De olho em Santiago 2023, mesatenistas brasileiros iniciam a participação nos Jogos Pan-Americanos Júnior nesta terça


Os brasileiros terão a oportunidade de acompanhar nossos mesa-tenistas em mais um evento multiesportivo. Em um ano com Jogos Olímpicos e Paralímpicos, chegou a vez de ver as competições da modalidade nos Jogos Pan-Americanos Júnior, torneio sub-21 que acontece pela primeira vez na História. 

Em Cali, na Colômbia, o Brasil vai ser defendido por Giulia Takahashi, Laura Watanabe, Diogo Silva e Rafael Turrini. O tênis de mesa começa a ser disputado nesta terça-feira (30) e segue até 5 de dezembro. E a competição tem um grande atrativo: o campeão da cada naipe garante vaga nos Jogos Pan-Americanos de Santiago 2023.

O grupo participou de um período de treinamentos em Vila Nova de Gaia, Região Metropolitana do Porto, em Portugal. Dos quatro representantes do Brasil, três deles estiveram em competições do Circuito Mundial de Jovens, no final de outubro e início de novembro. Giulia, Laura e Diogo foram ao Leste Europeu, onde disputaram os WTT Youth Contender, em Senec (Eslováquia) e Szombathely (Hungria).

Na Europa, Giulia conseguiu conquistar a medalha de bronze no sub-17 do torneio eslovaco. Agora, prestes a começar um novo desafio, a brasileira só pensa em entregar o máximo à mesa e buscar um novo pódio para o tênis de mesa do país.

“Acho que é uma competição muito importante, mas difícil também, pois tem jogadoras mais velhas e experientes. Vai ser um desafio muito grande, mas estou preparada para isso. Vou com o desejo de dar o meu melhor e possivelmente trazer uma medalha para o Brasil”, disse a atleta.

Diogo Silva enalteceu a oportunidade que está tendo de participar dos primeiros Jogos Pan-Americanos Júnior da história e acredita que um título em Cali seria um diferencial para o seu currículo de atleta.

“É incrível participar desta competição, porque o sistema que eles utilizam é parecido com o sistema olímpico e por ser a primeira edição da História. Fiz uma preparação muito boa, fiquei quase um mês treinando e competindo fora do país e, por isso, estou me sentindo preparado. Estou bem mental e fisicamente”, garantiu o brasileiro.

“Representa muito, pois se eu consigo trazer um título deste nível, vai ser algo muito importante para a minha carreira. Estou muito feliz de estar aqui tendo a oportunidade de competir. Vou aproveitar ao máximo”, completou.

Os técnicos Jorge Fanck e Hideo Yamamoto vão acompanhar os quatro atletas da Seleção Brasileira. Assim como Giulia, Yamamoto avalia o campeonato como difícil, mas garante que a intenção é que os nossos representantes lutem por pódios.

“Vai ser um campeonato difícil e desafiador, mas sempre que o Brasil vai para campeonatos pan-americanos é para lutar por medalha e é em cima disso que a gente trabalha. A competição ainda é uma incógnita por ser a primeira da História, mas olhando pela lista de inscrição dos atletas deu para perceber que os países estão indo com força máxima e estão dando muita importância para o torneio, assim como nós”, analisou Yamamoto.

Em Cali, os brasileiros vão ter disputas individuais, de duplas e por equipes no ginásio Coliseo Ramón Elías Lopez, onde encontrarão a concorrência de atletas de 21 países, dentre eles, os cabeças de chave Jeremy Hazin, do Canadá, no masculino, e Clio Barcenas, do México, no feminino.

Os três primeiros dias estão reservados para os torneios de simples e de parcerias, enquanto os últimos, para as equipes.

Foto: Arquivo Pessoal/jorge Fanck

0 Comentários