“Bolha Chinesa” é exemplo para a realização de eventos esportivos na época da pandemia - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

“Bolha Chinesa” é exemplo para a realização de eventos esportivos na época da pandemia

Compartilhe

 Por Gustavo Rodrigues de Vargas


A temporada 2020 do campeonato chinês feminino de futebol foi encerrada em 11 de outubro. Dentro de campo, o vencedor foi o Wuhan Jiangda, pela primeira vez campeão nacional. A equipe contou com a presença das brasileiras Bia Zaneratto e Millene na campanha, com a primeira inclusive marcando na decisão contra o Jiangsu Suning. De quebra, o título acaba sendo uma boa notícia e também marca a reviravolta para a cidade de Wuhan, epicentro da então epidemia da COVID-19 no começo deste ano e que chegou a afetar inclusive a seleção nacional de futebol que se preparava para o pré-olímpico. 


Fora de campo, a organização foi quem mais saiu vencedora. Com o país levando a sério desde o início o controle do novo coronavírus, a ideia de realizar uma “bolha” para que as competições acontecessem foi a solução encontrada pela CFA (China Football Association) tanto para as Ligas masculinas – ainda em andamento – quanto as femininas. E, com o final do campeonato das mulheres, foi divulgado o balanço oficial sobre as ações realizadas durante os dois meses de torneio na cidade de Kunming. 


Ainda antes de entrarem na base em Yunnan, membros das dez delegações participantes foram submetidos a acompanhamentos e testes para detecção de possíveis contaminados. Como os times chegariam de diferentes pontos do país para um único lugar, a precaução deveria ser ainda maior. Para que os profissionais pudessem entrar na base, foi realizada uma derradeira bateria de exames já em Kunming para evitar surpresas de última hora. Ao final, os dez times foram testados sem que houvesse um único caso positivo ao novo coronavírus.

 

 
Durante as fases da Liga, um total de 7 baterias de testes foram realizadas no complexo de Haigeng, sede de todas as partidas. Exatamente 4.574 pessoas fizeram os exames durante o processo, com todos os resultados dando negativo à presença da COVID-19. A organização também ofereceu 30.910 máscaras, 832 pares de luvas de borracha, 628 garrafas de gel de desinfecção e 450 desinfetantes para as mãos, além de serem disponibilizados 48 profissionais de saúde que, diariamente, auxiliavam na prevenção.

 
A sede em Kunming contou com 15 campos para a prática esportiva. 30 pessoas foram designadas a garantir as melhores condições possíveis para que as dez equipes participantes pudessem despreocupadamente se focar nas atividades dentro de campo, seja em treinamentos ou jogos. A estrutura da sede também contava com espaços para a prática de tênis de mesa, badminton, tênis, sinuca e boliche além de academia.

 
Nos dias 09 e 10 de Setembro, foi realizada uma competição de tênis de mesa. Jogadoras e membros da delegação dos dez clubes puderam participar, com o time vencedor sendo o Beijing BG Phoenix. A atividade foi vista como uma forma de sair da rotina de treinamentos e também promover a integração entre clubes e jogadoras, além de aliviar a carga de jogos. A disputa chegou a ser transmitida em redes sociais chinesas, alcançando a audiência de mais de 50.000 pessoas. 


A segunda divisão de futebol feminino na China foi realizada nos mesmos moldes. Em Nanjing (capital da província de Jiangsu), sete clubes participaram do campeonato, que teve como campeão o Sichuan, promovido para a temporada principal do país em 2021. A base foi igualmente reforçada para garantir a integridade física de atletas e demais membros das delegações. Também não foram confirmados testes com resultados positivos à COVID-19. 


 

Muito por conta das “bolhas” utilizadas nas duas divisões, não foi permitida a presença de público. Porém, um torcedor do Dalian Pro (equipe da segunda divisão) foi liberado para adentrar o complexo durante uma partida da equipe após testes e a confirmação via aplicativo de que não havia entrado em contato com pacientes positivos ao novo coronavírus nas semanas anteriores. Pelo mesmo motivo, poucos torcedores do Shanghai Shenhua que moravam em Nanjing também conseguiram a liberação para assistir uma partida do clube no estádio. 


A surpresa para a grande decisão entre Wuhan Jiangda e Jiangsu Suning, realizada no último dia 11, foi a presença de 33 crianças de uma escola da região para assistir o duelo. Testes, obviamente, foram realizados para que elas pudessem entrar na base, assistir a partida e também entrar em contato com as atletas ao final do jogo. A ação foi uma forma de integrar a nova geração do futebol feminino chinês às atletas que são hoje as estrelas do campeonato e também promover a modalidade não só na província mas também no país como um todo. 


Bons números também foram obtidos na participação de torcedores à distância. Com a transmissão de todas as 68 partidas da primeira divisão em diferentes plataformas (18 ao total), a participação do público acabou sendo notada ainda que grupos não pudessem frequentar o estádio para assistir os confrontos ao vivo. Os quase 70 jogos das duas fases foram transmitidos ao vivo pela internet, com livre acesso para qualquer parte do mundo. 11 dos jogos tiveram acompanhamento ao vivo pela CCTV, canal estatal chinês. 


Nas redes sociais, mais de 53 milhões de mensagens foram trocadas durante o primeiro mês da competição. Hashtags de apoio a clubes e também para jogos específicos movimentaram bastante as conversas especialmente no Weibo, com a presença de tópicos sobre as partidas entrando nos assuntos mais comentados da rede em algumas oportunidades. Mais de 11 milhões de mensagens sobre o campeão Wuhan Jiangda foram publicadas no dia da decisão contra o Jiangsu Suning. 


A experiência de realizar uma competição desse porte e com tantos resultados favoráveis (principalmente na questão médica) foi um importante ponto para a afirmação chinesa de estar controlando a COVID-19 em território nacional. É bem possível que para 2021 as competições nacionais sejam retomadas como nos moldes tradicionais, com as equipes podendo mandar suas partidas nos respectivos estádios e com presença de público. Mas, caso não seja possível, o país já mostrou ser capaz de fazer um campeonato seguro numa “bolha”. 


Fotos: China Football Association (CFA)

Nenhum comentário:

Postar um comentário