Semenya e van Niekerk integram seleção sul-africana de atletismo visando preparação para as Olimpíadas - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Semenya e van Niekerk integram seleção sul-africana de atletismo visando preparação para as Olimpíadas

Compartilhe

 


Campeões olímpicos, Caster Semenya e Wayde van Niekerk estão entre os 43 atletas convocados para a seleção da África do Sul de atletismo, visando a preparação para as Olimpíadas de Tóquio, evento adiado para o ano que vem. A equipe é formada por 32 homens e 11 mulheres. Além disso, o corpo técnico está considerando mais convocações, para completar os quartetos de revezamento. 


"Acreditamos que montamos um time muito forte e estamos confiantes de que todos os atletas são capazes de fazer parte da equipe final, mas isso dependerá inteiramente deles", disse o presidente da Federação de Atletismo da África do Sul, Aleck Skhosana, em entrevista ao portal SuperSport.


“Mas eles terão que se manter focados para conseguir isso enquanto treinam em suas várias disciplinas. Dado o atual desafio global causado pela pandemia do coronavírus, encorajamos os atletas a aproveitar todas as oportunidades disponíveis para competição, porque não sabemos o que o futuro reserva em termos de luta contra este vírus", completou. 


O velocista van Niekerk é o atual campeão olímpico e recordista mundial dos 400m rasos, ao efetuar a marca de 43.03 durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Ele está voltando gradativamente às competições, após passar por um longo período em recuperação de sua lesão no ligamento cruzado anterior, contraído em 2017. 


Caso Semenya

Semenya é a atual bicampeã olímpica dos 800m, com medalhas de ouro em Londres 2012 e no Rio 2016. No mês passado ela perdeu um recurso para a Suprema Corte da Suíça sobre uma decisão da World Athletics que lhe obriga a tomar medicamentos redutores de testosterona para poder competir. 


Neste caso, a regra impõe que a atleta de 29 anos faça uso desse tipo de medicamento caso queira competir nas provas entre 400m e 1.500m, por ela ter nascido com traços intersexuais, o que faz com que seu corpo produza níveis incomuns de testosterona. 


Isso significa que Semenya não poderá defender seu bicampeonato olímpico, caso não tome os medicamentos necessários para a redução de testosterona. No início de 2020, a meio fundista sul-africana demonstrou interesse em competir nos 200m rasos nas Olimpíadas, onde não precisaria utilizar os medicamentos de acordo com a regra. No entanto, ainda não foi anunciado qual prova ela vai disputar. 


Foto: Reprodução/The Telegraph

Nenhum comentário:

Postar um comentário