Pesquisa revela que 72 por cento dos atletas alemães são contrários a receberem prioridade da vacina contra COVID-19 - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Pesquisa revela que 72 por cento dos atletas alemães são contrários a receberem prioridade da vacina contra COVID-19

Compartilhe

 


A Confederação Alemã de Esportes Olímpicos (DOSB) revelou que 72 por cento dos atletas alemães que possivelmente irão a Tóquio, não são favoráveis a terem acesso prioritário as vacinas da COVID-19. O DOSB informou que uma pesquisa foi realizada ao longo de duas semanas, com cerca de 1.700 atletas aptos a participar.

Segundo o DOSB, os resultados da pesquisa confirmam sua posição atual de não buscar tratamento preferencial na primeira onda de vacinações. Espera-se, no entanto, que os atletas sejam incluídos na segunda leva, para que possam participar de eventos internacionais.

"Com isso, o Team Deutschland demonstra mais uma vez um senso de responsabilidade exemplar no interesse da sociedade como um todo", disse Alfons Hörmann, presidente do DOSB.

"O resultado geral agora disponível confirma nossa posição que foi comunicada por semanas: não esperamos nenhum tratamento preferencial para esportes de alto nível, mas esperamos que vacina suficiente esteja disponível no segundo trimestre para enviar com segurança nossas equipes ao grande mundo Eventos desportivos.

Discutiremos toda a pesquisa em uma troca direta com o Team Deutschland na próxima semana e, em seguida, publicaremos os resultados detalhados imediatamente."

Hörmann expressou no mês passado a esperança de que o programa de vacinação chegue a um ponto em que seja possível aos atletas obter vacinas durante a primavera, porém preocupações foram expressas sobre o lento lançamento de vacinas na União Europeia até o momento.

O DOSB reflete os Comitês Olímpicos Nacionais do Canadá, Grã-Bretanha e Itália, que decidiram não pedir que seus atletas tenham prioridade nas vacinas, mas esperam que as vacinas estejam disponíveis antes dos Jogos. A Hungria e a Sérvia começaram a vacinar seus atletas olímpicos na semana passada, enquanto o Comitê Olímpico de Israel afirma que já vacinou metade de sua delegação olímpica e concluirá o processo até o final de maio.

O ministro indiano dos esportes, Kiren Rijiju, afirmou nesta semana que todos os atletas do país serão vacinados antes de Tóquio em 2020.

Embora o Comitê Olímpico Internacional (COI) e Tóquio 2020 tenham enfatizado que as vacinas não serão uma "bala de prata" para os Jogos, seu desenvolvimento, no entanto, aumentou as esperanças de que o evento avance.

O COI disse repetidamente que não vai saltar na frente daqueles que mais precisam de vacinação e insistiu que não será obrigatório para os atletas competirem nos Jogos.

Os manuais divulgados pelo COI e pelo Comitê Paraolímpico Internacional para as partes interessadas, como atletas reiteraram que vacinas não serão obrigatórias para participantes de Tóquio 2020, com medidas como testes frequentes, máscaras e distanciamento social definidas para serem implementadas.

Foto: Sérgio Lima/Poder 360

Nenhum comentário:

Postar um comentário