Bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva é o primeiro homenageado de 2022 da coleção 'Grandes Ídolos do Esporte'

Adhemar Ferreira da Silva em moedas

Bicampeão olímpico no salto triplo (Jogos de Helsinque-1952 e Melbourne-1956), Adhemar Ferreira da Silva é o primeiro homenageado da classe 2022 da coleção 'Grandes Ídolos do Esporte', iniciativa da Memorabília do Esporte em parceria com a Casa da Moeda do Brasil. Três vezes medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos (1951-1955-1959) e cinco vezes recordista mundial na prova, o paulista, que completaria 95 anos em setembro, será lembrado em séries limitadas e exclusivas de medalhas lançadas nesta segunda-feira, dia 10, com peças em prata, bronze dourado, bronze e cuproníquel, o primeiro ídolo do esporte nacional homenageado em 2022 (e o décimo da coleção). 

As medalhas já estão à venda pelos sites do Clube da Medalha e da Memorabília do Esporte.

- Meu pai, Adhemar Ferreira da Silva, se sentiria muito feliz e honrado em fazer parte desse projeto conjunto da Casa da Moeda e da Memorabília do Esporte. Ele está muito bem acompanhado, sem sombra de dúvidas, nessa coleção que reúne brasileiros que representaram de forma brilhante o Brasil internacionalmente – afirmou Adyel Silva, filha do triplista brasileiro.

Considerado por muitos como o maior nome do esporte olímpico brasileiro, Adhemar dá nome à honraria mais importante do Prêmio Brasil Olímpico, promovido anualmente pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), e foi o primeiro atleta da história a superar a marca de 16 metros no salto triplo. Ídolo de São Paulo* e Vasco da Gama, o 'Canguru Brasileiro' participou de quatro Olimpíadas (Londres-1948, Helsinque-1952, Melbourne-1956 e Roma-1960) e tem uma carreira marcada pelos mais de 50 títulos nacionais e internacionais.

Além das duas medalhas de ouro, outros dois fatos marcaram a história olímpica de Adhemar: foi ele quem inventou a volta olímpica em 1952 (quando correu pela pista saudando o público após a conquista), além de ter sido o porta-bandeira da delegação brasileira em sua despedida, nos Jogos da Itália.

* as duas estrelas douradas do uniforme do São Paulo Futebol Clube são em homenagem ao bicampeonato olímpico de Adhemar

A classe de 2022 já tem outros nomes confirmados: além de Adhemar, a iniciativa presta tributos à 'Magic' Paula (vice-campeã olímpica / basquete), Maria Lenk (recordista mundial / natação), Arthur Zanetti (campeão olímpico / ginástica artística), Maurren Maggi (campeã olímpica / atletismo) e Giovane Gávio (bicampeão olímpico / vôlei). Todas as séries possuem medalhas em prata, bronze dourado, bronze e cuproníquel. A coleção 'Grandes Ídolos do Esporte' já homenageou Robert Scheidt, Maria Esther Bueno, Rodrigo Pessoa, Jackie Silva / Sandra Pires, Daniel Dias, Hortência, Cesar Cielo e Daiane dos Santos.

Produzidas pela Casa da Moeda do Brasil e cunhadas com acabamento especial 'proof', as medalhas de prata (+ 31g), bronze dourado (+ 24g) e bronze (+ 24g) possuem diâmetro de 40mm, enquanto a linha de cuproníquel tem 30mm. As séries de 40mm possuem fundo espelhado, com tiragens limitadas e numeradas, e certificados de autenticidade da CMB, além do estojo da peça. As unidades em cuproníquel são comercializadas acompanhadas de um cartão exclusivo da coleção.

Casa da Moeda do Brasil e Memorabília do Esporte se uniram com o objetivo de resgatar memórias e exaltar trajetórias de ícones da história. A coleção 'Grandes Ídolos do Esporte' terá novos nomes ano a ano, exaltando feitos e efemérides, prestando tributos aos maiores nomes do esporte brasileiro.

Foto: Divulgação/MBE

Postar um comentário

To Top