WSL: Florence tira dez em tubo perfeito; grandes ondas não foram problema para Medina e Ítalo - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

WSL: Florence tira dez em tubo perfeito; grandes ondas não foram problema para Medina e Ítalo

Compartilhe


A WSL abriu a etapa de Margaret River nesta madrugada de sábado (1) para domingo (2), com ondas gigantes e a primeira nota 10 de 2021, conquistado por John John Florence com um tubo. Cotados como favoritos, Ítalo Ferreira e Gabriel Medina se classificam, levando junto Adriano de Souza, o Mineirinho, e Jadson André.


O atual bicampeão consecutivo da etapa, John John Florence conseguiu a onda perfeita e com um tubo, tirou a nota 10, mostrando o porquê de adorar surfar as ondas da praia da costa oeste australiana. Não satisfeito, o havaiano ainda conseguiu uma onda para 7,50 e se classificou com tranquilidade para a próxima fase, levando junto o campeão da etapa em 2014, o francês Michel Bourez, que somou 11,50. 


"Eu entrei nela pensando em fazer umas manobras, então na última hora eu puxei para o tubo e ele continuou e continuou abrindo todo o caminho até o fim. Foi um tubo realmente imprevisível aqui em Main Break, mas certamente existem alguns bons por aí, se você conseguir encontra-los. Estou usando a mesma prancha que eu surfei aqui nos últimos anos e parece que sempre funciona muito bem"- disse Florence



O potiguar e showman até aqui da perna australiana, Ítalo Ferreira, pegou sua prancha e logo na sua primeira boa onda, fez 7,83, rasgando sua extensa parede e finalizando com sucesso a manobra. A bateria, disputada contra os australianos Jacob Wilcox e Jack Robinson foi equilibrada em alto nível, com todos os surfistas tendo uma nota 7,00 ou maior.


Após cinco minutos finais tensos, com Ítalo e Robinson arriscando tudo para conseguir a vaga direta na próxima fase, a bateria teve como resultado final a vitória de Wilcox com 15,30, contra 13,76 do brasileiro, enquanto Robinson ficou próximo com 13,43.


O dia também reservou uma bateria com dois campeões mundiais da Brazilian Storm, Medina e Mineirinho, vencedor da etapa em 2015, que disputaram a série contra o anfitrião Cyrus Cox. O atual líder do ranking, Gabriel mais uma vez caçou ondas no começo e nos primeiros quinze minutos já tinha somado 10,50, com ondas 6,40 e 4,00.


Adriano só fez sua primeira boa onda faltando quinze minutos, conseguindo 5,50 dos juízes, enquanto Gabriel buscou mais uma onda, a fim de subir a sua nota 4,00, em mais uma grande onda, o paulista fez uma rasgada forte ainda no meio da onda e finalizou também com força a junção, recebendo 7,43. Nos instantes finais, Mineirinho conseguiu uma onda pra 4,53 e garantiu a classificação, somando 10.07 contra 13,93 de Medina.


A primeira bateria brasileira do dia contou com Filipe Toledo e Peterson Crisanto enfrentando o anfitrião Connor O'Leary, com Filipinho começando na frente se mantendo em primeiro por quinze minutos, o que mudou quando Peterson fez sua primeira manobra e finalizou com manobra na junção enquanto a onda fechava para 6,33, assumindo a ponta da bateria. Com ele já garantindo na fase de 32, a disputa ficou entre Toledo e O'Leary, melhor para o brasileiro que virou a bateria e se classificou em primeiro com 11,50 contra 10,10 de Peterson.


Em bateria contra Seth Moniz, acostumado a este tipo de onda e Kanoa Igarashi, quarto colocado do ranking, o brasileiro André Ribeiro não demonstrou um bom surfe em suas ondas e foi eliminado com apenas 6,00 de somatório contra 10,83 de Igarashi e 11,43 de Moniz. Agora o brasileiro irá disputar a repescagem pra tentar uma vaga na fase de 32.


Jadson André enfrentou Jordy Smith da África do Sul e Reef Heazzlewood da Austrália, em uma bateria, onde o brasileiro teve problema com sua prancha, após ela quebrar quando ele tentou entrar verticalmente em uma das ondas. Mesmo com a demora na troca da prancha, o brasileiro se classificou em segundo com 7,83 com Smith em primeiro que somou 11,27.


Com bateria disputada no fim do dia na Austrália, o brasileiro Miguel Pupo fechou o dia de surfe se classificando com a melhor onda da bateria com 7.83 e um 3,77 totalizando 11,60. passando junto do australiano Julian Wilson que somou 13,07, enquanto o outro adversário, o português Frederico Morais somo apenas 7,93 e terá que passar pela repescagem.


Devido à falta de luz natural, Devid Silva, Caio Ibelli e Yago Dora farão suas baterias hoje, com chamada prevista para às 20 horas de Brasília. A etapa tem transmissão da WSL em seu site, app e redes sociais, enquanto a ESPN 2 transmite a competição na televisão e no Watch ESPN.


Foto: Matt Dunbar/WSL

Nenhum comentário:

Postar um comentário