Guia Tóquio 2020: Beisebol - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Como funciona o beisebol na Olimpíada

FICHA TÉCNICA
Local de disputa: Fukushima Stadium e Yokohama Stadium
Disputa: 28/07 a 07/08
Número de países participantes: 6
Atletas participantes: 144
Brasil: Não se classificou

HISTÓRICO
Criado no final do século 18, o beisebol esteve presente em St.Louis-1904 como parte do programa olímpico. Por 88 anos, o esporte apareceu outras vezes no programa olímpico, mas sempre como demonstração, ou seja, não contava para o quadro de medalhas.

Em Barcelona-1992 e em Atlanta-1996, o beisebol era aberto apenas para amadores até que em 2000 os profissionais foram liberados para disputar. Numa reunião do COI, realizada em 2005, o esporte foi votado para sair do programa após Pequim-2008. Isso não acontecia desde quando o polo foi excluído após Berlim 1936.
Beisebol volta aos Jogos depois de 13 anos foto:WSBC


Com a permissão do COI para que os países-sedes pudessem escolher alguns esportes, Tóquio escolheu o beisebol para fazer parte do programa olímpico. Mas em Paris-2024 ele já não estará presente.


BRASIL
Apesar de já ter disputado torneios de nível mundial, a equipe de beisebol do Brasil nunca conseguiu se classificar para disputar o torneio olímpico da modalidade

O Brasil tentou se qualificar para Tóquio 2020. A seleção disputou a Qualificação para os Jogos Pan-Americanos de 2019, que aconteceu no interior de São Paulo, mas terminou na última colocação, não conseguindo a chance de tentar chegar no pré-olímpico continental com uma das duas vagas distribuídas em Lima.

Quem são os maiores medalhistas do beisebol nas Olimpíadas?

FORMA DE DISPUTA
No beisebol, duas equipes de nove jogadores se enfrentam numa partida de nove turnos. Em cada turno elas se alternam entre defesa e ataque. Uma entrada é encerrada após a eliminação de três jogadores do time que está "atacando".

O principal objetivo dos rebatedores é conquistar um home run, que é quando a bola é rebatida para fora do campo, por um dos dois lados ou pela frente (nunca para trás, pois é uma área inválida). O home run sem jogadores na base, rende um ponto. Com uma base ocupadas, dois pontos e duas bases cheias, três pontos. Caso ocorra um home run com todas as bases ocupadas, o time recebe quatro pontos. 

Quando o home run não é alcançado, o ideal é que a rebatida seja boa o suficiente para que pelo menos ele (o rebatedor) possa correr para ocupar uma base. 

Já o objetivo do time que está defendendo é não levar pontos e eliminar três jogadores adversários. Existem alguns tipos de eliminações, como o ground out, quando um defensor recebe a bola de outro defensor (após quicar no chão), pisando na área delimitada, antes da chegada do rebatedor; ou o strike out, quando um arremessador consegue três strikes contra o mesmo rebatedor; ou até mesmo o fly out, quando um defensor pega uma bola rebatida, sem que ela toque no chão, eliminando o rebatedor automaticamente. 

Vence quem marca mais corridas ao redor do campo (percorrendo as quatro bases), durante as nove entradas, no campo que tem formato de diamante. Em caso de empate, serão disputadas entradas extras. Se um time abrir 10 corridas de vantagem após sete entradas, o jogo é encerrado.

A primeira fase do torneio olímpico de beisebol é simples: seis equipes são divididas em dois grupos de três. Japão, México e República Dominicana estão no grupo A, enquanto Coreia do Sul, Estados Unidos e Israel compõem o grupo B. Todos se enfrentam e, a partir daí, a coisa fica complicada: o primeiro de cada chave (A1 e B1) avança diretamente para a segunda rodada do mata-mata (R2), enquanto os dois últimos colocados disputam a primeira rodada eliminatória (R1).

Em R1, os dois segundos colocados (A2 e B2) se enfrentam, assim como os dois terceiros colocados (A3 e B3). Os vencedores de ambos os confrontos avançam à segunda rodada (R2), onde duelarão entre si, enquanto o perdedor do confronto entre A2 e B2 vai à repescagem (L1). O perdedor de A3 e B3 está eliminado. 

Beisebol na Olimpíada de Pequim
Partida de beisebol nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, na última vez em que a modalidade esteve presente no programa (Foto: Smartneddy)
Na segunda rodada eliminatória (R2), os vencedores de R1 e os primeiros colocados da primeira fase (A1 e B1) se enfrentam. Os dois vencedores desta fase se enfrentam na semifinal (SF1), enquanto os perdedores caem para a repescagem. O perdedor de R2 entre os vencedores de R1 vão à L1 enfrentar  o perdedor de A2 x B2. No confronto de L1, o vencedor avança à L2, onde enfrentará o perdedor de A1 x B1. 

O vencedor de L2 avançará à L3, que já funcionará como uma espécie de segunda semifinal (SF2). O perdedor de L2, por sua vez, se garante na disputa do bronze. O vencedor de SF1 vai direto à final, enquanto o perdedor terá uma nova chance em SF2/L3. O vencedor de SF2/L3 se garante na decisão, enquanto o perdedor vai disputar o terceiro lugar.

ANÁLISE
Jogo de abertura: República Dominicana x Japão (Grupo A), 28/07 às 0h
Final: 07/08 às 07h

Favoritos ao ouro: Coreia do Sul (KOR) e Japão (JPN)
Candidatos à medalha: México (MEX) e Estados Unidos (USA)
Podem surpreender: Israel (ISR) e República Dominicana (DOM)
Brasil: Não se classificou

O retorno do beisebol deve ser marcado pelo esperado confronto entre Coreia do Sul e Japão, rivalidade asiática que se mostrou forte na final da Premier 12 em 2019. Os dois países estarão com boa parte dos melhores jogadores de suas ligas nacionais no torneio olímpico.

México e Estados Unidos vão brigar pelo bronze. Sem os principais jogadores, pelo fato da Liga Nacional de Beisebol dos EUA (MLB) não liberá-los para os Jogos, as equipes das Américas devem brigar pela terceira colocação.

Como funciona o beisebol na Olimpíada
Grécia x Cuba antes do jogo em Atenas 2004 (Foto: Divulgação)


Nenhum comentário:

Postar um comentário