Focado nas semifinais da Superliga de Vôlei mascilino, líbero Maique usa meditação, música e trabalho mental para fazer a diferença


Enquanto as atenções seguem voltadas para a Superliga feminina de vôlei 20/21, as quatro equipes masculinas intensificam a preparação para as semifinais da competição. Pelo lado do Minas, que enfrentará o Itapetininga, no próximo dia 7, às 16h30, em Saquarema (RJ), o líbero Maique, melhor recepção do campeonato, vai em busca de sua primeira decisão de Superliga. Se, dentro de quadra, os treinos são intensos, fora dela, alguns detalhes também podem fazer a diferença.

“Amo música que, para mim, é o espelho da alma e aflora sentimentos e emoções. Estou sempre ouvindo em casa ou em qualquer lugar. Também gosto de meditar, principalmente em pré-jogo. Uma boa música, meditação e trabalho mental me fazem muito bem”, afirmou.

“Faço um trabalho com meus coaches (Victor Ferraz e Letícia Capuroço). Isso tem me ajudado muito a focar nas minhas metas e jogos da temporada. É maravilhoso. Os dois me passam vários métodos de meditar e de mentalizar situações de jogo, pré-jogo, pré-treino, e até mesmo para antes de dormir. São esses pequenos detalhes que também fazem muita diferença na vida de um atleta”, explicou Maique.

“Chegar em uma semifinal de Superliga é um sonho, mas o sonho de chegar à final e ser campeão é ainda maior, e estou vivendo isso e trabalhando com muito mais intensidade e foco, buscando sempre evoluir cada vez mais para conseguir alcançar esse objetivo”, disse o líbero de 23 anos.

O intervalo entre a última partida pelas quartas de final e a primeira da semifinal é grande. Serão 23 dias. “Isso tem seu lado bom e ruim. O bom é que temos mais tempo de preparo na parte técnica, tática e física para chegarmos ainda melhor nas semifinais. O ruim é a questão da perda de ritmo de jogo, mas isso não é algo tão prejudicial assim, porque é essencial ter esses dias de preparação”, analisou Maique.


O Itapetininga chega às semifinais como grande surpresa da Superliga masculina. Afinal, eliminou o Cruzeiro. “Estamos trabalhando muito, principalmente, estudando a equipe deles para não sermos surpreendidos. É um time que evoluiu muito, tem um bom volume de jogo e joga com muitas variações de saque, que é uma das armas que utilizam para sempre tentar quebrar a linha de recepção do adversário. Sabemos que serão partidas difíceis, mas estamos focados no nosso trabalho.”

Maique terminou a fase classificatória da Superliga em primeiro lugar nas estatísticas de recepção, com 77% de eficiência. Foram 245 bolas perfeitas em 320 recebidas nas 21 partidas que esteve em quadra - não disputou apenas um jogo. Após as quartas de final, o percentual foi para 76%, mantendo a primeira posição.

A outra semifinal da Superliga masculina reunirá Taubaté e Campinas, que também se enfrentarão no dia 7. Os segundos confrontos serão realizados no dia 10.

Foto: William Lucca/CBV/INOVAFOTO

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024?

Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os jogos in loco.

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Postar um comentário

To Top