Guia Tóquio 2020: Tiro Esportivo - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Guia Tóquio 2020: Tiro Esportivo

Compartilhe

FICHA TÉCNICA
Local de competição: Asaka Shooting Range
Data dos eventos: De 24 de julho a 2 de agosto
Número de países participantes: 98
Atletas participantes: 447 (239 mulheres e 208 homens)

HISTÓRICO
As primeiras competições de tiro ao alvo surgiram no século XVII, com o início da fabricação de armamento pessoal. Com o tempo, a tecnologia usada para aprimorar armas que seriam usadas em guerras, também chegou nos equipamentos esportivos. Além da contribuição dos militares, o desenvolvimento da modalidade também passou pelos clubes de caça, que inspiraram, por exemplo, as provas de skeet e fosso.

Nos Jogos Olímpicos, três tipos de armas são utilizadas: pistola, carabina e espingarda. No entanto, há diferentes tipos de provas, distâncias e objetivos. Em Tóquio 2020, serão 15 provas de tiro esportivo e 45 medalhas serão distribuídas. Nesta edição haverá ainda a estreia das provas mistas, realizadas em duplas com uma mulher e um homem. De quebra, essa será a primeira vez em que a quantidade de provas será dividida de forma igualitária.

A maior potência olímpica do tiro esportivo são os Estados Unidos, com 110 pódios e 54 títulos. Antes o país rivalizava com a União Soviética (URSS), até a sua dissolução. Depois disso, China, Itália e Alemanha surgiram com um pouco mais de força no cenário internacional.

Campeão olímpico pela antiga URSS (Moscou 1980) e prata pela Letônia (Barcelona 1992) Afanasijs Kuzmins (foto) é o atirador com o maior número de participações em Olimpíadas. Foram nove presenças (1976, 1980, 1988, 1992, 1996, 2000, 2004, 2008 e 2012), marca que poderia ser ainda maior, caso não houvesse o boicote soviético aos Jogos Olímpicos de Los Angeles 1984.

Foto: Reprodução/Alchetron
BRASIL
As primeiras medalhas olímpicas conquistadas pelo Brasil, vieram exatamente no tiro esportivo. Foram três pódios nos Jogos da Antuérpia, em 1920. O ouro veio com Guilherme Paraense, na prova de tiro de 30m com pistola militar. A pontuação máxima da competição era 300, e o brasileiro conseguiu chegar na marca de 274 pontos, dois a mais que o medalhista de prata, o estadunidense Raymond Bracken.

A prata foi conquistada por Afrânio da Costa, na pistola masculina de 50 metros, após marcar 489 pontos de 600 possíveis, ficando atrás apenas do estadunidense Karl Frederick, que fez 496 pontos.

Já o bronze, foi obtido na prova de pistola 50 metros por equipes, onde o time brasileiro formado por Guilherme Paraense, Afrânio da Costa, Sebastião Wolff, Dario Barbosa e Fernando Soledade ficou atrás apenas dos Estados Unidos e da Suécia.

Foto: Pascal Guyot/AFP
O Brasil só voltou ao pódio olímpico no tiro esportivo, 96 anos após os grandes feitos alcançados na Bélgica. E foi em grande estilo e em casa. Com o apoio do público nos Jogos Rio 2016, Felipe Wu conquistou a prata na prova de pistola de ar 10m. Em Tóquio 2020, Wu será o único representante brasileiro na modalidade (pistola de ar 10m). 


FORMATO DE DISPUTA
Todas as provas de tiro esportivo em ambiente fechado (pistola de ar 10m, pistola 25m, carabina de ar 10m, carabina de ar 50m três posições) serão feitas em duas etapas: qualificação e finais. Os oito melhores atiradores no qualificatório avançam à final. Na decisão, eles enfrentarão cortes (a cada uma ou duas rodadas, varia de acordo com a prova), fazendo que no último alvo, reste apenas dois competidores disputando o ouro.

Já as provas realizadas ao ar livre (skeet e trap) contam com uma rodada de classificação, semifinal, disputa pelo bronze e final. Tanto nas disputas ao ar livre, como nas em ambiente fechado, o objetivo é o mesmo: marcar o maior número de pontos, seja acertando o mais próximo possível do meio dos alvos, ou atingindo a maior quantidade de alvos.

ANÁLISE

MASCULINO

PISTOLA DE AR 10M
Eliminatórias: 24/07 às 01h
Final: 24/07 às 03h30

Candidatos ao ouro: - 
Candidatos ao pódio: Javad Foroughi (IRN), Saurabh Chaudhary (IND), Abhishek Verma (IND), Damir Mikec (SBR), Artem Chernousov (ROC), Jin Jong-oh (KOR) e Felipe Wu (BRA)
Podem surpreender: -
Brasileiros: Felipe Wu

Única prova que conta com a participação de um brasileiro, a pistola de ar 10m tem sido dominada pela Índia, se levarmos em consideração a consistência de resultados dos atletas nos últimos anos. Saurabh Chaudhary e Abhishek Verma ocupam a segunda e terceira colocação no ranking mundial respectivamente.

O evento ainda contará com a participação do vietnamita Hoang Xuan Vinh (foto), atual campeão olímpico, o chinês Pang Wei, bronze no Rio 2016 e ouro em Pequim 2008, além do atual campeão mundial (2018), o sul-coreano Jin Jong-oh.
Foto: TL
Atual número 1 do mundo, o iraniano Javad Foroughi também é um dos candidatos ao pódio. Já o brasileiro Felipe Wu, prata no Rio 2016, corre por fora, após conseguir uma vaga olímpica de última hora, graças ao ranking mundial. Seu grande resultado nesta corrida pela classificação foi o quarto lugar conquistado na etapa de Nova Délhi da Copa do Mundo, que lhe fez escalar 69 posições no ranking.

PISTOLA RÁPIDA 25M
Eliminatórias: 31/07 e 01/08 às 20h30
Final: 02/08 às 02h30

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatos ao pódio: Jean Quiquampix (FRA), Peeter Olesk (EST), Lin Junmin (CHN), Lee Yuehong (CHN) e Christian Reitz (GER)
Podem surpreender: -
Brasileiros: Não tem

Sem a presença do jovem Oskar Milewek, atual número 1 do mundo, o evento ficará aberto entre nomes já conhecidos da modalidade. Lin Junmin e Jean Quiquampix, que formaram parte do pódio no Campeonato Mundial de 2018, por exemplo, estão com vaga garantida.

Além disso, o alemão Christian Reitz, ouro no Rio 2016 e bronze em Pequim 2008, também estará na competição e tentará defender seu título.

CARABINA DE AR 10M
Eliminatórias: 25/07 às 01h
Final: 25/07 às 03h30

Candidatos ao ouro: 
Candidatos ao pódio: Istvan Peni (HUN), Zalan Pekler (HUN), Sergey Rithter (ISR), Sergey Kamenskiy (ROC) e Serhiy Kulish (UCR)
Podem surpreender: -
Brasileiros: Não tem

Sem a presença do atual campeão olímpico, o italiano Niccolo Campriani, outros competidores surgem como favoritos ao pódio e até mesmo ao ouro. Um desses atletas é o jovem atirador húngaro Istvan Peni, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude Nanquim 2014 e atual número 1 do mundo.
Peni tem um ouro por equipes nos Jogos Olímpicos da Juventude. Foto: Reprodução/Oasport
Dono do título mundial em 2018, o russo Sergey Kamenskiy também está no páreo, mas chega em baixa, por ocupar apenas a 23ª colocação no ranking da Federação Internacional de Tiro Esportivo (ISSF), atrás até mesmo de outro atirador russo, Vladmir Maslennikov.

CARABINA 50M TRÊS POSIÇÕES
Eliminatórias: 01/08 às 23h30
Final: 02/08 às 04h50

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatos ao pódio: Aishwary Tomar (IND), Serhiy Kulish (UCR), Sergey Kamenskiy (ROC), Tomasz Bartnik (POL), Petar Gorsa (CRO) e Istvan Peni (HUN)
Podem surpreender: -
Brasileiros: Não tem

Outra modalidade muito aberta no tiro esportivo, que não terá o já aposentado e bicampeão olímpico Niccolo Campriani. O líder do ranking mundial é o indiano Aishwary Tomar, campeão da etapa de Nova Délhi da Copa do Mundo em 2021.

Em baixa, o campeão mundial de 2018, Tomasz Bartnik, chega ao torneio olímpico ocupando apenas a 24ª colocação no ranking mundial. Já o russo Sergey Kamenskiy, que não está em boa fase na carabina com ar 10m, vive ótimo momento nos 50m três posições. Ele é o quarto melhor do mundo e vem de prata olímpica no Rio 2016.

SKEET
Eliminatórias: 24/07 às 21h30 e 25/07 às 22h
Final: 26/07 às 3h50

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatos ao ouro: Vincent Hancock (USA), Jesper Hansen (DEN) e Gabriele Rossetti (ITA)
Candidatos ao pódio: Tammaro Cassandro (ITA), Gil Federico (ARG) e Azmy Mehelba (EGY)
Podem surpreender: -
Brasileiros: Não tem

Tentando apagar a decepção do Rio 2016, Vincent Hancock chega mais uma vez como candidato ao pódio. Bicampeão olímpico do skeet (Pequim 2008 e Londres 2012), o estadunidense foi campeão mundial em 2018, mas ocupa apenas a 18ª posição no ranking da ISSF.
Hancock ficou apenas em 15º no Rio 2016. Foto: Tim Hipps/US Army
Dessa vez, nomes como Jesper Hansen, atual número 1 do mundo e o experiente Daniele Rossetti, ouro no Rio 2016 e campeão mundial de 2017, chegam para combater uma possível retomada do domínio de Hancock.

TRAP
Eliminatórias: 27/07 às 21h25 e 28/07 às 21h50
Final: 29/07 às 3h30

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatos ao pódio: Alberto Fernandez (ESP), Josip Glasnovic (CRO), Mauro De Filippis (ITA), Matthew Coward-Holley (GBR), Erik Varga (SVK) e Abdulrahman Al-Faihan (KUW)
Podem surpreender: -
Brasileiros: Não tem

Sem a presença do experiente Giovanni Pellielo, dono de três pratas e um bronze em Jogos Olímpicos, o favoritismo na prova é automaticamente transferido para o atual número 1 do mundo e campeão mundial de 2018, Alberto Fernandez. Mas o espanhol ainda conta com muitos concorrentes.

Entre eles está o atual campeão olímpico, o croata Josip Glasnovic, que apesar de não viver uma boa fase (é apenas o 43º no ranking mundial), ainda pode ser protagonista de grandes conquistas. Na briga também está o campeão mundial de 2019, Matthew Coward-Holley, seguido do vice-campeão, Mauro De Fillipis.

É importante também ficar de olho no desempenho do eslovaco Erik Varga, campeão mundial em 2014 e 2015 e vice em 2018.

FEMININO

PISTOLA DE AR 10M
Eliminatórias: 24/07 às 21h
Final: 24/07 às 23h15

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Yashaswini Singh Deswal (IND), Manu Bhaker (IND), Viktoria Chaika (BLR), Anna Korakaki (GRE), Vitalina Batsarashina (ROC)
Podem surpreender: -
Brasileiras: Não tem

Apesar de ainda não ter resultados de enorme expressão (mundial ou olímpico) a prova tem sido dominada pelas indianas em eventos da ISSF. Yashaswini Singh Deswal e Manu Bhaker são respectivamente número 1 e 2, e sonham com uma possível dobradinha em Tóquio 2020.

Deswal (frente) e Bhaker (atrás), em competição pela Índia. Foto: Reprodução/Twitter
No entanto, elas terão adversárias de alto calibre nessa disputa, como a atual campeã mundial Anna Korakaki (23ª no ranking) e bronze no Rio 2016.

Além disso, quem também pode chegar com moral em Tóquio é a experiente atiradora de Belarus, Viktoria Chaika, campeã mundial há 23 anos, mas que ainda continua na ativa e é atualmente a terceira colocada no ranking da ISSF.

PISTOLA 25M
Eliminatórias: 28/07 e  29/07 às 21h
Final: 30/07 às 02h50

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Manu Bhaker (IND), Rahi Sarnobat (IND), Anna Korakaki (GRE), Monika Karsch (GER) e Vitalina Batsarashina (ROC)
Podem surpreender: -
Brasileiras: Não tem

Você deve estar se perguntando "mas não mudou quase nada das favoritas da pistola de 10m para a de 25m”. Exatamente, segue o domínio das indianas, que contam com Rahi Sarnobat como número 1 do mundo, seguida por Manu Bhaker, segunda melhor colocada também nos 25m.

No caso de Anna Korakaki, inverte-se a condecoração. Ao invés de ser ouro no Mundial, a grega é a atual campeã olímpica. Mas mesmo com essas três fortes atletas, é importante observar ainda a alemã Monika Karsch, prata no Rio 2016.

CARABINA DE AR 10M
Eliminatórias: 23/07 às 20h30
Final: 23/07 às 22h45

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Mary Carolynn Tucker (USA), Alison Marie Weisz (USA), Eszter Meszaros (HUN) e Ziva Dvorsak (SLO)
Podem surpreender: -
Brasileiras: Não tem

Sem algumas de suas principais adversárias, o favoritismo se concentra na atual número 1 do mundo, Mary Carollyn Tucker, que venceu a etapa de Nova Délhi da Copa do Mundo ISSF.

Mas a jovem de 19 anos ainda não foi testada em competições tão grandes como os Jogos Olímpicos e pode acabar sentindo a pressão. Com isso, a eslovena Ziva Dvorsak (número 3 do mundo) aparece como principal candidata a bater Tucker em Tóquio 2020.

CARABINA 50M TRÊS POSIÇÕES
Eliminatórias: 31/07 às 0h
Final: 31/07 às 04h

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Nina Christen (SUI), Ziva Dvorsak (SLO), Yulia Zykova (ROC), Yulia Karimova (ROC), Aneta Stankiewicz (POL) e Mary Carolynn Tucker (USA)
Podem surpreender: -
Brasileiras: Não tem

O Comitê Olímpico Russo chega muito forte para esta prova. Conta com a campeã mundial de 2018, Yulia Karimova, quarta colocada no ranking ISSF e Yulia Zykova, terceira melhor atiradora nesta disciplina, atualmente.

Mas a líder do ranking mundial, Nina Christen (foto) também está de olho no pódio e numa possível disputa pela medalha de ouro, que seria seu primeiro grande título na carreira.

Foto: Federação Suíça de Tiro Esportivo
Favoritas na carabina de ar 10m, Mary Carolynn Tucker e Ziva Dvorsak também podem aparecer no pódio da carabina 50m três posições.

SKEET
Eliminatórias: 24/07 e 25/07  às 21h
Final: 26/07 às 2h50

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao ouro: Diana Bacosi (ITA), Chiara Cainero (ITA) e Amber Hill (GBR) Candidatas ao pódio: Danka Bartekova (SVK) e Zilia Bartyrshina (ROC)
Podem surpreender: -
Brasileiras: Não tem

Atual campeã mundial e olímpica, a italiana Diana Bacosi é a mulher a ser batida no skeet em Tóquio 2020. Apesar de chegar como 16ª colocada no ranking mundial, seus resultados em grandes eventos a credenciam para quem sabe faturar um segundo ouro olímpico.

Mas sua principal adversária, a britânica Amber Hill, busca seu primeiro grande título na carreira. Líder do ranking mundial, ela surgiu nos Jogos Europeus de 2015, aos 17 anos, ao ganhar a medalha de ouro na competição, batendo a própria Bacosi na final, por um ponto.

Quem também entra na briga pelo ouro é a italiana Chiara Cainero, ouro em Pequim 2008 e prata no Rio 2016.

TRAP
Eliminatórias: 27/07 e 28/07 às 21h
Final: 29/07 às 02h30

Candidatas ao ouro: Fatima Galvez (ESP) e Jessica Rossi (ITA),
Candidatas ao pódio: Zuzana Stefecekova (SVK) e Wang Xiaojing (CHN)
Podem surpreender: -
Brasileiras: Não tem

Após perder no detalhe a disputa da medalha de bronze no Rio 2016, Fatima Galvez (foto) chega com favoritismo em Tóquio 2020. A espanhola é a atual número 1 do mundo e tem em seu currículo o título mundial de 2015, além do vice em 2014, o que demonstra a manutenção de seu auge.

Foto: ABC
Mas sua principal rival pelo ouro também tem muita experiência e uma medalha olímpica: Jessica Rossi, campeã mundial em 2017 e medalhista de ouro em Londres 2012. No entanto, a italiana precisará superar a queda na semifinal nos Jogos do Rio de Janeiro, para tentar o segundo ouro no megaevento poliesportivo.

Prata em Pequim 2008 e Londres 2012, Zuzana Stefecekova ainda tem forças para surpreender e pode arrumar um lugar no pódio em Tóquio 2020. Ela é a atual campeã mundial no trap (2018).

MISTAS

PISTOLA DE AR 10M
Eliminatórias: 26/07 às 21h
Final: 26/07 às 23h35

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Índia (2x), Comitê Olímpico Russo, Alemanha e Sérvia
Podem surpreender: -
Brasil: Não classificou

Com duas integrantes do top-3 feminino (Yashaswini Singh Deswal e Manu Bhaker) e dois no top-3 masculino (Saurabh Chaudhary e Abhishek Verma), a Índia chega muito forte para a competição mista de pistola.

O time que talvez ainda possa bater de frente com os indianos em Tóquio 2020 é o do Comitê Olímpico Russo, que conta com Artem Chershunov e Vitalina Batsarashkina. A parceria alemã também pode brigar por pódio, contando com a possível participação de Christian Reitz e Monika Karsch.

CARABINA DE AR 10M
Eliminatórias: 27/07 às 01h15
Final: 27/07 às 03h50

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Estados Unidos, Hungria e Comitê Olímpico Russo
Podem surpreender: -
Brasil: Não classificou

Estadunidenses e húngaros devem roubar o protagonismo nesta prova mista. William Shaner e Mary Carolynn Tucker podem formar uma forte parceria para defender os Estados Unidos, enquanto Istvan Peni e Eszter Meszaros chegariam para acirrar esta disputa.

Correndo um pouco por fora, ainda há o time russo, que já está confirmado com Vladmir Maslennikov (5º) e Anastasia Galashina (60ª).

TRAP
Eliminatórias: 30/07 às 21h
Final: 31/07 às 02h

Favoritos ao ouro:  - 
Candidatas ao pódio: Itália, Comitê Olímpico Russo, Eslováquia e Alemanha
Podem surpreender: -
Brasil: Não classificou

A dupla mista italiana de trap chega com certo favoritismo aos Jogos Olímpicos de Tóquio, após ganhar a medalha de ouro na etapa de Osijek da Copa do Mundo ISSF. Jessica Rossi e Mauro De Filippis bateram a parceria entre Daria Semianova e Alexei Alipov (que deverá fazer dupla com Ekaterina Rabaya na Olimpíada).

Outra forte dupla é formada por Zuzana Stefecekova e Erik Varga, da Eslováquia. No entanto, até o momento da publicação deste guia, ainda não foi divulgada a lista final de participantes desta competição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário