Presidente da Associação de Hóquei no Gelo da Bielorússia afirma que o país ainda pode co-sediar Mundial de 2021 - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Presidente da Associação de Hóquei no Gelo da Bielorússia afirma que o país ainda pode co-sediar Mundial de 2021

Compartilhe

O recém-nomeado presidente da Associação de Hóquei no Gelo da Bielo-Rússia (BIHA), Dmitri Baskov, afirmou que não há razão para privar o país de seus direitos de co-anfitrião para o Campeonato Mundial Masculino de 2021.

De acordo com a agência de notícias oficial russa TASS , Baskov disse que a Bielorrússia ainda é capaz de organizar o torneio em conjunto com a Letônia, apesar dos protestos em curso no país após a disputada reeleição do presidente Alexander Lukashenko no mês passado.

Baskov afirmou que a Letônia está "tentando politizar o esporte" depois que o país pediu à Federação Internacional de Hóquei no Gelo (IIHF) para encontrar outro co-anfitrião para o evento. A Letônia também ameaçou se retirar como sede, a menos que a IIHF permitisse que ela fosse co-anfitriã do torneio com um país que não fosse a Bielorrússia.

"A BIHA ​​fez um ótimo trabalho na inscrição para sediar o Mundial junto com a Letônia, depois que recebemos esse direito de preferência, começamos a trabalhar nessa direção juntos", Baskov, nomeado chefe da BIHA ​​na semana passada, disse.

"No entanto, hoje na Letônia, eles estão tentando politizar o esporte, já que no que diz respeito ao esporte, temos bons contatos com a Federação Letã de Hóquei no Gelo e a Federação Internacional de Hóquei no Gelo. Hoje não há pré-requisitos para não realizar um dos melhores Campeonatos do Mundo."

O IIHF deve discutir a situação do Campeonato Mundial de 2021 em sua próxima reunião do Conselho, em 17 de setembro. Os protestos na Bielorrússia continuaram desde a disputada eleição de 9 de agosto, onde Lukashenko, que governa o país desde 1994, supostamente venceu com 80% dos votos.

A União Europeia está entre aqueles que condenaram a eleição, afirmando que "não foi livre nem justa". Houve cenas violentas e confrontos entre manifestantes e policiais na capital bielorrussa no mês passado.

Países como a Letônia sancionaram 30 oficiais na Bielorrússia, incluindo Lukashenko, por terem um "papel central na falsificação de resultados eleitorais no país e no uso de violência contra manifestantes pacíficos".

Foto: Sergei Chirikov/AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário