Guia Tóquio 2020: Nado Artístico - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Guia Tóquio 2020: Nado Artístico

Compartilhe
Como funciona o nado artístico em Olimpíadas

FICHA TÉCNICA
Local de disputa: Tokyo Aquatics Centre
Período: 2/8 a 7/8
Número de países participantes: 22
Total de atletas: 104
Brasil: Nenhum atleta se classificou

HISTÓRICO
O nado artístico surgiu no final da década de 1910, em Berlim, na Alemanha, com o nome de balé na água. A modalidade também se desenvolveu no Canadá, além de estar nos teatros britânicos, equipados com tanques d’agua.

Na Olimpíada de Helsinque 1952, Kay Curtis, a pioneira no balé na água, esteve presente na Finlândia, onde realizou uma demonstração.

A modalidade, entretanto, só entrou no programa olímpico apenas nos Jogos de 1984, realizados em Los Angeles, com provas no dueto e no solo. Em Atlanta 1996, os dois foram excluídos e foi incluída a competição por equipes, mas em Sidney 2000 o dueto retornou ao programa.

Nado sincronizado ou nado artístico
Tracie Ruiz e Candy Costie (USA) campeãs olímpicas do dueto em 1984 - Foto: Dom. Público
A mudança de nome do nado sincronizado para artístico veio em 2017, após o Rio 2016. De acordo com a FINA (Federação Internacional de Natação), a mudança foi para tornar popular a modalidade e alinhar com outros esportes, como a ginástica artística. 

BRASIL
Na primeira Olimpíada em que o nado artístico esteve presente – Los Angeles (1984) – o Brasil foi representado pelas atletas e irmãs Paula e Tessa Carvalho. Depois disso, diversos nomes famosos que já fizeram parte da seleção brasileira, com Beatriz e Branca Feres e Isabela e Carolina de Moraes.

Como é o Nado Artístico na Olimpíada
Equipe do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro - Foto: Rafael Brais/Rio 2016
Para Tóquio 2020, o Brasil tentou classificar apenas o dueto, com Laura Micucci e Luísa Borges. No entanto, a dupla terminou apenas no 12º lugar no Pré-Olímpico Mundial, realizado na Espanha, e não conseguiu a vaga para o Japão.

Essa será apenas a segunda vez na história que o Brasil estará ausente da modalidade em Jogos Olímpicos. A primeira aconteceu em Atlanta-1996.


FORMATO DE DISPUTA
Na prova por equipes, os dez países se apresentam na rotina técnica e na rotina livre. Somam-se as duas notas e o ouro vai para quem obtiver mais pontos. Já na prova de duetos, 22 países disputam a fase preliminar, com a rotina livre e técnica. Os 12 países que obtiverem mais pontos na soma das duas, vão disputar a final, que consiste apenas em repetir a rotina livre, cuja pontuação será adicionada à pontuação da fase preliminar e quem somar mais pontos, leva a medalha de ouro.

As atletas recebem notas de 0 a 10 em três quesitos diferentes, de cinco jurados, com a maior e a menor nota descartadas. Na rotina livre são: execução (habilidade e sincronização das nadadoras), impressão artística (coreografia e criatividade da série) e dificuldade (a dificuldade dos elementos da apresentação). Cada categoria tem um peso, com a impressão artística representando 40% da nota e a execução e a dificuldade 30%. A nota máxima é 100.00

Na rotina técnica os quesitos são: execução, impressão e elementos. Execução e impressão valem 30% cada na nota final. Já os elementos valem 40% da pontuação final, já que são o principal fator da rotina técnica. 

Nado artístico nas Olimpíadas

ANÁLISE

DUETO
Eliminatórias: 02/08 e 03/08
Final: 04/08, às 07h30

Favorito ao ouro: Comitê Olímpico Russo (ROC)
Candidatos a medalha: China (CHN) e Ucrânia (UKR)
Podem surpreender: Japão (JPN) e Áustria (AUT)
Brasil: Não tem

Svetlana Romashina e Svetlana Kolesnichenko, da Rússia, no Europeu de Esportes Aquáticos de 2021
Svetlana Romanshina e Svetlana Kolesnichenko no Europeu 2021 - Foto: Divulgação/LEN
Dominadora nos últimos Jogos Olímpicos e Mundiais, a Rússia ganhou todas as provas do dueto de 2000 até 2016. em Mundiais, não é superada em provas olímpicas desde 2001. Salvo um desastre, as russas - que este ano defenderão a bandeira do Comitê Olímpico Russo (ROC) - deve levar o ouro pela sexta vez seguida. China e Ucrânia foram ao pódio no último mundial e devem brigar pela prata, enquanto Japão (quarto lugar no Mundial de 2019) e Áustria (bronze no europeu 2021 e campeã do pré-olímpico com ótimas notas) podem surpreender.


EQUIPES
Rotina Ténica: 06/08, às 07h30
Rotina Livre (final): 07/08, às 07h30

Favoritos ao ouro: Comitê Olímpico Russo (ROC)
Candidatos a medalha: China (CHN), Japão (JPN) e Ucrânia (UKR)
Pode surpreender: Itália (ITA) e Espanha (ESP)
Brasil: Não tem

Equipe da China no Mundial de 2019 - Foto: VCG Photo
Assim como no dueto, a Rússia é campeã por equipes desde os Jogos de 2000 e no Mundial desde 2001. Ou seja, favorita absoluta para levar mais um ouro. China, Japão e Ucrânia ficaram entre o segundo e o quarto lugar nos últimos dois Campeonatos Mundiais e brigam pelos demais lugares no pódio. Já a Itália e a Espanha podem alcançar um lugar no pódio dependendo de erros das adversárias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário