Revezamento da tocha olímpica em Osaka pode ser cancelado após aumento de casos de Covid-19 - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Revezamento da tocha olímpica em Osaka pode ser cancelado após aumento de casos de Covid-19

Compartilhe


A perna do revezamento da tocha olímpica na cidade de Osaka corre o risco de ser cancelada. A possibilidade foi exposta nesta quinta-feira (1º) pelo governador da prefeitura, Hirofumi Yoshimura, que disse estar preocupado após um crescimento acentuado no número de casos de coronavírus na cidade.


"Vamos pedir às pessoas que evitem sair para assuntos não urgentes. O revezamento da tocha na cidade de Osaka deveria ser cancelado", disse Yoshimura a repórteres, de acordo com a agência japonesa Kyodo News.


Um dia antes da fala, o político já havia contatado o governo central japonês, solicitando permissão para implementar medidas de controle mais rígidas sobre a pandemia em Osaka, que, segundo ele, já vive uma quarta onda de infecções de Covid-19. A prefeitura registrou 599 novos casos da doença na quarta-feira, superando até mesmo Tóquio, considerada o epicentro da crise sanitária no Japão.


Osaka, assim como Tóquio e outras oito prefeituras japonesas, esteve inserida em um estado de emergência nos primeiros meses do ano. Apesar disto, o governo liderado por Yoshihide Suga deve dar o sinal verde para que novas restrições sejam impostas na cidade, o que deve por em xeque a perna do revezamento.


A tocha olímpica deve passar por Osaka nos dias 13 e 14 de abril. Atualmente, ela está em Nagano, a quarta prefeitura de seu itinerário. Por lá, alguns trechos já não contam com a presença de espectadores, como medida preventiva a evitar aglomerações, já que a província também ligou o alerta após um crescimento recente de casos do coronavírus.


Considerado o "grande teste" para a realização da Olimpíada em meio à pandemia, o revezamento foi iniciado no último dia 25, em Fukushima, e já passou por Tochigi e Gunma. Poucos espectadores são permitidos nas passagens, mas eles são instruídos a não gritar e nem se abraçar, além de respeitar o distanciamento e usar máscaras. A chama olímpica percorrerá todas as 47 prefeituras japonesas até 23 de julho, quando ocorrerá a cerimônia de abertura dos Jogos.


Foto de capa: Divulgação/Tóquio 2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário