Surto História: Os 50 anos do ATP Finals - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Surto História: Os 50 anos do ATP Finals

Compartilhe

Criado em 1970 pela então International Lawn Tennis Federation (ILTF, atual ITF) o torneio ATP Finals nem sempre levou este nome, sendo chamado de Grand Prix Masters até 1989. Foi apenas em 1990 que a Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) entrou em cena, assumindo a direção do evento. 

Desde sua criação, o intuito do torneio era reunir os melhores tenistas da temporada num evento para encerrar o ano. No entanto, nos seus primeiros 20 anos de história, o Finals não concedeu pontos ao ranking mundial da modalidade. De quebra, o campeonato tinha a concorrência do WTC Finals, realizado pelo circuito rival, a World Tennis Championship, que durou até 1989.

Só partir de 1990, já com o nome de ATP Tour World Championship, que o evento começou a fazer parte dos torneios que davam pontos ao ranking mundial. Aliás, o jogador que conseguisse conquistar o título de maneira invicta, ganhava o mesmo número de pontos que um Grand Slam na época, algo inimaginável até então. 

Apesar de contar com os oito melhores tenistas do mundo em cada temporada, a ATP Tour World Championship novamente tinha uma concorrente: a Grand Slam Cup, torneio organizado pela ITF entre 1990 e 1999, que era famoso por distribuir a maior premiação em torneios de tênis na década de 90. Além disso, o rival reunia os 16 tenistas com melhor desempenho durante os quatro Grand Slams do ano. 

Mas no fim de 1999, ATP e ITF fizeram um 'acordo de cavalheiros', e tanto a Tour World Championship, como a Grand Slam Cup foram encerradas, dando lugar a um evento conjunto, chamado Tennis Masters Cup, já no ano de 2000. 

No entanto, o torneio chegou com uma mudança na regra. Os sete melhores tenistas da temporada estavam garantidos no campeonato. Se houvesse um campeão de Grand Slam fora dos oito melhores, mas entre os 20 primeiros da tabela, ele ganharia a oitava vaga. Caso contrário, o oitavo melhor jogador do ano poderia disputar o Finals. Se dois ou mais atletas fora do top-8 vencerem um Major, o de melhor ranking se classifica. 

Em 2009 a Masters Cup mudou de nome, passando a ser chamada de ATP World Tour Finals, mudando novamente em 2017, sendo simplificada para ATP Finals. 

O Finals já foi disputado em 14 cidades espalhadas por quatro continentes, sendo realizado pela primeira vez em Tóquio, no Japão. O torneio passou ainda por Paris, Barcelona, Boston, Melbourne, Estocolmo, Houston, Nova York, Frankfurt, Hannover, Lisboa, Sydney, Xangai e é atualmente realizado Londres. A partir de 2021, o ATP Finals será organizado na cidade de Turim, na Itália. 

Quase sempre o Finals foi considerado o principal torneio de tênis indoor do mundo. Mas saiba que nem sempre ele foi disputado em quadras cobertas. Em Melbourne 1974, as quadras de grama com teto descoberto do Kooyong Stadium foram utilizados para o evento. Entre 2003 e 2004, o Finals também foi jogado em quadra sem teto, na cidade de Houston. Vale destacar que, com exceção ao ano de 1974, o Finals sempre foi jogado em superfícies duras, tendo variação apenas em sua composição.

Já para as duplas, existiu antigamente evento separado, realizado na semana seguinte ao de simples. Porém em 2003, as duas categorias começaram a ter um Finals simultâneo, dento do mesmo torneio. 

Campeões


O tenista suíço Roger Federer é o maior detentor de títulos do Finals. Ele é o único hexacampeão, tendo vencido o evento nos anos de 2003, 2004, 2006, 2007, 2010 e 2011. Ele também é o atleta com maior número de finais no torneio, com dez decisões, sendo cinco consecutivas entre 2003 e 2007. 

Mas Novak Djokovic pode igualar a marca de Federer, caso conquiste o troféu em 2020. Além disso, é do sérvio o recorde de títulos seguidos no Finals, com quatro vitórias entre 2012 e 2015, sendo que em três decisões ele bateu o tenista suíço. 

Nos últimos 20 anos, apenas três vezes um tenista teve sucesso em vencer a decisão do Finals para consequentemente terminar a temporada na liderança do ranking: o brasileiro Gustavo Kuerten (2000), o australiano Lleyton Hewitt (2001) e o britânico Andy Murray (2016). 

Nas duplas, os maiores campeões do Finals são os estadunidenses Peter Fleming e John McEnroe, que juntos ganharam sete títulos seguidos entre 1978 e 1984.

Brasil na decisão do Finals


Além de Guga, que bateu André Agassi valendo o título da Masters Cup de 2000, só mais um brasileiro até então conseguiu chegar à decisão do Finals: Marcelo Melo, nas duplas. E em duas oportunidades. Em 2014, com Ivan Dodig como parceiro, Melo perdeu para os irmãos Bob e Mike Bryan no super tiebreak. 

Já ao lado de Lukasz Kubot em 2017, Melo novamente chegou à decisão. Porém, a dupla perdeu para Henri Kontinen e John Peers em sets diretos. 

Foto: Eiichi Kawatei
          Reuters
          Gustavo Werneck/VIPCOMM
         

Nenhum comentário:

Postar um comentário