Colômbia pode ser banida do levantamento de peso nos Jogos Olímpicos de Tóquio


País sul-americano mais forte no levantamento de peso, a Colombia pode não participar da modalidade nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Isso porque a seleção nacional enfrenta um processo de suspensão de até quatro anos por ter três ou mais violações das regras antidoping dentro do período de um ano. 

Os levantadores de peso Ana Iris Segura, Yenny Sinisterra e Juan Solis foram suspensos por quatro anos pelo uso do esteroide anabolizante boldenona (substância proibida), segundo o presidente da Federação Colombiana de Halterofilismo (CWF), Willian Peña. 

Tais casos de doping levaram à demissão do técnico da seleção colombiana de levantamento de peso, Oswaldo Ospina. 

De acordo com a Federação Internacional de Halterofilismo (IWF), a CWF também deverá ser multada em até US$50 mil por esses casos de doping. 

Para não ser banida da modalidade em Tóquio, a Colômbia deverá apelar no Tribunal Arbitral do Esporte (CAS). Peña disse em entrevista à rádio local Antena 2, que "a CWF tomará todas as medidas necessárias para preservar a transparência do órgão e o combate ao doping". 

Casos de doping com boldenona não são novidade na Colômbia

O tenista especialista em duplas Robert Farah chegou a ser suspenso neste ano pelo uso de boldenona. No entanto o atleta convenceu a Federação Internacional de Tênis (ITF) de que é inocente, alegando que a substância poderia ter entrado em seu organismo por meio de uma refeição que sua mãe preparou com carne estragada. Ele teve obteve ajuda do Departamento de Agricultura da Colômbia e do supermercado onde comprou a carne. 

O Comitê Olímpico da Colômbia explicou num estudo realizado em 2018, que a boldenona poderia ser encontrada na carne e que isso poderia afetar os resultados de exames antidoping dos atletas.

Além de Farah, dois ciclistas colombianos foram suspensos após teste positivo para tal substância: Fabian Puerta em 2018 e Jose Amador, no ano passado. 

Desde 2013, sete levantadores de peso colombianos, incluindo Segura, Sinisterra e Solis, foram proibidos por doping, cada um deles após teste positivo para boldenona. 

Mas ainda há outro agravante para a Colombia. Como esses casos de violações das regras antidoping ocorreram durante o período de qualificação olímpica, a nação também enfrenta a possibilidade de uma proibição total dos Jogos, de acordo com as regras do evento. No entanto, outros países enfrentam problemas similares, como o Egito, Malásia, Romênia, Tailândia e Vietnã. 

Foto: Reprodução

Comente

Postagem Anterior Próxima Postagem