Gabriel e Ítalo se classificam pra semifinal do surfe em Tóquio e garantem uma medalha para o Brasil - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Gabriel e Ítalo se classificam pra semifinal do surfe em Tóquio e garantem uma medalha para o Brasil

Compartilhe

Os surfistas Gabriel Medina e Ítalo Ferreira estão classificados para a semifinal da estreia do surfe em Jogos Olímpicos. Os dois venceram suas baterias nesta segunda (26), pelas quartas de final, na praia de Tsurigasaki e se garantiram na disputa por medalhas. As semifinais começam às 23h45. O mar apresentou suas melhores condições no torneio e o tempo estava carregado com chuva e vento.


Medina venceu o companheiro de WSL, Michel Bourez (FRA), por 15.33 a 13.66 e vai enfrentar o anfitrião Igarashi Kanoa na semifinal, às 23h36. Já Ítalo superou o japonês Hiroto Ohhara por 16.16 a 11.90. Na próxima fase, o potiguar vai encarar o Owen Wright, também do circuito mundial, por volta das 00h24.


Igarashi fez a primeira primeira bateria do dia e venceu o venceu o norte-americano Kolohe Andino nas quartas, por 12.60 a 11.00. O japonês pegou o primeiro tubo da Olimpíada e recebeu 6.67. Ele ainda somou 5.93 na segunda nota, enquanto o adversário fez 5.77 + 5.23. Owen, por sua vez, bateu o peruano Luca Messinas por 12.74 (6.67 + 6.07) a 7.83 (4.10 + 3.73).


A bateria de Medina

A primeira onda boa de Gabriel foi uma direita com rasgadas fortes, seguida de uma batida no lip, com a finalização na junção, pontuada em 6.33. Depois, com um aéreo veloz e com rotação completa, Medina fez 9.00 e deixou o adversário precisando de combinação. 


Esta era nota é mais alta dos Jogos até os primeiros 30 segundos da  bateria de Ítalo. Bourez ainda conseguiu fazer um 6.73 e diminuiu a vantagem do brasileiro. Nos minutos finais, o francês acertou um tubo, mas fez uma saída ruim da manobra, ficando com um 6.93 e foi eliminado.


Bateria de Ítalo


Ítalo venceu o japonês Hiroto Ohhara por 16.16 a 11.90. O potiguar desenhou sua classificação logo nos primeiros 30 segundos de bateria, quando fez um aéreo veloz, alto e com rotação completa, conseguindo a maior nota dos Jogos Olímpicos: 9.73


Sua segunda nota veio a quatro minutos do fim, com duas rasgadas fortes e uma boa finalização na junção, recebendo 6.57 dos juízes. Seu adversário precisava de combinação para virar. Ohhara somou 6.73 e 5.17 no placar. 


Foto em destaque: Jonne Roriz/COB

Nenhum comentário:

Postar um comentário