Para combater abusos, Federação Internacional de Ginástica cogita elevar idade mínima em competições - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Para combater abusos, Federação Internacional de Ginástica cogita elevar idade mínima em competições

Compartilhe



Depois de uma série de denúncias de abusos morais e físicos em diversos países, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) iniciou nesta segunda-feira (26) uma conferência virtual com as confederações nacionais para encontrar soluções para o início de uma cultura de respeito na modalidade. Entre as propostas apresentadas na primeira sessão do encontro, ganhou destaque a ideia de aumentar a idade mínima para as ginastas competirem na categoria adulta. A FIG se mostrou aberta a discutir a proposta.


Os países baixos trouxeram a questão da idade para a conferência. Os representantes do país consideram que muitos dos problemas de abusos na ginástica estão ligados à precocidade com que crianças são submetidas ao treinamento de alto rendimento, especialmente na ginástica artística feminina. Foi sugerido aumentar a idade mínima de 16 para 18 anos.


Secretário geral da FIG, o suíço Nicolas Buompane prometeu levar a proposta para discussão do Comitê Executivo da entidade máxima da ginástica. Ele afirmou que alguns países por outro lado solicitaram a diminuição da idade mínima da categoria adulta, mas que isso está fora de questão.


"Temos muito a percorrer para encontrar todas as soluções. Não vai ser a última vez que vamos nos encontrar. Acredito que juntos podemos encontrar uma solução para construir um ambiente seguro para todos na ginástica" disse Buompane.


A FIG considera a conferência virtual um marco no sentido de iniciar a mudança na cultura do esporte, enquadrando práticas consideradas aceitáveis na modalidade com o senso comum da sociedade atual. Buompane falou em aprender com os erros do passado para não os repetir no futuro e, assim, recuperar a confiança das pessoas e de investidores na ginástica.


Lançado no fim de junho na Netflix, o documentário "Atleta A" inflamou ginastas e ex-ginastas de diversos países a se posicionarem e revelarem a cultura de abusos físicos e morais nos treinos. Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, Holanda e o Brasil foram alguns dos países atingidos em uma sequência de escândalos.


A conferência virtual desta semana é uma resposta a essas acusações. Entre os temas da primeira sessão estão as relações interpessoais no ginásio, as responsabilidades dos técnicos e pressões externas que atletas e técnicos sofrem no dia a dia. No entanto, os abusos sexuais não fizeram parte da pauta do encontro. A FIG ressaltou que não tolera nem discute casos de abusos sexuais.


Com informações de globoesporte.com

foto: Jone Roriz/COB


Nenhum comentário:

Postar um comentário