Coluna Surto Mundo Afora: Carta aberta ao ano de 2021 - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Coluna Surto Mundo Afora: Carta aberta ao ano de 2021

Compartilhe






Olá, 2021,


antes de mais nada, seja bem vindo. Esperamos ansiosamente por sua chegada. Mas infelizmente por motivos que não queríamos. Sabemos que não veio só. Trouxe junto as Olimpíadas. As mesmas que seu 2020 impediu de acontecerem. Agora poderão, enfim, ouvir nossos aplausos e gritos.

Veja bem, 2021, gostaríamos também de pedir um favor. Por este motivo escrevemos esta carta. O ano que passou não nos deixou celebrar, vibrar e cantar com nossas torcidas, com nossos ídolos e países. Em seu lugares, apenas o silêncio. As arquibancadas ficaram vazias. Os hospitais lotados.

As bandeiras não foram desfraldadas. Ficaram à meio mastro em sinal de luto. Muitos foram os que nos deixaram antes mesmo da chama olímpica aquecer o céu japonês. Os únicos recordes quebrados foram de tristeza e mortes.

Porém, 2021, você chegou para apagar este semblante de dor dos apaixonados pelo esporte ou não. Com você vieram além das Olimpíadas, a esperança e o sonho. A esperança de que finalmente poderemos ver os maiores atletas do planeta competindo novamente. O sonho de após a triste lembrança de seu antecessor, os maiores Jogos Olímpicos ocorram em paz, com todos vacinados e a única epidemia seja de emoção nos pódios.

Esperamos por você para porque queremos ver Simone Biles e suas façanhas sobre-humanas. Porque queremos que Katie Ledecky possa apagar sua imagem no último mundial, enfileirando ouros nas piscinas de Tóquio. 

Queremos Tiago Braz, após um ciclo tão apagado quanto a vida foi em 2020, alcance seu maior salto em todos os tempos. Para que Teddy Riner dê um ippon na tristeza e nos brinde com suas sequências de finalizações. 

Queremos um quadro de medalhas repleto de ouros e recordes para o Brasil. Que nossos surfistas façam estreia de gala, dominando o pódio. Que os skatistas superem todos os rivais, como é tradição, também no Japão. Que nossas seleções de vôlei façam uma dobradinha inédita no primeiro lugar. 

Queremos tudo o que nos foi tirado em 2020.

Sabe, 2021, queremos torcer este ano. Não importa para quem, mas queremos. 

Queremos ver de novo Las Leonas enfrentando os Países Baixos no hóquei feminino. Queremos ver um Dream Team dos EUA no basquete. Queremos mais um africano pulverizando adversários na maratona...

Queremos muitas outras coisas que nos foram tiradas anos passado.

Porém, o que queremos mesmo, são as Olimpíadas. Plenas e saudáveis. Assim como nossas vidas.

Fique à vontade, 2021. Mas lembre-se: queremos apenas as coisas boas este ano.

Um comentário: