Corredor queniano é suspenso por doping após ingerir ervas indicadas pela mãe - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Corredor queniano é suspenso por doping após ingerir ervas indicadas pela mãe

Compartilhe

O corredor queniano Philip Kangogo foi suspensão por dois anos pela Unidade de Integridade do Atletismo (AIU) após testar positivo para substâncias proibidas, que segundo o atleta, foram ingeridas de uma erva, que sua própria mãe tinha recomendado.

Kangogo, de 36 anos, testou positivo para o suplemento dietético higenamina após a Maratona de Cracóvia PZU, na Polônia, em 28 de abril de 2019. Ele havia terminado em terceiro na corrida em 2 horas 13min 46seg, mais de quatro minutos atrás do vencedor, Cyprian Kotut, outro queniano.

A proibição foi retroagida a 31 de julho de 2019 e seus resultados de 28 de abril daquele ano, incluindo seu desempenho em Cracóvia, foram anulados.

Kangogo escreveu à AIU em 8 de junho do ano passado, cinco dias depois que o laboratório credenciado pela Agência Mundial Antidoping em Varsóvia registrou o teste positivo, e disse que aceitava a presença de higenamina em sua amostra de urina.

Ele alegou que a substância proibida poderia estar contida em um suplemento contaminado que estava tomando. Kangogo também afirmou em sua carta à AIU que a droga poderia ter sido ingerida em ervas que ele vinha tomando a conselho de sua mãe, de acordo com o jornal queniano The Nation

Higenamina é um composto químico encontrado em uma variedade de plantas e Kangogo até mesmo forneceu fotos das ervas que alegou ter tirado. Mas uma investigação do Athletics Kenya não conseguiu comprovar nenhuma das afirmações.

Kangogo, cujo recorde pessoal para a maratona de 2:08:16 foi definido ao vencer a corrida de Barcelona em 2015, é apenas o mais recente em uma linha crescente de corredores quenianos de ponta que foi banido.

De acordo com o site da AIU, há agora 65 corredores quenianos cumprindo suspensão por crimes relacionados ao doping. Nomes notáveis ​​na lista incluem a campeã olímpica da maratona feminina de 2016, Jemima Sumgong, e o ex-recordista mundial de maratonas, Wilson Kipsang.

O medalhista de ouro mundial dos 1.500 metros de 2011, 2013 e 2015, Asbel Kiprop, também está banido, assim como Elijah Manangoi, que o sucedeu em 2017. No início deste mês, a AIU lançou um novo programa de testes voltado para os melhores corredores de rua, incluindo a maratona.

Isso incluiu medidas de intensificação para aumentar os testes de atletas quenianos. "Fomos informados de que a AIU vai organizar uma série de sessões de teste em grupo especificamente para corredores de rua", disse o Athletics Kenya. "As sessões serão realizadas em vários locais do Quênia durante o mês de setembro.

“O Atletismo Quênia está fornecendo todo o apoio logístico necessário para uma condução tranquila e segura dessas atividades, de acordo com as diretrizes de saúde de nosso Governo. Estamos 100 por cento comprometidos em apoiar a AIU em seu objetivo de proteger a integridade do nosso esporte" concluiu.

Foto: Revista Atletismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário