Yeltsin Jacques vence os 1.500m T11 e fatura 100ª medalha de ouro do Brasil em Paralimpíadas - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Yeltsin Jacques vence os 1.500m T11 e fatura 100ª medalha de ouro do Brasil em Paralimpíadas

Compartilhe

 

Cem vezes Brasil! Yeltsin Jacques conquistou nesta segunda-feira (30) a centésima medalha de ouro do Brasil em Jogos Paralímpicos. Com uma prova agressiva, o sul-mato-grossense, tendo como guia Carlos Antonio dos Santos, o Bira, venceu a prova dos 1.500m T11, marcando o tempo de 3:57.60, com direito a recorde mundial.

Yeltsin fez uma prova espetacular e dominou de ponta a ponta. Ele atacou logo no começo e deixou seus concorrentes para trás, aumentando a vantagem a cada volta. Ao final, ele terminou com quase oito segundos de vantagem sobre o segundo colocado, o japonês Wada Shinya, que foi prata. Fedor Rudakov, do Comitê Paralímpico Russo, ficou com o bronze.

Aos 29 anos, o natural de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, entra para a história ao faturar a centésima medalha dourada do Brasil. Ele ainda contribuiu em dose dupla para esta conta: além dos 1.500m, Yeltsin já havia sido ouro nos 5.000m em Tóquio-2020, sendo a primeira medalha dourada do atletismo brasileiro nesta edição paralímpica, logo no primeiro dia.

"Hoje de manhã o Bira me falou isso e me deu motivação. Ele falou: 'A gente tem chance de fazer história mais uma vez. O centésimo ouro do Brasil na história da Paralimpíada'. Eu trabalho para duas coisas: a primeira para subir o Brasil no quadro de medalhas e a segunda é pra construir essa história. Graças a Deus deu tudo certo", disse Yeltsin em suas primeiras palavras após o título, ao canal SporTV.

Tratando-se apenas da Paralimpíada de Tóquio, a medalha de Yeltsin tem um outro sabor a mais: o Brasil agora tem 13 ouros e ultrapassa a Ucrânia no quadro geral de medalhas, assumindo a quinta colocação, ainda que de forma momentânea. Além das medalhas douradas, o país tem 8 pratas e 15 bronzes, totalizando 36 pódios.

Ainda na entrevista ao SporTV após prova, Bira, o guia de Yeltsin, afirmou que abaixou o ritmo da corrida ao final da prova para que a marca do novo recorde mundial não fosse ainda melhor. "Eu segurei o garoto, pela experiência de guia. Não pode quebrar um recorde tão baixo, porque depois fica complicado (pra bater quebrar de novo)", brincou o atleta-guia.

Foto de capa: Miriam Jeske/CPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário