Com gol olímpico, EUA vence Austrália por 4 a 3 e leva o bronze no futebol feminino - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Com gol olímpico, EUA vence Austrália por 4 a 3 e leva o bronze no futebol feminino

Compartilhe

Os Estados Unidos conquistaram nesta quinta (5), o bronze no futebol feminino após derrotar a Austrália por 4 a 3 em Kashima. O jogo foi equilibrado e teve uma grande atuação de Rapinoe, que fez dois gols, um deles olímpico. 


Esse jogo também marcou a despedida de Carli Lloyd dos gramados. A atacante havia anunciado em 2020, que iria se aposentar após os Jogos de Tóquio. A partida entrou para a história como a disputa de bronze com mais gols desde a entrada da categoria feminina em Atlanta-1996.


Aos sete minutos do primeiro tempo, Rapinoe cobrou escanteio fechado e a bola acabou passando por todo mundo, marcando o único gol olímpico do torneio até aqui. Dez minutos depois, Foord viu Kerr entrando na área e tocou para a atacante empatar o jogo.


A igualdade não durou muito. A zagueira australiana Kennedy afastou mal a bola e Rapinoe chutou de voleio no alto, marcando mais um golaço. As norte-americanas ampliaram pouco antes do intervalo com Lloyd acertando o canto do gol australiano após roubada de bola de Horan.


Logo no começo do segundo tempo Kennedy cometeu mais um erro, desta vez, ela cabeceou a bola pra trás, tocando a bola pra trás  pra Lloyd, que chutou entre as pernas da goleira. Mais tarde, foi a vez dos EUA errar a saída de bola e deixar Simon cruzar na área para Foord escorar.

 

Aos 44 minutos, Gielnik deu esperanças de empate a Austrália ao arrancar do meio de campo até próxima da meia lua, de onde chutou e fez um golaço. As Matildas ainda tiveram mais um ataque, porém desperdiçaram a chance. 


Logo após o apito final, as norte-americanas comemoraram muito o bronze e Carli Lloyd pode fechar sua carreira com chave de ouro, alcançando a marca de dez gols em Jogos Olímpicos, o que a tornou a maior artilheira da seleção estadunidense no evento.


Foto em destaque: Grace Hollars/ USA Today



Nenhum comentário:

Postar um comentário