áustria - Foto: Vietrus Lacis/IBSF
A russa foi medalhista de bronze nos Jogos de Sochi 2014 e no último Campeonato Mundial em 2021 e foi campeã europeia em 2020 e 2021. Ela é a terceira colocada no ranking mundial nesta temporada, com duas vitórias em etapas de Copa do Mundo.

Martin Dukurs (Letônia)

Martin Dukurs se joga no seu trenó
Dukurs durante etapa de Copa do Mundo em janeiro na Alemanha - Foto: Vietrus Lacis/IBSF

Martin Dukurs é um dos melhores atletas da história do skeleton. Hexacampeão mundial, doze vezes campeão europeu e onze vezes campeão geral da Copa do Mundo, com 90 medalhas, sendo 61 de ouros no principal circuito internacional da modalidade. O que ainda falta para o letão é o ouro olímpico. Ele foi prata em 2010 e 2014 e terminou em quarto lugar em 2018. Será que a medalha dourada vem em Pequim?

Aleksandr Tretyakov (Comitê Olímpico Russo)

Tretyakov posa para foto mostrando seus bícepes
Tretyakov após vencer etapa de Copa do Mundo em dezembro de 2021 - Foto: Vietrus Lacis/IBSF
Ouro em Sochi 2014, campeão mundial em 2013 e campeão geral da Copa do Mundo em 2019, Aleksandr Tretyakov é o atual vice-campeão do mundo no skeleton. O russo chega em Pequim com duas vitórias em Copa do Mundo na temporada 2021-22.

Christopher Grotheer (Alemanha)

Grotheer freia o trenó enquanto comemora ao mesmo tempo
Grotheer comemora após vencer o Mundial de 2021 - Foto: Vietrus Lacis/IBSF
O alemão Christopher Grotheer venceu os últimos dois mundiais e teve bons resultados na temporada olímpica. Ele é o terceiro colocado na classificação geral da Copa do Mundo, subindo ao pódio em seis das oito etapas deste ano.

CALENDÁRIO

09/02 às 22h30 - descidas 1 e 2 do masculino
10/02 às 22h30 -  descidas 1 e 2 do feminino
11/02 às 09h20 - descidas 3 e 4 do masculino
12/02 às 09h20 - descidas 3 e 4 do feminino

*Todas as competições estão no horário de Brasília

Postar um comentário

To Top