Coluna Gran Willy: As últimas grandes campanhas brasileiras em Roland Garros - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Coluna Gran Willy: As últimas grandes campanhas brasileiras em Roland Garros

Compartilhe



O terceiro título de Gustavo Kuerten em Roland Garros já tem quase 20 anos e desde então o Brasil nunca mais teve grandes campanhas no saibro parisiense na chave de simples. Tirando as quartas de final alcançada pelo próprio Guga em 2004, que chegou a vencer Roger Federer por triplo 6-4 na terceira rodada daquela edição, nunca mais um tenista brasileiro figurou nas fases decisivas do Major francês. Exceto nas duplas.


Desde 2008 algum brasileiro avança pelo menos às quartas de final da chave de duplas ou duplas mistas em Paris. E essa tradição começou com Bruno Soares, dono de seis títulos de Major (três em duplas masculinas e três em mistas).


Bruno entrou na chave principal de Roland Garros 2008 como alternate, quando um atleta ou time consegue uma vaga na chave principal após a desistência de um a que tem ranking melhor desiste de disputar o evento. Ao lado do sérvio Dusan Vemic, o brasileiro parou apenas na semifinal do torneio, perdendo para a dupla campeã, formada pelo peruano Luis Horna e o uruguaio Pablo Cuevas.


Em 2009, dois brasileiros tiveram campanhas de sucesso em Paris. Bruno Soares chegou até as quartas de final, desta vez ao lado do zimbabueano Kevin Ullyett. Pelas duplas mistas, Marcelo Melo foi finalista ao lado da estadunidense Vania King, perdendo a final para Lizel Huber e Bob Bryan. 


No ano de 2010, Bruno e Marcelo juntaram forças e avançaram até as quartas de final de Roland Garros, caindo diante o austríaco Julian Knowle e o israelense Andy Ram. 


Após alcançar aquela que é até hoje sua melhor campanha na chave de simples em um Grand Slam (4ª rodada de Roland Garros em 2010, caindo para Rafael Nadal), Thomaz Bellucci surpreendeu, chegando à semifinal na chave de duplas mistas no Major francês em 2011, ao lado da australiana Jarmila Gajdosova. Eles perderam para a australiana Casey Dellacqua e o estadunidense Scott Lipsky. 



 

Na edição de 2012, Marcelo Melo alcançou às quartas de final ao lado do croata Ivan Dodig, perdendo para a dupla italiana Danielle Braccialli e Potito Starace. 


Em 2013, Bruno Soares fez outra grande campanha no saibro parisiense, desta vez ao lado do austríaco Alexander Peya. Eles chegaram até a semifinal do torneio, perdendo para os irmãos Bob e Mike Bryan, que viriam a faturar o título. 


Cabeça de chave número três, Soares jogou o torneio de duplas mistas de Roland Garros 2014 ao lado da cazaque Yaroslava Shvedova, alcançando novamente a semifinal de um Major. Eles foram eliminados para a alemã Anna-Lena Gronefeld e o neerlandês Jean-Julien Rojer. 


Depois de 14 anos do último título brasileiro em nível profissional no Aberto da França (Guga em 2001), Marcelo Melo e seu parceiro croata Ivan Dodig ergueram o troféu de campeões da edição de 2015 do torneio, após baterem de virada Bob e Mike Bryan.  


No ano seguinte, Melo e Dodig quase conseguiram a manutenção do título, mas caíram contra a dupla espanhola formada por Feliciano López e Marc López. Ainda em 2016, Bruno Soares e a russa Elena Vesnina alcançaram as quartas de final do Major francês, mas perderam para a suiça Martina Hingis e o indiano Leander Paes, campeões desta edição. 


Em 2017 três brasileiros fizeram boas campanhas em solo parisiense. Bruno Soares e Jamie Murray perderam nas quartas de final contra Santiago González (MEX) e Donald Young (USA). Rogério Dutra Silva também alcançou a mesma fase, jogando ao lado do italiano Paolo Lorenzi. Eles caíram contra Fernando Verdasco (SPA) e Nenad Zimonjic (SRB). 


Nas mistas, Marcelo Demoliner e a espanhola Maria José Martinez Sánchez também caíram nas quartas, após derrota contra a alemã  Anna-Lena Gronefeld e o colombiano Robert Farah. 


Na edição de 2018 de Roland Garros, Demoliner repetiu o resultado alcançado no ano anterior, novamente ao lado de Martinez Sánchez. Desta vez a derrota nas quartas de final ocorreu contra Katarina Srebotnik (SLO) e Santiago González (MEX). 


No ano passado, novamente o Brasil teve destaque nas duplas mistas. Cabeças de chave 1 do torneio, Bruno Soares e a estadunidense Nicole Melichar chegaram na semifinal, mas perderam para Latisha Chan (TPE) e Ivan Dodig. 




Neste ano o Brasil terá quatro duplistas em Roland Garros: Luisa Stefani, Bruno Soares, Marcelo Demoliner e Marcelo Melo. Será que após cinco anos um brasileiro voltará a triunfar em solo francês?


Fotos: Reprodução 

Nenhum comentário:

Postar um comentário