Ministério da Saúde detalha vacinação da delegação brasileira para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Ministério da Saúde detalha vacinação da delegação brasileira para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos

Compartilhe



 


Em coletiva realizada no início da tarde desta terça (11), o Governo Federal - através do Ministério da Saúde - anunciou o plano para a imunização de atletas e credenciados visando os Jogos de Tóquio. A campanha começa nesta quarta (12) em São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza, com a ajuda das Forças Armadas, e vacinará atletas olímpicos e paralímpicos.


Está prevista a imunização de 1.814 pessoas e além das três cidades já citadas, a campanha também ocorrerá em Porto Alegre, Brasília e Belo Horizonte, a última ainda sem data definida para o início da campanha, já a capital gaúcha e a federal começarão na próxima segunda (17).


Segundo o Comitê Olímpico Brasileiro, 190 pessoas credenciadas já foram vacinadas e outras 200 estão no exterior, portanto elas não estão na lista de vacinação entregue ao governo.


A imunização da delegação não afetará a campanha de vacinação da população, já que serão doadas 12 mil doses para o SUS, pela Pfizer e Sinovac (Coronavac), sendo 4 mil da farmacêutica belga e 8 mil da chinesa. 


Ainda não foi definida qual a vacina será aplicada nos atletas. A Coronavac tem intervalo médio de 21 dias entre as doses e é responsável pela vacinação da maior parcela da população até aqui, já a vacina da Pfizer além de alta eficácia, garante entrada sem restrições em países da Europa e nos Estados Unidos.


Isso não está totalmente definido no PNI, mas ambas são vacinas muito boas, é preciso verificar, porque há alguns países onde a Coronavac, apesar de ser uma excelente vacina, que tem restrições a entrada de pessoas que não foram imunizadas com as vacinas utilizadas lá - disse Marcelo Queiroga sobre o assunto.


A recomendação de tomar a segunda dose do imunizante da Pifzer, três meses após a primeira aplicação, não será seguida na campanha dos atletas, que tomarão a segunda dose 21 dias depois da primeira, devido a urgência da imunização.


Atualização: Vacina utilizada será a da Pfizer

A vacinação será realizada em parceria com o Ministério da Cidadania, pasta onde se encontra a Secretaria Especial do Esporte e o Ministério da Defesa, que além de ajuda logística, cedeu espaço para a realização da campanha.


"Os atletas precisam estar imunizados e seguir os protocolos internacionais para fazer parte desse importante evento, que será observado em todo o mundo", falou João Roma, ministro da Cidadania em defesa da imunização.


Na coletiva, foi anunciado que além de atletas e comissões técnicas, serão imunizados árbitros e jornalistas credenciados. Também durante o evento, Marcelo Magalhães, secretário Especial do Esporte, anunciou que mais de 7 mil atletas serão contemplados pelo programa Bolsa Atleta.


Surte+: Ajude o Surto Olímpico a cobrir Tóquio in loco


A vacinação em São Paulo será realizada entre 12 e 15/5 no Centro Paralímpico, mesma data do Rio de Janeiro, onde a campanha será realizada em Saquarema, no centro de treinamento do vôlei. Já em Fortaleza, os atletas serão vacinados no Centro de Eventos do Ceará.


O Brasil é mais um país a iniciar a imunização de atletas. Já iniciaram suas campanhas países como Austrália, Nova Zelândia e Coreia do Sul. Vale ressaltar que a vacinação não é obrigatória para o evento, porém é fortemente recomendada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Os Jogos Olímpicos começam no dia 23 de julho e se encerram no dia 9 de agosto.


Foto em destaque: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário